Procuradora-geral da Venezuela afirma que permanece “no cargo para defender a democracia”

A procuradora-geral da Venezuela, Luisa Ortega Díaz, afirmou que se manterá no cargo “para defender a democracia”, contrariando até mesmo uma possível decisão do Tribunal Supremo de Justiça sobre sua destituição por manter posições críticas ao presidente Nicolás Maduro.

Ortega denuncia arbitrariedades, como a instrumentação de distorções eleitorais distritais para fornecer a Maduro – através de uma constituinte espuriamente convocada (ver matéria abaixo) – uma maioria parlamentar que não possui mais na população e nem na Assembleia Nacional da presente legislatura, e ainda a corrupção envolvendo elementos do governo atual e a Odebrecht.

“Vou me manter firme em meu cargo para defender a democracia”, afirmou durante uma entrevista à emissora argentina Radio Con Vos ao tratar da decisão que deve ser proferida pelo Tribunal Supremo de Justiça nessa semana. A decisão é um desdobramento da audiência ocorrida semana passada, na qual o governo acusou Ortega de mentir contra os magistrados.

“Eu denunciei os magistrados que estão me processando porque eles não são legítimos. Não sei se vão me destituir ou não, aqui pode acontecer qualquer coisa”, acrescentou. “Esse julgamento perdeu toda a formalidade. Começou com pré-julgamento por faltas graves e terminou com uma perseguição penal, com o congelamento de bens e a proibição de saída do país”.

Enquanto ocorria a audiência contra Ortega, dia 4 de julho, o governo juramentou Katherine Harington vice-procuradora e eventual substituta de Ortega.

Ortega rompeu com o governo em meio à convulsão social e aos conflitos que levou 93 manifestantes, simpáticos ou não a Maduro, à morte desde o primeiro de abril. A partir do rompimento, ela tem acelerado os processos contra o governo, inclusive as investigações contra a participação das forças de segurando nos protestos.

Sobre os escândalos envolvendo a Odebrecht no país, ela afirmou que revelará os nomes dos acusado por corrupção passiva. Espera-se uma vasta lista, já que a Venezuela foi o segundo pais a receber o maior montante de propina.


 


Capa
Página 2
Página 3

“Lula agiu com culpabilidade extremada”, afirma juiz Moro

Moro a Lula: a lei ainda está acima de você

Maluf garante que Temer é honesto

Geddel sai da Papuda para prisão domiciliar

Deputado acusa Temer de obstruir a Justiça

Para Major Olímpio, Temer implantou na CCJ uma “cafetinagem parlamentar”

Temer pede R$ 600 mil de Joesley como indenização

Farsantes Michel Temer e Maia prometeram MP para dar golpe na CLT

Página 4 Página 5

Randolfe: ‘senadores assinaram a mais cruel lei aqui já aprovada’

Mulher grávida poderá trabalhar em locais que causam riscos à saúde

“Povo foi traído por um Congresso vendido e ladrão. Eleições gerais já”, defende Paim

Ministério Público do Trabalho exige veto total ao PL e denuncia inconstitucionalidade ao STF

Conlutas: ‘Ataque aos direitos trabalhistas foi aprovado por parlamentares que estão no bolso da Odebrecht’

Bira: Congresso aprovou um projeto rejeitado pelo povo

ESPORTES - Timão 2 x 0 Palmeiras: quem para o Corinthians?

 

Página 6

“Pátria ou dólar”: a luta do povo argentino contra a parasitagem

Ministério Público do Peru requer prisão de ex-presidente Humala que Odebrecht subornou

“Assad teria 90% dos votos numa eleição na Síria”, afirma senador norte-americano

Procuradora-geral da Venezuela afirma que permanece “no cargo para defender a democracia”

Marea Socialista: “Resta à Venezuela retomar a Constituição de Hugo Chávez”

Página 7

Mossul arrasada pelas bombas ianques: 1 milhão de desalojados

      Lavrov: evacuação caótica de Mossul fez com que mais pessoas morressem

    
Trump Jr. chamado para fazer uma ponta no novelão “os russos estão chegando”

     Premiê May oculta relatório sobre os financiadores de terroristas para acobertar Arábia Saudita, diz a oposição

Congo frustra tentativa de ‘viúvas’ de Mobuto para assassinar líder do PC e aliado do presidente Kabila

     A Índia, 2º país mais populoso, adota política de planejamento familiar

    Chanceler de Omã visita o Irã por solução para crise no Golfo

 

Página 8

“Anna Karenina” vai abrir a 4ª Mostra Mosfilm no Brasil

Diretor Karen Shakhnazarov estará presente na abertura da Mostra

Publicidade