Salvação do Brasil é ter eleições gerais já!

Eleição indireta com esse Congresso só aumenta a crise
 

A vaga de indignação que tomou o país na noite de quarta-feira – e que continua a se espraiar e a se avolumar – é o acontecimento mais saudável e esperançoso que poderia haver para um brasileiro. Está plenamente justificado – e é, mesmo, um imperativo de quem ama sua Nação, seu povo e sua família - todo aquele que manifestar a sua raiva, até mesmo o seu ódio, contra essa rataria que tomou o poder e o usa para devastar o Brasil, para sacrificar o povo, para deixá-lo sem direitos, sem emprego, sem casa e sem comida - enquanto rouba, saqueia, pilha os recursos de todos, o dinheiro e a propriedade pública.

Quando fechávamos esta edição, em função das confissões e gravações da JBS, o presidente nacional do PSDB, Aécio Neves, fora afastado do Senado pelo STF e sua prisão preventiva estava para ser julgada; sua irmã, e parceira, Andreia Neves, fora presa. Temer escondia-se no Jaburu, dizendo aos seus auxiliares para "aparentar normalidade" (só rindo...) e Mantega – flagrado, mais uma vez, como receptador e operador de propinas para o PT – ainda não conseguira ser encontrado. Em frente ao Planalto, o ruído das buzinas era sem trégua. Em todo o Brasil, o povo, de várias formas, se manifestava contra o esgoto em que peemedebistas, tucanos e petistas tornaram a vida política e econômica do país.

Por tudo isso, se vê a quem beneficiava a campanha de Lula e seus sequazes contra a Operação Lava Jato, a Polícia Federal, os procuradores, o juiz Moro e o Procurador Geral Janot.

O que somente quer dizer que, na essência, a diferença moral de Lula para Temer é que o primeiro consegue enganar alguns trouxas – que, aliás, querem ser enganados, por isso enganam mais a si próprios do que Lula consegue enganar a eles. Fora o círculo de trouxas, Temer e Lula são, essencialmente, a mesma porcaria. Para ambos, roubar, receber propinas para agir contra o país, contra o povo, perpetrar estelionatos eleitorais (e não somente eleitorais), é algo que "faz parte da política" - aliás, para eles, a política serve para isso. Pode existir algo mais vomitivo?

PREPOSTO

Que o elemento degenerado que ocupa a Presidência fosse exposto ao bater a carteira de um transeunte, seria menos escandaloso e muito menos nocivo para a coletividade do que acertar, como Temer fez - através de um preposto, Rocha Loures - uma propina de R$ 500 mil por semana, durante 20 anos (isto é, R$ 480 milhões), para que o Cade, supostamente encarregado de combater práticas monopolistas, privilegiasse um monopólio privado contra - e às custas - da Petrobrás.

Isso aconteceu em março e abril último, ou seja, quase anteontem, e depois de três anos de Operação Lava Jato. Tamanha falta de vergonha para cuspir em cima das mais elementares normas sociais, tamanho desrespeito ao país e ao povo – mais ainda quando, ao mesmo tempo, se atenta contra os direitos trabalhistas e previdenciários – merece mais do que cadeia. Nessas horas, sente-se que a legislação brasileira, nesses casos, é muito branda.

Joesley Batista – um dos donos da JBS, que gravou suas conversas – disse a Temer que estava pagando a Eduardo Cunha e ao escroque Lúcio Funaro, ambos na cadeia, para que ficassem calados. Resposta de Temer: "tem que manter isso, viu?".

Cunha estava na reunião, no escritório de Temer, em que foi acertada a propina de US$ 40 milhões (40 milhões de dólares), para a cúpula do PMDB, com Márcio Faria, diretor da Odebrecht.

Funaro foi o portador do dinheiro da Odebrecht entregue, em 2014, no escritório de José Yunes (até há pouco, assessor especial de Temer), a pedido de Padilha e acertado com Marcelo Odebrecht pelo próprio Temer - segundo testemunho de Yunes, que recebeu o pacote com o dinheiro.

São duas amostras daquilo que Temer não quer que Cunha e Funaro falem.

Cunha, na cadeia, disse que "se a JBS delatar, será o fim da República". Temer diz, sobre o suborno de Cunha, "tem que manter isso, viu?".

Realmente, será uma grande nova para a História do Brasil se essa república dos Temer, Lula, Aécio, Cunha, e outros pulhas, acabar. Ela é tudo o que não temos de manter e não devemos manter. Sucintamente: ou o Brasil acaba com eles ou eles acabam com o Brasil.

Os Temer, Lula, Cunha & Aécio querem manter essa república de subornos, de pilhagem do dinheiro do povo, que é apenas um conluio de ladrões e de candidatos a feitores de escravos.

SAÍDAS

[Alguns acadêmicos petistas, tucanos ou assemelhados, recentemente apareceram com a tese de que estamos vivendo os últimos dias (o "esgotamento") da Nova República, inaugurada com o fim da ditadura e a eleição de Tancredo Neves. Não é verdade. O regime atual nada tem a ver com a Nova República de Tancredo, Ulysses e da Constituição de 1988. O problema é que o PT votou contra Tancredo, recusou-se a assinar a Constituição de 1988 e serviu de escada para a eleição de Collor - contra Ulysses e Brizola. Agora, tenta passar Temer, que eles mesmos colocaram no poder, como o "esgotamento" da Nova República, que petistas e tucanos já tinham liquidado há muito.]

É significativo que a maior parte do que dizem – assim como a mídia – são especulações de saídas para o país que não saem de coisa alguma. Segundo eles – inclusive o velho proxeneta Fernando Henrique – tudo "deve dar-se no absoluto respeito à Constituição". Ou seja, as eleições devem ser indiretas.

Essa malta nunca recuou em mudar a Constituição, de acordo com os seus interesses ou daqueles que mandam neles. Fernando Henrique mudou até o tamanho de seu mandato, com a reeleição, até o fim do monopólio estatal do petróleo e mais um sem número de mudanças na Constituição, contra o país. Ainda agora, querem atacar a Previdência Social através de uma mudança na Constituição.

No entanto, para resolver a crise que eles armaram e provocaram, aí não se pode mudar a Constituição – de repente se transformaram em respeitadores absolutos da Constituição, como se o principal preceito constitucional não fosse o de que o poder emana do povo – e, portanto, a Constituição tem que responder à vontade e aos interesses do país.

Mas somente são a favor de que a eleição seja indireta porque querem colocar alguém como o degradado Meirelles, presidente do conselho da JBS até o início do governo Temer, no Planalto.

Querem eleições indiretas porque não conseguem conceber nenhum mundo, nenhuma vida política, que não seja nos trilhos de uma república de propina e de destruição das forças produtivas do país. Querem continuar impondo ao país a sua corrupção. Daí esse súbito amor (??) à letra da Constituição, que, para eles, somente é sagrada quando lhes convém para submeter o país a espúrios interesses.

Querem que nada mude, porque interessa a eles que nada mude. Nem mesmo são adeptos do mandamento daquele príncipe ("é preciso que tudo mude para que tudo continue do mesmo jeito"). Para eles, é preciso que tudo continue igual para que continuem roubando o povo do mesmo jeito.

Evidente, o dispositivo constitucional que indica eleições indiretas não foi concebido para o tipo de crise atual, em que o próprio Congresso – ou seja, os eleitores de uma eleição indireta – é parte da crise.

Pois o que a confissão da JBS deixa claro é que precisamos de mais Lava Jato para limpar este país.

Daí a necessidade de recorrer ao povo – de convocar eleições gerais para varrer o excremento corrupto e estabelecer algum grau de democracia: um novo governo e um novo Legislativo.

O Brasil, a partir de quarta-feira à noite, será decidido pelas ruas, pois somente o povo pode restituir a si o poder que lhe foi usurpado.

C. L.

 

Capa
Página 2
Página 3

Salvação do Brasil é ter eleições gerais já!

Molon protocola pedido de impeachment

Fachin afasta Aécio do Senado

Agendas e foto desmentem Lula

Okamoto e Vaccari na agenda de Léo Pinheiro (Carlos Lopes)

JBS: Mantega recebia a propina e distribuía

Página 4 Página 5

Paim: ‘Quem votar pela PEC da Previdência não volta em 2018’

Com manifestações e panelaço, povo vai às ruas após divulgação de gravações de Temer

“Paramos o Brasil e agora vamos ocupar Brasília”, convocam Centrais em manifesto

Se ‘reforma trabalhista’ for aprovada, Justiça do Trabalho acaba em 5 anos, afirma ministro do TST

Contrato ‘autônomo’ deixará trabalhador sem direitos e garantias, denuncia Juiz

Metalúrgicos de todo o país preparam acampamento no Congresso contra “reformas”

GM deixa 1,5 mil em layoff por 5 meses em São José

ESPORTES - Na Argentina, Flamengo é eliminado da Libertadores

 

Página 6

Gregos em greve geral rechaçam arrocho. Perdas chegam a 52,6%

Mídia cai no ridículo ao divulgar balela de que o cyberataque veio da RPDC

Argentina: professores e estudantes marcham contra ataque de Macri a universidade pública

José Dirceu recebeu R$ 4,3 milhões para facilitar contubérnio Oi/Portugal Telecom

Professores colombianos param por “reajuste que responda à inflação”

Boicote, desinvestimento e sanções a Israel em defesa dos palestinos

Página 7

Homeland aperta em Washington DC cerco ao presidente Trumpov

Chelsea Manning agradece apoio que recebeu do mundo todo ao ser libertada de Fort Leavenworth

Ford anuncia demissão de 20 mil trabalhadores

Marcelo Odebrecht confirma à Procuradoria Geral do México seus subornos na Pemex

Casa Branca nomeia advogado de bancos para regular a moeda

Cruz Vermelha encontra 115 cadáveres na República Centro-Africana, sob intervenção da França

Polícia algema criança de 7 anos em escola nos EUA

Trump suspende plano de mudar a embaixada dos EUA para Jerusalém

Página 8

A Baronesa de Grajaú e outros casos da piedosa caridade dos escravagistas - (3)