RPDC pede ao CS da ONU para tratar das manobras dos EUA/Seul
 

  A República Popular Democrática da Coreia – RPDC solicitou na última sexta-feira (18) uma reunião do Conselho de Segurança da ONU em função das manobras militares dos EUA e Coreia do Sul que acontecem nesse momento na fronteira com a RPDC.

  O embaixador da RPDC na ONU, Ja Song Nam, afirmou que essas manobras em grande escala são muito agressivas e são dirigidas contra a Coreia socialista, são simulação e treinamento de guerra para preparar a invasão de Pyongyang. A situação é muito grave.

  Esses exercício militares que os EUA e a Coreia do Sul realizam anual e regularmente são ações provocativas que colocam em perigo o equilíbrio e a estabilidade na Península Coreana, obrigam o Exército Popular da Coreia ficar em prontidão e esse ano são de maior envergadura que em todos os anos anteriores. Participam 300 mil efetivos militares sul-coreanos e os quase 28.500 soldados americanos estacionados na Coreia do Sul.

  Pyongyang quer que o Conselho de Segurança da ONU investigue a questão para ajudar a manter a paz e o equilíbrio na região.

 Os EUA nesta segunda (21) anunciaram novas sanções unilaterais contra o país asiático além das que já tinha anunciado alguns dias passados e além das que conseguiu com sua “diplomacia” que fossem aprovadas pela ONU. As novas medidas sancionadas por Obama incluem atividades nos setores financeiro, de mineração e transporte. O governo dos EUA está decidido a forçar seus satélites e aliados a fazerem o mesmo para estrangular a economia norte-coreana, prejudicar o povo e deixá-lo descontente para assim, quem sabe, conseguir derrubar o governo socialista.

 Os EUA não querem que a RPDC se capacite para exercer a justa autodefesa de sua soberania e integridade territorial. Não admitem o programa nuclear e nem os lançamentos e testes de mísseis, satélites ou qualquer coisa que sirva para dotar o país de alguma condição de se autodefender. Como a Coreia não se dobra e não se intimida diante da gritaria americana os EUA usam a mídia, os organismos da ONU e outras instituições internacionais para tentar isolar com mentiras e difamações a RPDC.

 Nenhum organismo da ONU até hoje sancionou os EUA, a França, a Alemanha, o Japão ou ainda a China ou Índia entre outros países, por fazerem testes nucleares, por alguns destes possuírem bombas atômicas ou lançar mísseis balísticos e satélites. Os EUA realizaram mais de nove mil testes de mísseis de curto e de longo alcance nas últimas décadas. Desde o início dos anos 2000 efetivam um caríssimo programa de renovação de seu arsenal nuclear sem que qualquer organismo da ONU critique os imensos gastos do governo americano com armas nucleares ou fale alguma coisa sobre as guerras que esse país imperialista promove em todo o mundo como faz recentemente com a Síria, como fez com o Iraque, a Líbia, o Afeganistão para açambarcar o petróleo e as riquezas desses países.

 As mais de mil bases militares que os EUA mantêm em todos os continentes custam muito dinheiro dos cofres do governo que poderiam ajudar a reduzir muito a fome, a miséria, o desemprego e combater a crise criada pelos “too big to fail”.

 Mantendo a sua tradicional política de dois pesos e duas medidas os EUA querem ameaçar, provocar, intimidar outros países, mas não querem que nenhum deles reajam. É próprio da arrogância imperial.

 Mas quando se trata da coreia socialista é mais difícil para os EUA ganharem no grito. Lá grita mais alto e em uníssono o povo coreano.           ROSANITA CAMPOS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Capa
Página 2
  Página 3

Povo brasileiro exige imediata convocação de eleições gerais

Partidos na ABI concluem: o caminho é chamar o povo às urnas e resolver a crise

Ministro da Justiça provoca revolta na PF

Para juristas, Sérgio Moro foi correto ao divulgar grampos

Lava Jato descobre o Setor de Propina da Odebrecht

Governo sofre derrota no STF e Lula continua fora do ministério

Página 4 Página 5

Metalúrgicos de S. José lançam campanha ‘Fora PT/PMDB/PSDB’

RJ: servidores voltam às ruas e secretário diz que salário poderá ser parcelado novamente

Governo do PR estrangula universidades estaduais exigindo transferência de 80% dos seus recursos

2,5 mil estivadores do Porto de Santos fizeram paralisação de 24 horas por reajuste salarial e direitos

Governo deveria desistir de alterar Previdência, diz Paim

Situação é de fome nas escolas de São Paulo, relata professora

ESPORTES

Página 6

Pacto UE-Turquia agrava a crise com deportação de refugiados

Argentina: pesquisa aponta redução drástica do poder aquisitivo dos 10% mais pobres desde a posse de Macri

Ministro do Trabalho inglês renuncia contra corte no orçamento para apoio a deficientes

Bruxelas: atentados deixam 34 mortos e mais de cem feridos

Exército sírio avança para retomar do EI cidade histórica de Palmira

Página 7

Raúl: ‘Normalização só com fim do bloqueio e volta de Guantánamo’ são essenciais”

Para Cuba, “direitos humanos e direitos sociais são indissolúveis”

Bloqueio dos EUA a Cuba é ‘Plano Marshall’ às avessas: perdas vão a US$ 121 bilhões

FDIM homenageia na ONU Vinnie Burrows, presidente da ‘Mulheres por Igualdade Racial e Econômica’- WREE

Bernie Sanders vence nas primárias internacionais do Partido Democrata

RPDC pede ao CS da ONU para tratar das manobras dos EUA/Seul

Banco dos BRICS começa a operarcom yuan em substituição ao dólar

Okinawa: marine estupra japonesa e multidão exige: fora tropas ianques

Página 8

História da Petrobrás - (5)