Bira: Congresso aprovou um projeto rejeitado pelo povo 

O presidente da CGTB, Ubiraci Dantas, o Bira, esteve presente esta semana no Senado Federal para acompanhar a votação da “reforma” trabalhista, que acaba com a CLT (ver matéria nesta página). Durante audiência pública, Bira classificou os argumentos do governo como “conversa fiada”, e que “essa política o povo brasileiro já rejeitou”.

O PLC 38/2017, que institui a reforma trabalhista, elimina uma série de direitos trabalhistas. Além de permitir que acordos possam se sobressair à lei (mesmo que prejudiciais ao trabalhador), ainda institui o acordo individual, sem a representação do sindicato.

“O Brasil está sendo roubado de tudo quanto é jeito. Para se ter uma ideia, de 2003 até 2016, os governos enviaram para o capital financeiro internacional 3 trilhões e 540 bilhões de reais. Como é que sobra dinheiro para o Brasil?”, indagou o presidente da central, criticando a política de juros nas alturas.

“Então houve, em nossa opinião, uma opção, de 2003 para cá, de claramente privilegiar o setor rentista. Porque é muito dinheiro senhores: 3 trilhões e 540 bilhões de reais não é mole não! Por isso não tem dinheiro para saúde, para a educação. Além disso, fizeram as desonerações. Foram bilhões, principalmente para as multinacionais, que deixaram de pagar as contribuições delas, que era de 20 e tantos por cento, e passaram a pagar 1,5% sobre o lucro, dizendo que isso iria gerar emprego, mas o que vemos é o desemprego só aumentando”, denunciou o presidente.

Bira ressaltou que “tivemos o 15 de março e depois o 28 de abril, que foi uma greve espetacular. Depois tivemos o 24 de maio, que foi a tomada de Brasília. E desde então as coisas só pioraram, e teve gente que achava que era para fazer acordo com o Temer. Isso está errado. Isso vai contra o movimento: sentar com quem não cumpre acordo e trocar alhos por bugalhos não dá certo”, apontou o sindicalista, lembrando de acordos feitos por sindicalistas com o governo em troca de alterações em pontos chave do projeto através de medidas provisórias. Mal a votação terminou, Maia publicou nas redes sociais que a Câmara não iria aceitar nenhuma mudança na lei e que qualquer MP não seria reconhecida pela Casa.

Por isso também Bira finalizou relembrando que este é um Congresso eleito com dinheiro de propina, pelo assalto do povo. “Tem gente que acha que é só em 2018 que a gente vai dar o troco. Não é não. A gente vai execrar essa cambada que traiu o povo brasileiro. E eu quero que o Temer caia é agora, eu quero que aqueles que votaram contra a Nação, contra o povo brasileiro, sejam denunciados, para não permitirmos que esses elementos voltem a se eleger para trair ainda mais e tirar mais direitos dos trabalhadores. É por isso que nós somos a favor das Eleições Gerais Já!”, ressaltou. 


Capa
Página 2
Página 3

“Lula agiu com culpabilidade extremada”, afirma juiz Moro

Moro a Lula: a lei ainda está acima de você

Maluf garante que Temer é honesto

Geddel sai da Papuda para prisão domiciliar

Deputado acusa Temer de obstruir a Justiça

Para Major Olímpio, Temer implantou na CCJ uma “cafetinagem parlamentar”

Temer pede R$ 600 mil de Joesley como indenização

Farsantes Michel Temer e Maia prometeram MP para dar golpe na CLT

Página 4 Página 5

Randolfe: ‘senadores assinaram a mais cruel lei aqui já aprovada’

Mulher grávida poderá trabalhar em locais que causam riscos à saúde

“Povo foi traído por um Congresso vendido e ladrão. Eleições gerais já”, defende Paim

Ministério Público do Trabalho exige veto total ao PL e denuncia inconstitucionalidade ao STF

Conlutas: ‘Ataque aos direitos trabalhistas foi aprovado por parlamentares que estão no bolso da Odebrecht’

Bira: Congresso aprovou um projeto rejeitado pelo povo

ESPORTES - Timão 2 x 0 Palmeiras: quem para o Corinthians?

 

Página 6

“Pátria ou dólar”: a luta do povo argentino contra a parasitagem

Ministério Público do Peru requer prisão de ex-presidente Humala que Odebrecht subornou

“Assad teria 90% dos votos numa eleição na Síria”, afirma senador norte-americano

Procuradora-geral da Venezuela afirma que permanece “no cargo para defender a democracia”

Marea Socialista: “Resta à Venezuela retomar a Constituição de Hugo Chávez”

Página 7

Mossul arrasada pelas bombas ianques: 1 milhão de desalojados

      Lavrov: evacuação caótica de Mossul fez com que mais pessoas morressem

    
Trump Jr. chamado para fazer uma ponta no novelão “os russos estão chegando”

     Premiê May oculta relatório sobre os financiadores de terroristas para acobertar Arábia Saudita, diz a oposição

Congo frustra tentativa de ‘viúvas’ de Mobuto para assassinar líder do PC e aliado do presidente Kabila

     A Índia, 2º país mais populoso, adota política de planejamento familiar

    Chanceler de Omã visita o Irã por solução para crise no Golfo

 

Página 8

“Anna Karenina” vai abrir a 4ª Mostra Mosfilm no Brasil

Diretor Karen Shakhnazarov estará presente na abertura da Mostra

Publicidade