Apontamentos de Che sobre um livro famoso

Continuação da Pagina 8

Pág. 534 - nº 158
    MEP: “Entre as empresas estatais está amplamente estendida a forma de salário por obra realizada.

“Diferentemente do ‘salário por peça’ capitalista, baseado na intensificação excessiva do trabalho e que não repõe o desgaste da força de trabalho, no socialismo o salário por obra realizado se baseia em normas progressivas médias de produção acessíveis à grande massa de trabalhadores e assegura o aumento da produção a medida em que se eleva a produtividade do trabalho. Esta forma de salário impulsiona a total e racional utilização das máquinas, do equipamento industrial, das matérias primas, do tempo de trabalho, a implantação dos aperfeiçoamentos técnicos e a melhor organização do trabalho e da produção. O salário por obra realizada propicia o desenvolvimento da emulação socialista, posto que a alta produtividade do trabalho se traduz também numa alta remuneração”.

CHE: “Estão com uma mangueira entre as mãos e querem tapá-la com uma folha de parreira, a única diferença é o destino do trabalho excedente”.

 Pág. 546 - nº 162
    MEP:
“O postulado da lei do valor reside em que os preços das mercadorias correspondem à inversão do trabalho socialmente necessário. A lei do valor impulsiona as empresas a conseguirem que os custos individuais de produção de uma determinada mercadoria sejam, dentro do possível, inferiores ao custo socialmente necessário. Se o custo individual de uma empresa excede o custo socialmente necessário, pelos quais se determinam os preços, esta empresa não poderá cobrir integralmente seus custos e operará com perdas. As empresas em que os custos individuais coincidam com os custos socialmente necessários ou sejam inferiores a eles estarão em situação mais vantajosa, assegurarão a rentabilidade da produção. A rentabilidade de uma empresa significa que os meios obtidos para ela realizar seus produtos cobrem o custo de produção e geram um ingresso excedente. A rentabilidade é um dos índices mais importantes da efetividade econômica do funcionamento das empresas durante um período de tempo. O cálculo econômico coloca as empresas em uma situação na qual se vêem obrigadas o conseguir a maior economia possível nos recursos e a serem empresas rentáveis”.

CHE: “A rentabilidade é uma noção relativa numa economia planificada. O fato de que se tenha buscado uma fórmula que automatiza o processo por meio de relações monetárias a converte em um instrumento de controle, porém também inaugura a luta por fazê-la efetiva por todos os meios ao alcance das empresas. Pode-se dizer que é um bom instrumento, porém o sistema empregado não é o único utilizável”.

 Pág. 548 - nº 164
     MEP:
“O cálculo econômico se baseia no interesse material das empresas, de todos os trabalhadores e do pessoal dirigente, no cumprimento dos planos, no rápido e constante auge da produção, na gestão econômica e racional da empresa e na garantia da rentabilidade destas.

“O interesse material da empresa e de seu pessoal no cumprimento do plano e no auge da produção o assegura, sobretudo, o fato de que a empresa obtém os recursos financeiros em consonância com os resultados de suas atividades econômicas. Ademais se deixa à disposição da empresa uma parte dos ingressos (dos lucros), que se destina a completar os meios de rotação e as inversões e melhorar as condições de existência de seus operários e empregados em relação às demandas culturais e sociais, a premiar os melhores trabalhadores, etc.”

CHE: “É a demonstração de que o cálculo econômico se utiliza como palanca administrativa, é uma espécie de fixação das regras do jogo para que as empresas lutem para obter o máximo na partilha.

 Pág. 551 - nº 165
    MEP
: “Os meios materiais e monetários de que dispõem as empresas socialistas constituem os fundos destas empresas. Diferentemente do capital que expressa as relações de exploração dos trabalhadores pelos capitalistas, os fundos das empresas socialistas representam a propriedade social e se usam em interesse de toda a sociedade. Os fundos das empresas estatais são propriedade de todo o povo, posta a disposição dessas empresas. Os fundos das empresas cooperativas são propriedade cooperativa das próprias empresas que os manejam.”

CHE: “Nem todos os fundos se usam em interesse de toda a sociedade, há um fundo de empresa que serve para satisfazer as necessidades desse coletivo e para aumentá-lo lutam os membros do mesmo, em contradição com os restantes”.

Pág. 561 - n° 169
   MEP:
“O ingresso líquido da empresa estatal é a parte do ingresso líquido criada pelo trabalho adicional para a sociedade que se acumula na empresa e se utiliza em parte considerável para suas próprias atenções. O ingresso líquido centralizado do Estado é a parte do ingresso líquido da sociedade que se concentra em mãos do Estado, para aplicá-la às necessidades de todo o povo.”

CHE: “Observe-se que o ingresso líquido da empresa estatal se reverte nela mesma. Este é um dos pontos fracos do sistema, o que contribui para o fortalecimento da empresa dentro da superestrutura da sociedade socialista.”

 Pág. 564 - n ° 170
       MEP:
“Em relação com o processo de fortalecimento do cálculo econômico, vai crescendo a parte do ingresso líquido (lucro) da empresa dentro da massa global do ingresso líquido da sociedade e vai diminuindo proporcionalmente a parte do ingresso líquido centralizado do Estado do chamado imposto de circulação.

“Incrementa-se a parte do ingresso líquido (lucro) das empresas estatais colocadas a disposição destas. E, com isso, aumenta a importância do ingresso líquido (lucro) da empresa para a ampliação da produção nesta empresa (incremento de fundos de rotação, financiamento de investimentos básicos), para o aperfeiçoamento da produção, o pagamento de prêmios aos trabalhadores da empresa e a elevação de seu nível material e cultural. E isso fortalece o interesse material da empresa e de seu pessoal na economia e o emprego efetivo de seus recursos e no aumento da rentabilidade da produção.”

CHE: “Extrapola sobre o dito no 169”.

 Pág. 577-578 - n° 179
   MEP:
“Como temos dito, as Estações de Máquinas e Tratores (EMT) desempenharam um importante papel na criação e no fortalecimento e desenvolvimento do regime kolkhosiano. Mas, na nova etapa de desenvolvimento dos kolkhoses, a forma anterior de serviço técnico de produção dado aos kolkhoses por meio da EMT começava a entorpecer o cumprimento da tarefa  central que era necessário resolver para construir o comunismo, a saber: a elevação da produtividade do trabalho. A coexistência dos donos, o kolkhos e a EMT numa só terra e num só processo de produção começou a engendrar uma série de contradições que freavam a utilização mais efetiva da terra, da técnica e da mão de obra e elevavam o custo de produção dos produtos agrícolas.
 
    [... ]

“Deste modo, foi amadurecendo a necessidade de vender aos kolkhoses o equipamento técnico concentrado nas Estações de Máquinas e Tratores e de reorganizar estes centros sob a forma de Estações técnicas de conserto.”

CHE: “Este é um exemplo palpável de contradições que vão se tornando antagônicas entre a propriedade social e a da coletividade individual. As EMT podiam ter muitos vícios de burocratismo, mas a superestrutura impôs sua solução: maior autonomia, mais riqueza particular".

 

 

     

Capa
Página 2

Página 3

Auxiliar de Temer é flagrado tratando de propina com JBS

Temer sanciona lei do Fundão bilionário

Para pesquisa, 70% não vê diferença entre PT e PSDB; 63,7% não votariam em candidatos desses partidos

Juiz Sérgio Moro cobra de Lula os originais dos recibos dos aluguéis

Exposição na Câmara presta homenagem a João Goulart

Temer obstrui a Justiça trocando deputados na CCJ

É urgente o fim do foro privilegiado, diz Fachin

Gilmar Mendes é alvo de outro tomataço em S. Paulo

AGU de Temer envia ao STF parecer a favor de Aécio

Página 4 Página 5

Cobap organiza audiência para combater ataque à Previdência

“Querem é livrar a cara dos maiores devedores da Previdência e descontar no trabalhador”, diz dep. Faria de Sá

“Reforma trabalhista não será aplicada acima da Constituição”, afirmam juízes do Trabalho

GM: Metalúrgicos de S. J dos Campos rejeitam acordo sem aumento real e que corta direitos

Para Superior Tribunal Justiça, suspender auxílio-doença sem perícia médica é ilegal

Correios aceitam acordo que renova ACT e encerram greve

Redução de direitos: Petroleiros rejeitam proposta e encerram assembleias defendendo greve

Justiça do RJ proíbe governo de cortar salários de grevistas

 

 

Página 6

Espanhóis se unem por diálogo e na condenação à repressão de Rajoy

“Joan Manuel Serrat: “governo espanhol deve conversar com as forças catalãs”

“Ganhamos o direito à independência, mas propomos o caminho do diálogo”, afirma chefe do governo catalão

“Norte-americanos entregaram 1.421 caminhões com armas e equipamentos a terroristas do EI”, afirma general sírio

Turquia responde a veto dos EUA a cidadãos turcos e suspende a emissão de vistos a norte-americanos

Encontro de comunicadores anti-imperialistas reafirma o legado guevarista

Página 7

Evo: “Che vive na luta contra o império e em defesa dos povos”

    Apontamentos de Che sobre um livro famoso

    Partido do Trabalho completa 72 anos à frente da construção socialista na RPDC

    Air Berlin, a 2ª maior empresa aérea alemã, está insolvente há três meses e vai demitir 1.400


 

Página 8

Apontamentos de Che sobre um livro famoso