“Aumento na água é ilegal, abusivo e lesivo”

Tarifaço de Beto Richa não tem justificativa, afirma o deputado estadual Márcio Pacheco

Em entrevista ao HP, o Deputado Estadual Marcio Pacheco (PPL) conversou sobre os diversos aumentos na conta de água da Sanepar (Companhia de Saneamento do Paraná) nos últimos anos, que somam mais do que o dobro da inflação acumulada no período, e fez uma avaliação do momento político atual no Paraná e no Brasil.

HORA DO POVO: Deputado, resultado da sua denúncia, na última semana o PROCON notificou a Sanepar pelos aumentos na conta de água. Como você avalia a situação e quais as perspectivas?

Márcio Pacheco: Os aumentos da Sanepar são abusivos e injustificados. Uma agressão contra os interesses da população do Paraná, em um momento que o Brasil vive uma grave crise, inclusive de desemprego. Aumentar a tarifa da água atinge todos os cidadãos, os podem e os que não podem pagar. Para algumas pessoas 10, 20 ou 30 reais a mais na tarifa de água pode ser o único dinheiro que ele teria para comprar um litro de leite para o seu filho. Então é um abuso naturalmente sem nenhum cabimento. Os aumentos não se justificam porque a Sanepar vem sendo altamente lucrativa. O único objetivo é atender os interesses dos empresários que integram a Sanepar, e só pensam no lucro, e não nos interesses do povo do Paraná. Então nós protocolamos uma denúncia no PROCON, e a entidade agiu e solicitou explicações a Sanepar. Se o PROCON for sério não vai se convencer da seriedade das justificativas que eventualmente serão apresentadas pela Sanepar. De 2011 para cá já passa de 132% de aumento, muito acima dos ajustes inflacionários no período.

De qualquer maneira estamos atuando em várias frentes, nos próximos dias protocolaremos na justiça uma Ação Popular pedindo uma liminar de cancelamento desse reajuste, no nosso entendimento esse aumento é ilegal, abusivo e lesivo para a população do Paraná.

HP: Como você avalia o governo de Beto Richa (PSDB)?

MP: O governo Beto Richa é um governo que não defende o seu povo. É um governo que atua para fortalecer e defender o governo. Sua gestão administrativa concedeu uma série de aumentos na Copel, na Sanepar, no IPVA, em itens importantes da cesta básica do cidadão paranaense e tentou articular que avançasse a discussão de prorrogação dos contratos de pedágio - que foi barrada pela luta da frente parlamentar contra a prorrogação dos contratos de pedágio, que fazemos parte. Agiu com uma truculência como nunca se viu, na história do Paraná e do Brasil, contra os nossos professores e servidores para saquear e retirar do Paraná a presidência do Fundo dos Servidores Públicos, que deve chegar próximo a R$ 6 bilhões, e agora faz propaganda de que o governo está bem. Mas não é naturalmente por conta da sua capacidade de gestão e sim por conta do golpe que ele deu nos servidores de forma agressiva e truculenta, a contragosto da população e de maneira totalmente antidemocrática. Uma postura de governo que não se alinha com os interesses do povo, realidade muito semelhante com a do governo federal, que tem uma gestão pra defender interesses pessoais.

HP: Qual sua visão sobre o governo Temer (PMDB)?

MP: O governo Temer praticou crime de corrupção passiva do ponto de vista jurídico, e pratica todos os dias crime de corrupção ativa, ao comprar por meio de emendas parlamentares, os votos dos deputados para tudo que ele quer, inclusive para se defender e para aprovar o que ele, sem nenhuma legitimidade, tenta aprovar no Brasil. As emendas parlamentares viraram objeto de barganha, de fisiologismo político de maneira muito característica, uma promiscuidade política que estamos vivendo no Brasil, envolvendo o governo federal e a grande maioria dos deputados federais que se propõe a fazer parte desta vergonha histórica, onde quem sofre mais e quem é mais prejudicado, infelizmente, mais uma vez, é a nossa nação, o nosso povo. Então lamentável o momento que estamos vivendo. Precisamos ter disposição de ir pras ruas, porque sós as ruas podem tirar o governo das mãos do Temer e seus aliados. E lutar para que, além disso, o povo brasileiro possa votar assertivamente ano que vem, tirando do poder esse antro de parlamentares e governantes que atuam sempre em causa própria e contra os interesses do povo.

Precisamos manter nossa altivez de nação, de povo, mostrar que dentro do Partido Pátria Livre, vemos o governo de uma maneira diferente, um governo que pense o Brasil, que pense em unificar a nação baseado nos interesses do povo. Acreditamos que isso será possível um dia e mantemos a esperança de que seremos protagonistas da mudança que o Brasil sonha.


Capa
Página 2
Página 3

“Lula agiu com culpabilidade extremada”, afirma juiz Moro

Moro a Lula: a lei ainda está acima de você

Maluf garante que Temer é honesto

Geddel sai da Papuda para prisão domiciliar

Deputado acusa Temer de obstruir a Justiça

Para Major Olímpio, Temer implantou na CCJ uma “cafetinagem parlamentar”

Temer pede R$ 600 mil de Joesley como indenização

Farsantes Michel Temer e Maia prometeram MP para dar golpe na CLT

Página 4 Página 5

Randolfe: ‘senadores assinaram a mais cruel lei aqui já aprovada’

Mulher grávida poderá trabalhar em locais que causam riscos à saúde

“Povo foi traído por um Congresso vendido e ladrão. Eleições gerais já”, defende Paim

Ministério Público do Trabalho exige veto total ao PL e denuncia inconstitucionalidade ao STF

Conlutas: ‘Ataque aos direitos trabalhistas foi aprovado por parlamentares que estão no bolso da Odebrecht’

Bira: Congresso aprovou um projeto rejeitado pelo povo

ESPORTES - Timão 2 x 0 Palmeiras: quem para o Corinthians?

 

Página 6

“Pátria ou dólar”: a luta do povo argentino contra a parasitagem

Ministério Público do Peru requer prisão de ex-presidente Humala que Odebrecht subornou

“Assad teria 90% dos votos numa eleição na Síria”, afirma senador norte-americano

Procuradora-geral da Venezuela afirma que permanece “no cargo para defender a democracia”

Marea Socialista: “Resta à Venezuela retomar a Constituição de Hugo Chávez”

Página 7

Mossul arrasada pelas bombas ianques: 1 milhão de desalojados

      Lavrov: evacuação caótica de Mossul fez com que mais pessoas morressem

    
Trump Jr. chamado para fazer uma ponta no novelão “os russos estão chegando”

     Premiê May oculta relatório sobre os financiadores de terroristas para acobertar Arábia Saudita, diz a oposição

Congo frustra tentativa de ‘viúvas’ de Mobuto para assassinar líder do PC e aliado do presidente Kabila

     A Índia, 2º país mais populoso, adota política de planejamento familiar

    Chanceler de Omã visita o Irã por solução para crise no Golfo

 

Página 8

“Anna Karenina” vai abrir a 4ª Mostra Mosfilm no Brasil

Diretor Karen Shakhnazarov estará presente na abertura da Mostra

Publicidade