Misérias e glórias do xadrez (6)

Quase na mesma época em que o grande campeão soviético Botvinnik é vítima de um golpe na FIDE, e pior, com a anuência da própria equipe da URSS de Kruschev, surge na arena do xadrez a genialidade tática do jovem letão Mikhail Tahl

CARLOS LOPES

Kasparov parece ter escolhido o local adequado para iniciar   sua campanha a presidente da Rússia: em Washington.

Mestre Hélder Câmara envia-nos a coluna de xadrez do “Washington Post” - que tem, como titular, Lubomir Kavalek, GM tcheco-americano. Na segunda-feira, dia 15, o colunista noticia que Kasparov está em Washington para lançar, no dia seguinte, seu novo livro, “How Life Imitates Chess” (“Como a Vida Imita o Xadrez”).

O título é bastante sintomático, inclusive pela estupidez: como pode a vida imitar algo que é parte dela mesma? Ou será que o xadrez não faz parte da vida? Não é impossível que Kasparov tenha essa última opinião, uma vez que não sabe o que é a vida, porém o mais provável é que não se preocupe com essas minudências. No entanto, é evidente porque a vida tem de imitar o xadrez: para que ele seja presidente da Rússia, assim como foi campeão em xadrez. Para isso, vale tudo, inclusive publicar livros com títulos estúpidos.

No entanto, nos parece que ele, mais uma vez, subestima a inteligência dos outros - nesse caso, dos eleitores russos.

O lançamento em Washington é, naturalmente, para mostrar aos russos como o autor é respeitado pelo mundo. Não é uma surpresa que ele confunda o mundo com os EUA. E, mais ainda, que confunda o incensamento de seu ato de vassalagem com respeito. O que mostra, apenas, que também não sabe o que é respeito. Mas isso o leitor poderá comprovar por outros acontecimentos, nas próximas seções do nosso relato.

O GOLPE

Voltemos a Botvinnik. No Congresso da FIDE de 1959, ele, subitamente, tomou conhecimento da campanha que se desenvolvia “às suas costas”. A questão de abolir o direito do campeão ao match-revanche não estava na pauta divulgada antes do Congresso, o que era obrigatório. Também não havia sido discutida na diretoria – e por uma razão que hoje parece evidente: pelas regras de então, o campeão mundial era membro da diretoria da FIDE.

 Botvinnik parece ter ficado completamente surpreso quando Folke Rogard, o sueco que presidiu a FIDE por 21 anos (1949-1970), propôs a revogação do direito ao match-revanche. Mais surpreso ainda deve ter ficado – é o que sugere o tom com que posteriormente abordou a questão – quando a delegação soviética não se opôs. Rogard, que sempre considerou um incômodo a hegemonia soviética, havia tentado acabar com o match-revanche em 1955, durante o Congresso de Gotemburgo. Mas, depois da defesa de Botvinnik, apoiado pela delegação soviética, a proposta contara com apenas um voto, além de Rogard. No entanto, algo mudara entre 1955 e 1959...

Não se tratava de um problema de justiça formal e abstrata (a argumentação era a de que o match-revanche obrigava um desafiante a ganhar dois matches do antigo detentor do título, em vez de apenas um).

Concretamente, a medida era diretamente dirigida contra Botvinnik. Como diria um advogado, faltava a ela a característica da “impessoalidade”, requerida pelo bom Direito. E não apenas porque só havia um único jogador sobre a face da Terra que podia reivindicar o direito que foi abolido.

No centro do método de Botvinnik estava um rigoroso estudo e uma rigorosa disciplina. Mas ele não era somente um enxadrista. A idéia – por sinal, monstruosa - de que jogadores de xadrez somente devem se preocupar com xadrez ainda não havia obtido o beneplácito atual. Ela seria, alguns anos depois, talvez a pior herança que Fischer deixou ao xadrez. Mas, em 1959, não era algo que parecesse razoável – como, aliás, não é.

Como todos sabiam, Botvinnik era também um pesquisador em áreas de fronteira da ciência e da tecnologia. Para disputar o match com Bronstein, interrompera suas pesquisas sobre geradores sincrônicos. Para enfrentar Smyslov, tivera que deixar de lado, por longos meses, o seu trabalho com motores à corrente alternada. Seu trabalho como pesquisador, em geral, interrompia sua participação em competições, o que não favorecia sua forma no primeiro match. A revanche era, justamente, sua oportunidade de dedicar um ano ao estudo do xadrez – e aí retomar o título. Sem ela, Botvinnik teria que enfrentar um problema a mais – e não era um problema pequeno, sobretudo na sua idade – para manter o título.

Tanto a extinção desse direito tinha um alvo certo, que, na hora de efetivar a medida na presença do próprio Botvinnik, a FIDE acabou por adiá-la: não valeria para a próxima disputa, só sendo instituída em 1963.

Porém, aqui, é necessário entender porque a delegação soviética permitiu – e apoiou - um ataque direto à sua maior glória no xadrez. O problema não se explica apenas pela pressão de jogadores soviéticos aspirantes ao título, como Botvinnik deixa entender no terceiro volume de suas “Partidas Selectas”, embora observando que esta pressão “não era só dos meus colegas”. Também não se explica completamente pelo ódio dos kruschevistas a todo e qualquer “símbolo do stalinismo”, inclusive Botvinnik, uma vez que esse atropelo na FIDE era um desprestígio não para Stalin, que já havia falecido, mas para a URSS e, por conseqüência, para os seus dirigentes daquela época.

A atitude soviética na FIDE, a partir da segunda metade da década de 50, era parte daquela política de apaziguamento em relação aos países imperialistas, sobretudo em relação aos EUA, que se tornara política oficial na URSS com Kruschev, especialmente após o XX Congresso do PCUS, em 1956 -  e que, levada ao extremo por Gorbachev, acabaria numa catástrofe.

Não sabemos o grau de consciência a que Botvinnik chegou sobre a questão, mas é significativo que ele, em suas memórias publicadas em 1978, se detenha num acontecimento, pouco anterior à decisão da FIDE, em que isso é claro.

Na Olimpíada de Xadrez de Munique (1958), os norte-americanos fizeram uma proposta indecente. Seu primeiro-tabuleiro, Samuel Reshevsky, recusava-se a jogar aos sábados por motivos religiosos. Assim, eles propuseram aos soviéticos que seu primeiro-tabuleiro, Botvinnik, também não comparecesse ao match URSS-EUA. Assim, ambos pontuariam em branco, e a agenda seria cumprida. O único obstáculo a isso era Botvinnik: “Recusei-me a pontuar em branco, a despeito da pressão sobre mim do chefe de nossa delegação, D. Postinikov, e do capitão da equipe, A. Kotov. Eles alegavam estar com medo de que os americanos ameaçassem parar de jogar na Olimpíada e retornar para casa. Enquanto nós estávamos discutindo (isso foi no foyer do Hotel Metropol), o presidente [da entidade] dos jogadores da Alemanha Ocidental, E. Dehne, estava sentado próximo. ‘Por que vocês têm medo de que os americanos vão embora? Quem tem que ter medo disso é Dehne, então, consultem-no’, eu disse aos meus superiores. ‘Se os americanos querem ir embora, então, que vão’, disse o alemão, de um modo calmo. Obviamente, eu joguei no match contra os EUA!” (grifo nosso).

TAHL

No mesmo ano em que Smyslov conquistava o título mundial contra Botvinnik, 1957, o Campeonato Soviético foi vencido por Mikhail Tahl, um jovem de Riga, Letônia, então com 20 anos.

Tahl foi, provavelmente, o maior tático e o maior jogador de ataque da história do xadrez. São impressionantes, até hoje, seus sacrifícios de peças, as soluções que pareciam impossíveis em determinadas posições e, não menos importante, sua capacidade de ser bem sucedido em blefar, num jogo que parece pouco propício para isso (o próprio Tahl descreveu implicitamente essa capacidade, na sua maneira bem humorada: “Há 3 tipos de sacrifícios: os corretos, os incorretos, e os meus”).

Independente de sua solidez, isto é, da profundidade ou coerência lógica das suas linhas de jogo, as partidas de Tahl até hoje provocam um prazer estético especial em quem as refaz. Foi com esse estilo espetacular que ele venceu seis vezes o Campeonato Soviético, marca que só foi atingida por um outro único jogador, Mikhail Botvinnik.

Em seu livro autobiográfico, no qual aborda sua experiência como engenheiro, pesquisador e enxadrista, Botvinnik, sucintamente, destrincha aquilo que nas décadas de 50 e 60 era considerado um mistério - o estilo “mágico” de Tahl, chamado, por essa razão, “o bruxo de Riga”: “do ponto de vista da cibernética e da ciência da computação, Mikhail Tahl é um aparato de processamento de dados, um aparato que possui um banco de memória maior e uma velocidade de resposta mais rápida do que os de outros grandes mestres. Isso tem importância decisiva nos casos em que as peças têm grande mobilidade no tabuleiro. Tahl não estava muito interessado em avaliar objetivamente a posição em que estava metido. Podia mesmo ser que, objetivamente, ele ficasse pior ali, mas se somente suas peças estavam móveis, as ramificações de variantes são tão extensas, tão grande é o número de jogadas nessas ramificações, que o oponente não podia dar conta delas e a rápida reação e memória de Tahl falariam mais alto. Essa é a base completa do incomum, do fantástico jogo de Tahl. Ele é baseado em fatores perfeitamente prosaicos” (“Achieving the Aim”, pág. 158 – uma nota: traduzimos o termo técnico “analytical tree” por “ramificações” porque este não é um texto destinado apenas aos enxadristas).

Mas essa compreensão de Botvinnik sobre o jogo de Tahl, é forçoso ressaltar, somente apareceu 18 anos após o primeiro match entre os dois.

Sob alguns aspectos, o jogador letão, um professor de literatura, era o oposto de Botvinnik: fumante inveterado, mais do que chegado a um copo, dado ao que chamou de “caça às moças”, indisciplinado a ponto de escapar à noite da concentração e levar uma garrafada na cabeça numa boate em Havana, com tendência a jogar para a platéia, desprezando a abordagem científica em xadrez (“xadrez é arte”), sempre disposto a fazer a tática sobressair em relação à estratégia. Não por acaso, Smyslov, um estrategista, disse que o estilo de Tahl “não era mais do que um conjunto de truques”.

Essa não era a opinião de Botvinnik, que compreendia melhor do que Smyslov a verdade enunciada por Lasker no final do século XIX: “xadrez é luta”. Se é lícita a comparação, Tahl é o Garrincha do xadrez (até em certas tiradas eles se parecem: em 1958, um jornalista perguntou-lhe quando seria campeão do mundo. Resposta: “primeiro preciso combinar com os outros grandes mestres”). Todos gostavam dele, até mesmo o próprio Smyslov, e outros jogadores que em tudo eram opostos – foi muito amigo de seu antípoda perfeito no xadrez, o futuro campeão Tigran Petrosian. Aliás, até Fischer, o que é quase um milagre, considerando-se a hostilidade deste em relação aos jogadores soviéticos – e não só aos soviéticos.   

Em 1958, além de vencer outra vez o campeonato da URSS, Tahl venceu o Torneio Interzonal de Portoroz, Iugoslávia, qualificando-se para o Torneio de Candidatos. No ano seguinte, ele venceria também esse torneio, e com um resultado espetacular: no confronto direto (os jogadores disputavam quatro partidas entre si), ele venceu 4 vezes Bobby Fischer, 2 vezes Smyslov e 3 vezes o iugoslavo Gligoric – provavelmente, na época, o jogador mais forte fora da URSS. Apenas o segundo colocado, Paul Keres, conseguiu um score favorável no confronto com Tahl – 3 vitórias e uma derrota.

Desafiante de Botvinnik, venceu-o em 1960 – derrotou o veterano campeão em 6 partidas, perdeu em apenas duas, e fechou o match já na 21ª partida, três antes do limite de 24 partidas. Era, depois disso, o mais jovem campeão mundial, até então.

Mas ainda havia o match-revanche. E Botvinnik, apesar da diferença de idade – 25 anos a favor de Tahl - resolveu enfrentá-lo. Não possuía toda a compreensão do jogo de Tahl que adquiriu depois, mas considerou suficiente a que, então, conseguiu chegar. Como escreveu, nas “Partidas Selectas”: “analisando o encontro sob um enfoque criativo, nosso [primeiro] match também proporcionou abundante material para identificar as debilidades de jogo do jovem campeão. Inclusive quando não estava em consonância com o espírito da posição, Tahl se esforçava para agudizar o jogo. Lançava-se em posições difíceis, só para alcançar maior mobilidade para suas peças, com o que podia mostrar sua capacidade única para o cálculo de variantes, assim como... a falta de tempo do adversário para pensar as jogadas. Este enfoque utilitário em relação ao xadrez lhe assegurou êxito, mas a um preço muito alto. Fechou-se em um estilo de jogo unilateral, estreitou as possibilidades criativas e engendrou a possibilidade de um futuro fracasso”.

Porém, em 1961, Botvinnik era o único a fazer esse julgamento. As previsões eram todas a favor de Tahl, um jogador de quem Fischer disse ao iugoslavo Dimitrije Bjelica: “Pode-se esperar qualquer coisa de Tahl” (cf. o livro de Bjelica, “Bobby Fischer”, na série “Kings of Chess”). A imprensa soviética estava toda por Tahl e contra Botvinnik. Um dos poucos torcedores que este ainda mantinha era Leonid Brezhnev, na época presidente do Soviet Supremo. Mas, como Brezhnev disse depois a Botvinnik, foi uma torcida solitária dentro de sua própria casa...

Infelizmente, já nessa época a frágil saúde do jovem campeão começou a tornar-se um problema. Tahl era portador, ou era acometido periodicamente, de uma série de doenças, entre as quais um problema renal que o acompanhou até a morte – ocorrida em junho de 1992, após, no dia anterior, fugir do hospital, comparecer a um torneio em cadeira de rodas, e vencer a partida com um brilho que lembrava o jovem do final da década de 50. Como lembrou, numa entrevista em 2003, sua primeira mulher, Sally Landau, um mês antes, em outra fuga do hospital, ele havia sido o único a derrotar Kasparov, então no auge, no Torneio de “Blitz” (partidas rápidas) de Moscou.  

Com a notícia de que Tahl estava doente em Riga, Botvinnik propôs um adiamento, desde que o campeão, de acordo com as regras, apresentasse um atestado médico. Tahl recusou o adiamento. Provavelmente, ele sabia, ou sentia, que se tivesse de esperar pela recuperação completa, nunca mais jogaria xadrez em competições.

O match foi algo espetacular, mas não à maneira de Tahl. Nesse match, Botvinnik conseguiu aquilo que não conseguira no match com Bronstein: mostrar como um estrategista pode enfrentar e vencer um jogador tático – nesse caso, um tático bem maior do que Bronstein.

Simplesmente, ele não deu – ou quase não deu – oportunidade para que Tahl exercesse seu talento: “eu resolvi jogar trabalhando em duas direções: (1) aprender com Tahl a como ser um bom e astuto prático, e, (2) preparar o tipo de aberturas, e, associados a elas, planos de meio-jogo, em que a luta é de natureza fechada, o tabuleiro é cindido em seções separadas, as peças não são demasiado móveis. Nunca pensar se a minha posição é objetivamente pior nesse caso. Pelo menos meu oponente não seria capaz de explorar sua rápida reação e memória (e [assim] minha compreensão das posições falaria mais alto)” (“Achieving the Aim”, pág. 161).

O match foi no terreno escolhido por Botvinnik – e, nesse terreno, a estratégia, ele era, realmente, e apesar da idade, superior a Tahl. Com 10 vitórias contra 5, o match terminou com a recuperação do título – e Botvinnik já estava com 50 anos, uma idade avançada para um campeão mundial.

FISCHER

No Torneio de Candidatos de Curaçao, em 1962, o armênio Tigran Petrosian saiu vencedor.

Porém, logo que foi encerrado o Torneio de Curaçao, e antes do match de Petrosian com Botvinnik, a revista americana “Sports Illustrated”, em agosto de 1962, publicou um artigo que estabeleceria o eixo da campanha anti-soviética no xadrez pelas décadas seguintes. A força especial do artigo era dada pelo seu autor, o único jogador americano em condições de enfrentar os melhores jogadores soviéticos, Robert James Fischer – ou, simplesmente, Bobby Fischer. Por isso, é necessário que nos detenhamos agora nele – o que faremos na próxima edição.




03 de Outubro

A luta política, ideológica e propagandística por trás das grandes disputas de xadrez e o papel do ex-campeão mundial, Garry Kasparov, como testa-de-ferro dos interesses da “oligarquia” e monopólios imperialistas nas próximas eleições presidenciais na Rússia

05 de Outubro

Respostas a algumas questões levantadas por leitores e as disputas que abriram a primeira sessão de luta política-ideológica da história do xadrez, são os assuntos abordados por Carlos Lopes na continuação do seu artigo

10 de Outubro

Esta parte do artigo analisa matches e esquivas do predecessor de Garry Kasparov na primeira demonstração da convivência entre “ser um ás no xadrez e um cretino em outros campos da vida”: o campeão mundial Alexander Alekhine

12 de Outubro A luta político-ideológica da guerra chega aos torneios de xadrez. Mas a propaganda anti-comunista não teve muita alternativa no esporte onde seus inimigos tinham uma hegemonia tão grande que, de 1948 à 1972, todos os campeões e seus desafiantes eram da URSS
17 de Outubro

A cruzada anti-stalinista dos kruschevistas, a partir de 1956, e sua relação com a campanha contra o campeão Botvinnik, que personificava uma época que eles, na impossibilidade de eliminar da História, queriam demonizar, repetindo a propaganda anti-soviética da década de 30

19 de Outubro

Quase na mesma época em que o grande campeão soviético Botvinnik é vítima de um golpe na FIDE, e pior, com a anuência da própria equipe da URSS de Kruschev, surge na arena do xadrez a genialidade tática do jovem letão Mikhail Tahl

24 de Outubro

No auge da Guerra Fria, a disputa ideológica é acirrada e invade o Torneio de Candidatos de 1962. Bobby Fischer acusa os soviéticos de manipular os resultados. A FIDE, sob pressão norte-americana, acabou com o Torneio e o substituiu por matches entre os pretendentes ao título. Se, pouco tempo antes, o FBI desconfiou que Fischer havia sido recrutado como espião pelos soviéticos, agora, haviam conseguido um propagandista ideal, ainda que inconsciente

26 de Outubro

Existe a tendência de ver o Fischer das décadas de 60 e 70 como um instrumento inconsciente do establishment norte-americano durante a “guerra fria”. Mas sua atitude em relação a Cuba, país que, no início da década de 60, irritava mais a casta dominante nos EUA do que a URSS, revela mais do jovem Grande Mestre do xadrez

31 de Outubro

A partir da década de 60, após o auge de Boris Spassky, o xadrez soviético passa, pela primeira vez desde a II Guerra Mundial, por uma entressafra

02 de Novembro

Ainda não é totalmente claro como foram as articulações para colocar Fischer irregularmente no Interzonal . O fato é que, desde antes do Campeonato dos Estados Unidos (novembro de 1969), o manda-chuva da USCF, coronel Ed Edmonson, fazia gestões para ter o americano como candidato ao título

07 de Novembro

A interferência de Kissinger no Interzonal de Palma de Mallorca é a hipótese mais provável para a súbita decisão de Fischer de aceitar as irregulares gestões para colocá-lo na disputa

09 de Novembro

Spassky entrou no match já derrotado. Não enxadristicamente, mas ideologicamente, em meio à luta ideológica que se tornou o match

14 de Novembro Em 1984, com o xadrez mundial regredido às regras de 1927, Karpov, três vezes campeão do mundo, enfrenta a maratona contra Kasparov
16 de Novembro O caráter de Kasparov começa a ficar nítido logo após o primeiro match com Karpov, ao propor que fosse declarado vago o lugar do campeão
21 de Novembro Esticar o match até exaurir o oponente era a tática de Kasparov. Porém, era bastante claro para ele o risco da continuação da disputa  
23 de Novembro Na 22ª partida, Karpov se aproxima do adversário e fica a uma vitória do título. Com o empate da 23ª partida, a decisão foi para o último jogo do match
28 de Novembro Em 1993, o conflito de Kasparov com a FIDE era basicamente o conflito do mercantilismo sem limites com os freios a ele que ainda existiam
30 de Novembro Em nome de ser o "melhor do mundo", Kasparov promovia o rompimento de qualquer regra no xadrez e pretendia estar acima de qualquer organização coletiva

Leia

Mercadante agora quer cassar Renan e aprovar a CPMF com os votos da oposição

Procurador conclui que Azeredo roubou dinheiro do Estado

CCJ vota “Sí” ao ingresso da Venezuela no Mercosul

Serra diz que sua privatização não é igual a de FHC

Truculência da Anatel para desnacionalizar a mídia choca o setor

Triunfo da Petrobrás esconjura agouro dos criadores de apagão

“Não vai faltar nem gás nem energia”

Época copia Veja e frauda até foto do presidente Chávez

Anatel comete novo ilícito para fazer Abril laranja da Telefónica

Desenvolvimento e juro baixo dão vitória à Cristina

Anatel se amanceba com teles para matar concorrência na área de telefonia e mídia

Jefferson admite que acusações de Lyra a Renan são “frágeis”

Lula cobra que Senado mostre “seriedade” em relação à CPMF

Para Jintao, combate à desigualdade social é a “nova prioridade”

Tucanos abrem o jogo e dão largada para privatizar tudo em SP

NYT confirma em manchete: ‘Bush autorizou tortura’, como disse o HP em junho de 2004

CIA diz que vai banir o “water-boarding” para humanizar seu programa de tortura

Chinaglia faz média com a ‘Veja’ à custa da honra dos companheiros

Tucanos querem pôr na conta de Lula a ladroeira de Azeredo

Sai pela culatra golpe da mídia para jogar o Senado contra Chávez

Oposição quer o fim da CPMF para acabar com a saúde pública e programas sociais

Desacatar veredicto das urnas é negar a democracia, diz Lula

 Senado fulmina furor golpista e reafirma a sua independência 

Na falta das provas contra Renan, mídia alicia oposição para atropelar regimento

 Renan expõe as vísceras da “torpeza e da delinqüência” do grupo Abril

LULA CONVOCA O PT A CERRAR FILEIRAS “NADA QUE NOS ACONTEÇA PODE NOS ESMORECER”

SEGUNDO J. BARBOSA, REVERENCIAR AUTORIDADE É INDÍCIO "O BASTANTE" PARA CRIME DE MANDO

STF COZINHA MÍDIA E ACEITA JULGAR PETISTAS (MAS VAI ABSOLVÊ-LOS)

LAUDO CONCLUI QUE "GADO FOI VENDIDO A PREÇOS DE MERCADO E PATRIMÔNIO É COMPATÍVEL COM A RENDA"

LULA ESCLARECE A CRISE DOS EUA: "QUEM ACHA QUE A ECONOMIA É UM CASSINO PODE PERDER"

AUTONOMIA FAZ DAS AGÊNCIAS ARMA DE CARTEL PARA USURPAR PODER DE GOVERNOS

CIVITA RECEBE 1 BILHÃO PARA SE TORNAR LARANJA DA TELEFÓNICA NA TVA

MINORIA QUER TOMAR O SENADO NO GRITO

PARA A MÍDIA GOLPISTA, LULA CONTINUA EM ALTA PORQUE POVO BRASILEIRO É "POBRE E IGNORANTE"

"QUEM ACHA QUE VAI ME VENCER NA RUA PODE TIRAR SEU CAVALO DA CHUVA"

SERRA NÃO EXPLICA O METRÔ DESABADO E PONTIFICA SOBRE DESASTRE DO  AIRBUS

LULA TENTA APAZIGUAR GOLPISTAS NOMEANDO JOBIM PARA DEFESA

MÍDIA GOLPISTA ESCONDE LAUDO DO IPT SOBRE O ATRITO DA PISTA

"GLOBO" MANIPULA A TRAGÉDIA EM SP PARA INSUFLAR "CRISE AÉREA" E JOGAR CULPA EM LULA

MAIA PAGA O APOIO DE LULA AO PAN FORJANDO VAIA PARA CONSEGUIR DOIS MINUTOS DE FAMA

INVESTIMENTO PÚBLICO CRESCE 33% EM 2007

"NÃO VI NENHUM DELITO QUE POSSA SER IMPUTADO A SILAS RONDEAU", DIZ TARSO GENRO

COM CHÁVEZ, O BRASIL CRESCEU EXPORTAÇÕES À VENEZUELA EM 562%

SUPREMA CORTE TRAZ SEGREGAÇÃO DE VOLTA ÀS ESCOLAS DOS EUA

LULA ORIENTA PT A NÃO TREPIDAR COM ARENGA GOLPISTA CONTRA RENAN

REELEGER LULA DE NOVO É VONTADE DA MAIORIA, DIZ PESQUISA DO PSDB

SEM NADA CONTRA RENAN, GOLPISTAS APELAM PARA QUE ELE SE ENFORQUE

MÍDIA GOLPISTA MUDA DE ACUSAÇÃO CONTRA PRESIDENTE DO SENADO

VOTO DO RELATOR ENTERRA ESCROQUERIA DA MÍDIA GOLPISTA CONTRA RENAN

PARA LULA, ATO DE NÃO RENOVAR A LICENÇA DA RCTV FOI DEMOCRÁTICO

OEA APROVA PROJETO DA VENEZUELA PARA DEMOCRATIZAR MÍDIA

"TEMOS QUE APRENDER A RESPEITAR AS LEIS DE CADA PAÍS", DIZ LULA

RENAN MOSTRA PROVAS DA TORPE ESCROQUERIA DE VEJA E SUAS FONTES

RENAN REFUTA CALÚNIAS E CONCLUI DISCURSO SOB APLAUSO DO SENADO

MÁFIAS ELIMINADAS POR LULA SÃO OS RESTOLHOS DO DESGOVERNO DE FHC

EMENDA 3 É AGRESSÃO AO MAIS PRIMÁRIO DOS DIREITOS TRABALHISTAS

LULA DIZ QUE RESPEITO À LEI MAIOR O IMPEDE DE CANDIDATAR-SE EM 2010

RECONHECIMENTO DAS CENTRAIS AMPLIFICA A DEMOCRACIA NO PAÍS

MANTEGA QUER REDUÇÃO DO "COMPULSÓRIO" PARA ACELERAR QUEDA DO JURO

 

CENTRAIS CONVOCAM A MOBILIZAÇÃO GERAL EM APOIO AO VETO DE LULA À "LEI DA ESCRAVIDÃO"

 

2.500.000 LOTAM RUAS E PRAÇAS EM SP PARA APROFUNDAR MUDANÇAS

 

COMPRA DA TIM CRIA MONOPÓLIO ILEGAL DA TELEFÔNICA NO BRASIL

"VAMOS GARANTIR A PRIMAZIA DO TALENTO SOBRE AS FORTUNAS"

PSDB, PFL, MP-SP, CPI E MÍDIA GOLPISTA ACOBERTARAM BINGOS

JURO NÃO CAI PORQUE MEIRELLES INSISTE EM TOMAR DE TODOS PARA DOAR AOS BANQUEIROS

INDEPENDÊNCIA ENERGÉTICA UNE AMÉRICA DO SUL

MEGA ENCOMENDA DE NAVIOS ATIVA MARINHA MERCANTE E ESTALEIROS

LULA: "OPOSIÇÃO QUER CRIAR CPI PARA ENTRAVAR A APROVAÇÃO DO PAC"

LULA DÁ TODO PODER À FAB PARA PÔR BIRUTAS DE AEROPORTO NA LINHA

LULA DIZ AOS EUA QUE RELAÇÃO BRASIL-IRÃ NÃO É DA ALÇADA DE BUSH

SENADO ISOLA BUSH E COMEÇA A VOTAR RETIRADA DO IRAQUE

 

 DIRETORES DO BC E FORÇAS OCULTAS DO MERCADO FLAGRADOS EM REUNIÃO SECRETA

 

TV PÚBLICA É DEMOCRACIA. MONOPÓLIOS DE MÍDIA SÃO SUA NEGAÇÃO

 

"VEJA" ABRE CRUZADA FASCISTA CONTRA REDE PÚBLICA DA TELEVISÃO

 

ANATEL ABRE A PORTEIRA PARA O CARTEL DAS TELES DOMINIAR A TV DO BRASIL

 

BUSH SAI DA AMÉRICA DO SUL MAIS ISOLADO DO QUE NA CHEGADA

 

BUSH NÃO QUER COMPRAR NOSSO ÁLCOOL, QUER AS NOSSAS USINAS

 

ÁLCOOL: EUA INVESTEM 2 BILHÕES DE DÓLARES PARA DESNACIONALIZAR A PRODUÇÃO DO BRASIL

 

SOLUÇO NA BOLSA DE NY E JURO INSENSATO DE MEIRELLES FAZEM CAIR BOLSA NO BRASIL

 

LULA CONVOCA TABARÉ A SE UNIR A HERMANOS E NÃO AO BIG BROTHER

 

LULA A MORALES: "ANTES DE SERMOS PRESIDENTES SOMOS COMPANHEIROS"

 

TURBA QUER COMBATER CRIMES LINCHANDO OS MONSTROS QUE CRIOU

 

LULA CONCLAMA O PT A MANTER O RUMO E "NÃO A ATIRAR NO PRÓPRIO PÉ"

 

PROMESSA DO COPOM DE MANTER JUROS ALTOS ACIRRA CRISE CAMBIAL

 

 LULA CORRIGE CONTAS DA PREVIDÊNCIA: "DÉFICIT" ERA SÓ TRUQUE CONTÁBIL

 

DRT EMBARGA OBRA NO BURACO DE SERRA

 

"CHAVEZ FOI ELEITO 3 VEZES DA FORMA MAIS DEMOCRÁTICA"

 

MEIRELLES TRAVA QUEDA DE JUROS PARA SABOTAR PLANO DE CRESCIMENTO

 

PAC: LULA ANUNCIA INVESTIMENTOS DE R$ 500 BILHÕES NO DESENVOLVIMENTO

 

OMISSÃO, GANÂNCIA E NEGLIGÊNCIA FIZERAM RUIR O TÚNEL DO METRÔ

 

SANHA PRIVATISTA GERA TRAGÉDIA NAS OBRAS DA LINHA 4 DO METRÔ-SP

 

LULA SUSPENDE A PRIVATIZAÇÃO DAS RODOVIAS FEDERAIS

 

EUA INTIMA FANTOCHES A VOTAR LEI DO ASSALTO AO PETRÓLEO IRAQUIANO

 

LINCHAMENTO DE SADDAM EXIBE MISÉRIA MORAL DE BUSH E SUA KLAN