Misérias e glórias do xadrez (14)

 O caráter de Kasparov começa a ficar nítido logo após o primeiro match com Karpov, ao propor que fosse declarado vago o lugar do campeão

CARLOS LOPES

Devido à sua importância para o tema de que nos ocupamos na parte anterior deste artigo - e, inclusive, pelo marcante estilo literário - tomamos a liberdade de, parcialmente, reproduzir a seguinte mensagem de mestre Hélder Câmara. Para os não aficionados em xadrez, o Mestre Internacional Hélder Câmara, duas vezes campeão brasileiro, três vezes vice-campeão, integrante da equipe brasileira nas Olimpíadas de Lugano, Siegen, Nice, La Valetta e Tessalônica, além de participante em vários outros eventos internacionais, relevante teórico - a ele se deve a Defesa Câmara, também chamada de Defesa Brasileira – é uma das glórias do xadrez brasileiro. Porém, sobretudo, é homem de profunda cultura humanista. Eis a sua mensagem:

SP. 13 nov 2007.

“Caro Carlos Lopes, apenas algumas observações sobre o seu precioso e preciso trabalho: o Zukhar era realmente um eficientíssimo parapsicólogo, com PhD na Universidade de Leningrado, onde havia uma cadeira específica nessa área, que foi estimulada até em demasia pelas autoridades soviéticas, mas que agora está desativada.

“Zukhar, que já trabalhara com Korchnoi, sentava-se na primeira fila de espectadores do match Karpov x Korchnoi e, não obstante espesso vidro colocado no proscênio, ele teria conseguido influenciar negativamente na atuação de Korchnoi - segundo alegavam os secundantes do descarado apátrida. Daí, porque ele se valeu desses dois aventureiros da seita Ananda Marga para criar uma pantomima em Baguio, ameaçando também abandonar o match, se Zukhar não fosse colocado, no máximo, na oitava fileira de cadeiras distante do palco - para que as suas ondas mentais não influenciassem negativamente na mente de Korchnoi. E assim foi feito!

“Quando o match ficou igualado em 5 x 5, foi a vez da Delegação Soviética fazer suas exigências: se Zukhar não se sentasse onde quisesse, aquilo seria considerado como uma acusação espúria contra Karpov e ele (Karpov) não jogaria mais! Aí, foi a vez da FIDE ceder, e Zukhar sentou-se na primeira fila do teatro. É claro que isso valia muito mais como provocação e, quem sabe, como uma insinuação de que Zukhar podia realmente interferir no resultado da partida - capaz de perturbar uma mente sempre deturpada como a de Korchnoi. Se isso teve influência ou não sobre Korchnoi (é possível que tenha tido, não por causa de Zukhar, mas pela cabeça fraca do próprio Korchnoi), o fato é que ele jogou uma defesa inédita em seu repertório, a Pirc - sendo facilmente derrotado.

“Depois disso, criou-se a lenda de que a KGB ameaçara a esposa e o filho (Igor) de Korchnoi para que ele perdesse a partida. E, mais, eles seriam proibidos de deixar a URSS para se encontrar com o 'papai' Korchnoi (que há muito estava amancebado com uma coroa chamada Petra - com quem vive até hoje). Aqui, vem a parte cômica dessa história: a KGB (....) liberou mulher e filho de Korchnoi para deixarem a URSS e se unirem a ele, desmascarando com isso o seu blefe (!). E o que fez Korchnoi? Recusou-se terminantemente a recebê-los na Suíça, sendo que todos conhecem o processo que o seu filho Igor moveu contra ele, por danos morais e materiais!

(....)

Um abraço amigo, Hélder Câmara.

Com esta inestimável ajuda, encerramos as nossas considerações sobre Korchnoi e sua entourage. Naturalmente, elas não seriam necessárias se até hoje não houvesse alguns incautos – outros, nem tão incautos assim – que ainda repetem a propaganda reacionária de 30 anos atrás, como se fosse o supra-sumo da verdade. Embora, é forçoso reconhecer que, na atualidade, esse besteirol permanece insepulto principalmente devido a Kasparov.

KARPOV

Já que começamos por um rescaldo da parte anterior deste artigo, voltemos por um momento às relações entre Botvinnik e Karpov.

Há um ano, quando Karpov esteve no Brasil, um amigo, Ubirajara Nascimento Rodrigues, diretor do Clube de Xadrez Virtual (CXV), entidade que se dedica ao xadrez por e-mail, pediu-me que formulasse alguma pergunta ao ex-campeão mundial. De pronto, sugeri a ele a única pergunta que veio à mente: “qual foi a influência de Botvinnik em sua carreira?”. Transcrevemos a resposta de Karpov, na entrevista a Ubirajara:

Por algum tempo estudei na Escola de Botvinnik e a coisa mais importante que ele me passou foi que você tem que trabalhar muito o xadrez e se preparar muito seriamente, trabalhar todos os dias. Isso é muito importante” (o conjunto da entrevista pode ser encontrado em www.cxv.com.br/html/varios/AnatolyKarpov.htm).

Isso foi tudo. Nem uma palavra a mais. Nenhuma observação sobre estilo ou sobre análise, ou sobre escolhas de linhas ou planos estratégicos – um conceito que Botvinnik desenvolveu e ao qual foi Karpov sempre foi rigorosamente fiel.

Bruce Pandolfini (mais conhecido, pelos que assistiram ao filme “Lances Inocentes”, como o treinador, interpretado por  Ben Kingsley, do garoto Josh Waitzkin) escreveu que as partidas de Karpov são sempre “didáticas”, ou seja, são claras de uma tal forma que sempre ensinam alguma coisa a quem as refaz. É verdade. Mas essa é uma característica comum entre Karpov e Botvinnik.

Havia outras características em comum. Ambos eram membros do PCUS. Karpov, além de deputado eleito para o Soviete Supremo, foi membro do Comitê Central do partido.

Porém, é verdade que, nisso, tanto pode haver uma fonte de identidade quanto de discrepâncias: os comunistas da época em que Botvinnik se formou eram aqueles que ergueram um país arrasado; que, sob cerco, construíram uma indústria poderosa e coletivizaram o campo; que enfrentaram uma luta feroz dentro do país contra a quinta-coluna capitulacionista; que, logo em seguida, tiveram de resistir e vencer a invasão nazista, com rios de sangue encharcando a sua terra; e que, depois de tudo isso, comandaram a nova reconstrução do país. Em suma, gente que estava próxima dos personagens de Ostrovsky, em especial o Pavel Korchagin de “Assim Se Forjou o Aço”.

Karpov, nascido em 1951, não conheceu essas épocas de sofrimento e heroísmo, exceto de forma indireta. Como alguns outros milhões de membros do PCUS dessa época, Karpov viu o país ser corroído por dentro - pelo acomodamento, espírito burocrático, bajulação ao ocidente e, simplesmente, pela traição - sem saber o que estava acontecendo, e, portanto, sem saber o que fazer diante do cada vez mais cinzento ambiente que surgiu a partir de 1956. No entanto, mesmo sem saber o que fazer, mesmo paralisados e intimidados, eles não eram trânsfugas. Faziam, e fizeram, o que podiam – isto é, o que a sua consciência lhes permitiu fazer – pelo país e pelo seu povo. O papel de trânsfuga estaria destinado a uns poucos, os Gorbachev, Yeltsyn e Kasparov.

POLÍTICA

É interessante, do ponto de vista histórico, observar que a partir de 1972 a disputa pelo título de campeão mundial de xadrez torna-se abertamente política. Mesmo com o abandono de Bobby Fischer, não se voltou ao estado anterior, em que a luta política ficava em segundo plano em relação à disputa enxadrística. Daí, ser totalmente inútil – e mentiroso – ignorar essa dimensão agudamente política que o xadrez, em especial a luta pelo título mundial, adquiriu. Não por acaso, Kasparov não a ignora. Seu ponto de vista é, somente, o da direita em relação a essas disputas. Na verdade, “Meus Grandes Predecessores” somente pode ser lido como uma auto-justificativa da posição reacionária e colaboracionista do autor. O resto, inclusive o xadrez, é apenas uma espécie de excipiente químico.

O caráter de Kasparov começou a ficar nítido logo depois de encerrado o primeiro match com Karpov. E, notemos, ele foi precoce: tinha apenas 22 anos. Em relação a Korchnoi, ele possuía algumas lastimáveis vantagens, além da precocidade de caráter, ou da ausência dele: não era um histérico, exceto em momentos extremos; sempre esteve mais para a conduta fria. Ou, diria um psiquiatra, estava mais para sociopata do que para neurótico. 

Logo depois do primeiro match, Kasparov propôs que o lugar de campeão fosse considerado vago. Era uma proposta absurda. Depois de cinco meses e 48 partidas, quando o match foi anulado pelo presidente da FIDE, o resultado estava em 5-3 para Karpov, que, inclusive, havia sido contra a anulação. Por que, então, considerar vago o título?

Não era apenas a popular “guerra de nervos”. A pressão era para que o próximo match começasse do zero, sem considerar os resultados do primeiro. Evidentemente, o principal prejudicado com isso seria Karpov, uma vez que teria cinco vitórias desconsideradas e, Kasparov, apenas três.

Quanto à “guerra de nervos”, o problema é que os soviéticos, em geral, não estavam acostumados com isso dentro do seu próprio país – e, menos ainda, dentro do PCUS, ainda que ela exstisse. Fazia 30 anos que toda a ideologia oficial era uma negação das formidáveis tensões inerentes à construção de um novo regime social. E, relembremos, não apenas Karpov, mas também Kasparov, eram membros do PCUS. O último, além do mais, era dirigente nacional da Juventude Comunista (Komsomol). O fato é que tanto Karpov quanto a maioria dos soviéticos não conseguia entender o sentido do que Kasparov fazia. Em suma, subestimavam – ou, mesmo, ignoravam totalmente – a malignidade de suas ações, seu oportunismo e falta de escrúpulos. Daí a sua popularidade nesse momento, em especial entre os jovens, criados, fazia anos, no culto à ilusão.

Porém, a mídia imperialista – e, provavelmente, os serviços de “inteligência” ocidentais – perceberam logo qual era a questão. Isso, aliás, foi o mais peculiar no caso. Desde o início de sua carreira, os inimigos da URSS perceberam que podiam contar com Kasparov. No entanto, este jamais foi algum “dissidente”. Como podiam, então, estar tão bem informados sobre Kasparov?

Se algum espiroqueta reacionário interpretar essas questões como tentativa nossa de dizer que Kasparov já era, antes dos 22 anos, um agente da espionagem ocidental, isto será apenas porque se trata de um espiroqueta.

A questão é outra. Na década de 80, após a chegada de Ronald Reagan à Casa Branca, houve uma mudança no foco da política imperialista em relação à URSS. Até então era nos chamados “dissidentes” - algumas almas penadas sem quase respaldo algum dentro do país – que se depositavam as esperanças da mídia e dos órgãos de governo dos EUA.

Nos anos 80, isso mudou. Percebeu-se que com essa gente pouco se poderia fazer para sabotar a URSS por dentro. Os chamados “dissidentes” eram uma quinta-coluna, mas de uma ineficiência tremenda, que faziam questão de colocar um rótulo na testa e estar longe de qualquer atividade pública real – ou seja, faziam questão de cortar suas ligações com o povo e com os órgãos que detinham o poder na URSS.

Assim, o foco mudou para dentro do próprio PCUS e do governo. De certa forma, era a volta da política seguida pelos alemães nos anos 30 do século XX. Nesses anos, como registraram pessoas insuspeitas como Joseph Edward Davies, embaixador dos EUA em Moscou, e até pelo príncipe e lorde Mountbatten – que, além de primo do rei da Inglaterra, era sobrinho da última czarina – os soviéticos haviam acabado com o espaço para a quinta-coluna dentro do Estado soviético e do PCUS.

Isso teve efeitos duradouros. O foco nos “dissidentes” não era apenas uma opção dos governos imperialistas. Era também porque não tinham outra opção. Esta somente surgiria nos anos 80, quando os 30 anos anteriores de progressivo culto ao mercado, defensiva ideológica e conciliação começaram a brotar em frutos amargos e, de resto, venenosos – finalmente havia, depois de três décadas de gestação dentro do PCUS e do Estado soviético, uma camada que poderia ser aproveitada com muito mais sucesso do que aqueles indigentes, quer dizer, “dissidentes”.

PRIVILÉGIO

Portanto, incensar Kasparov era plenamente coerente com essa nova política imperialista. Para muitos, era algo estranho, pois eles nunca agiram dessa forma quando o título mundial de xadrez era disputado por dois soviéticos. Mas, também, jamais houve antes um “soviético” da marca de Kasparov disputando o título.

Assim, quando Kasparov comparou a situação depois do match anulado com a situação após a morte de Alekhine, em 1948, as moscas, que já voejavam em torno dele há algum tempo, ficaram particularmente assanhadas. Evidentemente, havia uma diferença entre a situação de 1985 e a de 1948: Karpov estava vivo. Mas o problema era exatamente esse: Karpov era um representante do regime que queriam matar.

Logo, Kasparov se tornou, na propaganda, um perseguido pelos soviéticos, que estariam prejudicando sua preparação e, especialmente, negando a ele a ajuda de analistas do mesmo porte daqueles que estavam com Karpov. Hoje, ninguém sério repete mais essas coisas. Kasparov escolheu e demitiu quem ele quis da sua equipe – isto é, naturalmente, dentre aqueles que aceitaram fazer parte dela. Porém, há outro aspecto: o GM Valery Salov demonstrou convincentemente que Kasparov foi privilegiado em relação a Karpov na assistência durante os matches. O que era perfeitamente coerente com a defensiva em relação à campanha deflagrada a partir do ocidente. Aliás, não era a primeira vez que acontecia algo semelhante.

E, agora, leitor, como o espaço acabou, o resto fica para a próxima.




03 de Outubro

A luta política, ideológica e propagandística por trás das grandes disputas de xadrez e o papel do ex-campeão mundial, Garry Kasparov, como testa-de-ferro dos interesses da “oligarquia” e monopólios imperialistas nas próximas eleições presidenciais na Rússia

05 de Outubro

Respostas a algumas questões levantadas por leitores e as disputas que abriram a primeira sessão de luta política-ideológica da história do xadrez, são os assuntos abordados por Carlos Lopes na continuação do seu artigo

10 de Outubro

Esta parte do artigo analisa matches e esquivas do predecessor de Garry Kasparov na primeira demonstração da convivência entre “ser um ás no xadrez e um cretino em outros campos da vida”: o campeão mundial Alexander Alekhine

12 de Outubro A luta político-ideológica da guerra chega aos torneios de xadrez. Mas a propaganda anti-comunista não teve muita alternativa no esporte onde seus inimigos tinham uma hegemonia tão grande que, de 1948 à 1972, todos os campeões e seus desafiantes eram da URSS
17 de Outubro

A cruzada anti-stalinista dos kruschevistas, a partir de 1956, e sua relação com a campanha contra o campeão Botvinnik, que personificava uma época que eles, na impossibilidade de eliminar da História, queriam demonizar, repetindo a propaganda anti-soviética da década de 30

19 de Outubro

Quase na mesma época em que o grande campeão soviético Botvinnik é vítima de um golpe na FIDE, e pior, com a anuência da própria equipe da URSS de Kruschev, surge na arena do xadrez a genialidade tática do jovem letão Mikhail Tahl

24 de Outubro

No auge da Guerra Fria, a disputa ideológica é acirrada e invade o Torneio de Candidatos de 1962. Bobby Fischer acusa os soviéticos de manipular os resultados. A FIDE, sob pressão norte-americana, acabou com o Torneio e o substituiu por matches entre os pretendentes ao título. Se, pouco tempo antes, o FBI desconfiou que Fischer havia sido recrutado como espião pelos soviéticos, agora, haviam conseguido um propagandista ideal, ainda que inconsciente

26 de Outubro

Existe a tendência de ver o Fischer das décadas de 60 e 70 como um instrumento inconsciente do establishment norte-americano durante a “guerra fria”. Mas sua atitude em relação a Cuba, país que, no início da década de 60, irritava mais a casta dominante nos EUA do que a URSS, revela mais do jovem Grande Mestre do xadrez

31 de Outubro

A partir da década de 60, após o auge de Boris Spassky, o xadrez soviético passa, pela primeira vez desde a II Guerra Mundial, por uma entressafra

02 de Novembro

Ainda não é totalmente claro como foram as articulações para colocar Fischer irregularmente no Interzonal . O fato é que, desde antes do Campeonato dos Estados Unidos (novembro de 1969), o manda-chuva da USCF, coronel Ed Edmonson, fazia gestões para ter o americano como candidato ao título

07 de Novembro

A interferência de Kissinger no Interzonal de Palma de Mallorca é a hipótese mais provável para a súbita decisão de Fischer de aceitar as irregulares gestões para colocá-lo na disputa

09 de Novembro

Spassky entrou no match já derrotado. Não enxadristicamente, mas ideologicamente, em meio à luta ideológica que se tornou o match

14 de Novembro Em 1984, com o xadrez mundial regredido às regras de 1927, Karpov, três vezes campeão do mundo, enfrenta a maratona contra Kasparov
16 de Novembro O caráter de Kasparov começa a ficar nítido logo após o primeiro match com Karpov, ao propor que fosse declarado vago o lugar do campeão
21 de Novembro Esticar o match até exaurir o oponente era a tática de Kasparov. Porém, era bastante claro para ele o risco da continuação da disputa  
23 de Novembro Na 22ª partida, Karpov se aproxima do adversário e fica a uma vitória do título. Com o empate da 23ª partida, a decisão foi para o último jogo do match
28 de Novembro Em 1993, o conflito de Kasparov com a FIDE era basicamente o conflito do mercantilismo sem limites com os freios a ele que ainda existiam
30 de Novembro Em nome de ser o "melhor do mundo", Kasparov promovia o rompimento de qualquer regra no xadrez e pretendia estar acima de qualquer organização coletiva

Leia

Mercadante agora quer cassar Renan e aprovar a CPMF com os votos da oposição

Procurador conclui que Azeredo roubou dinheiro do Estado

CCJ vota “Sí” ao ingresso da Venezuela no Mercosul

Serra diz que sua privatização não é igual a de FHC

Truculência da Anatel para desnacionalizar a mídia choca o setor

Triunfo da Petrobrás esconjura agouro dos criadores de apagão

“Não vai faltar nem gás nem energia”

Época copia Veja e frauda até foto do presidente Chávez

Anatel comete novo ilícito para fazer Abril laranja da Telefónica

Desenvolvimento e juro baixo dão vitória à Cristina

Anatel se amanceba com teles para matar concorrência na área de telefonia e mídia

Jefferson admite que acusações de Lyra a Renan são “frágeis”

Lula cobra que Senado mostre “seriedade” em relação à CPMF

Para Jintao, combate à desigualdade social é a “nova prioridade”

Tucanos abrem o jogo e dão largada para privatizar tudo em SP

NYT confirma em manchete: ‘Bush autorizou tortura’, como disse o HP em junho de 2004

CIA diz que vai banir o “water-boarding” para humanizar seu programa de tortura

Chinaglia faz média com a ‘Veja’ à custa da honra dos companheiros

Tucanos querem pôr na conta de Lula a ladroeira de Azeredo

Sai pela culatra golpe da mídia para jogar o Senado contra Chávez

Oposição quer o fim da CPMF para acabar com a saúde pública e programas sociais

Desacatar veredicto das urnas é negar a democracia, diz Lula

 Senado fulmina furor golpista e reafirma a sua independência 

Na falta das provas contra Renan, mídia alicia oposição para atropelar regimento

 Renan expõe as vísceras da “torpeza e da delinqüência” do grupo Abril

LULA CONVOCA O PT A CERRAR FILEIRAS “NADA QUE NOS ACONTEÇA PODE NOS ESMORECER”

SEGUNDO J. BARBOSA, REVERENCIAR AUTORIDADE É INDÍCIO "O BASTANTE" PARA CRIME DE MANDO

STF COZINHA MÍDIA E ACEITA JULGAR PETISTAS (MAS VAI ABSOLVÊ-LOS)

LAUDO CONCLUI QUE "GADO FOI VENDIDO A PREÇOS DE MERCADO E PATRIMÔNIO É COMPATÍVEL COM A RENDA"

LULA ESCLARECE A CRISE DOS EUA: "QUEM ACHA QUE A ECONOMIA É UM CASSINO PODE PERDER"

AUTONOMIA FAZ DAS AGÊNCIAS ARMA DE CARTEL PARA USURPAR PODER DE GOVERNOS

CIVITA RECEBE 1 BILHÃO PARA SE TORNAR LARANJA DA TELEFÓNICA NA TVA

MINORIA QUER TOMAR O SENADO NO GRITO

PARA A MÍDIA GOLPISTA, LULA CONTINUA EM ALTA PORQUE POVO BRASILEIRO É "POBRE E IGNORANTE"

"QUEM ACHA QUE VAI ME VENCER NA RUA PODE TIRAR SEU CAVALO DA CHUVA"

SERRA NÃO EXPLICA O METRÔ DESABADO E PONTIFICA SOBRE DESASTRE DO  AIRBUS

LULA TENTA APAZIGUAR GOLPISTAS NOMEANDO JOBIM PARA DEFESA

MÍDIA GOLPISTA ESCONDE LAUDO DO IPT SOBRE O ATRITO DA PISTA

"GLOBO" MANIPULA A TRAGÉDIA EM SP PARA INSUFLAR "CRISE AÉREA" E JOGAR CULPA EM LULA

MAIA PAGA O APOIO DE LULA AO PAN FORJANDO VAIA PARA CONSEGUIR DOIS MINUTOS DE FAMA

INVESTIMENTO PÚBLICO CRESCE 33% EM 2007

"NÃO VI NENHUM DELITO QUE POSSA SER IMPUTADO A SILAS RONDEAU", DIZ TARSO GENRO

COM CHÁVEZ, O BRASIL CRESCEU EXPORTAÇÕES À VENEZUELA EM 562%

SUPREMA CORTE TRAZ SEGREGAÇÃO DE VOLTA ÀS ESCOLAS DOS EUA

LULA ORIENTA PT A NÃO TREPIDAR COM ARENGA GOLPISTA CONTRA RENAN

REELEGER LULA DE NOVO É VONTADE DA MAIORIA, DIZ PESQUISA DO PSDB

SEM NADA CONTRA RENAN, GOLPISTAS APELAM PARA QUE ELE SE ENFORQUE

MÍDIA GOLPISTA MUDA DE ACUSAÇÃO CONTRA PRESIDENTE DO SENADO

VOTO DO RELATOR ENTERRA ESCROQUERIA DA MÍDIA GOLPISTA CONTRA RENAN

PARA LULA, ATO DE NÃO RENOVAR A LICENÇA DA RCTV FOI DEMOCRÁTICO

OEA APROVA PROJETO DA VENEZUELA PARA DEMOCRATIZAR MÍDIA

"TEMOS QUE APRENDER A RESPEITAR AS LEIS DE CADA PAÍS", DIZ LULA

RENAN MOSTRA PROVAS DA TORPE ESCROQUERIA DE VEJA E SUAS FONTES

RENAN REFUTA CALÚNIAS E CONCLUI DISCURSO SOB APLAUSO DO SENADO

MÁFIAS ELIMINADAS POR LULA SÃO OS RESTOLHOS DO DESGOVERNO DE FHC

EMENDA 3 É AGRESSÃO AO MAIS PRIMÁRIO DOS DIREITOS TRABALHISTAS

LULA DIZ QUE RESPEITO À LEI MAIOR O IMPEDE DE CANDIDATAR-SE EM 2010

RECONHECIMENTO DAS CENTRAIS AMPLIFICA A DEMOCRACIA NO PAÍS

MANTEGA QUER REDUÇÃO DO "COMPULSÓRIO" PARA ACELERAR QUEDA DO JURO

 

CENTRAIS CONVOCAM A MOBILIZAÇÃO GERAL EM APOIO AO VETO DE LULA À "LEI DA ESCRAVIDÃO"

 

2.500.000 LOTAM RUAS E PRAÇAS EM SP PARA APROFUNDAR MUDANÇAS

 

COMPRA DA TIM CRIA MONOPÓLIO ILEGAL DA TELEFÔNICA NO BRASIL

"VAMOS GARANTIR A PRIMAZIA DO TALENTO SOBRE AS FORTUNAS"

PSDB, PFL, MP-SP, CPI E MÍDIA GOLPISTA ACOBERTARAM BINGOS

JURO NÃO CAI PORQUE MEIRELLES INSISTE EM TOMAR DE TODOS PARA DOAR AOS BANQUEIROS

INDEPENDÊNCIA ENERGÉTICA UNE AMÉRICA DO SUL

MEGA ENCOMENDA DE NAVIOS ATIVA MARINHA MERCANTE E ESTALEIROS

LULA: "OPOSIÇÃO QUER CRIAR CPI PARA ENTRAVAR A APROVAÇÃO DO PAC"

LULA DÁ TODO PODER À FAB PARA PÔR BIRUTAS DE AEROPORTO NA LINHA

LULA DIZ AOS EUA QUE RELAÇÃO BRASIL-IRÃ NÃO É DA ALÇADA DE BUSH

SENADO ISOLA BUSH E COMEÇA A VOTAR RETIRADA DO IRAQUE

 

 DIRETORES DO BC E FORÇAS OCULTAS DO MERCADO FLAGRADOS EM REUNIÃO SECRETA

 

TV PÚBLICA É DEMOCRACIA. MONOPÓLIOS DE MÍDIA SÃO SUA NEGAÇÃO

 

"VEJA" ABRE CRUZADA FASCISTA CONTRA REDE PÚBLICA DA TELEVISÃO

 

ANATEL ABRE A PORTEIRA PARA O CARTEL DAS TELES DOMINIAR A TV DO BRASIL

 

BUSH SAI DA AMÉRICA DO SUL MAIS ISOLADO DO QUE NA CHEGADA

 

BUSH NÃO QUER COMPRAR NOSSO ÁLCOOL, QUER AS NOSSAS USINAS

 

ÁLCOOL: EUA INVESTEM 2 BILHÕES DE DÓLARES PARA DESNACIONALIZAR A PRODUÇÃO DO BRASIL

 

SOLUÇO NA BOLSA DE NY E JURO INSENSATO DE MEIRELLES FAZEM CAIR BOLSA NO BRASIL

 

LULA CONVOCA TABARÉ A SE UNIR A HERMANOS E NÃO AO BIG BROTHER

 

LULA A MORALES: "ANTES DE SERMOS PRESIDENTES SOMOS COMPANHEIROS"

 

TURBA QUER COMBATER CRIMES LINCHANDO OS MONSTROS QUE CRIOU

 

LULA CONCLAMA O PT A MANTER O RUMO E "NÃO A ATIRAR NO PRÓPRIO PÉ"

 

PROMESSA DO COPOM DE MANTER JUROS ALTOS ACIRRA CRISE CAMBIAL

 

 LULA CORRIGE CONTAS DA PREVIDÊNCIA: "DÉFICIT" ERA SÓ TRUQUE CONTÁBIL

 

DRT EMBARGA OBRA NO BURACO DE SERRA

 

"CHAVEZ FOI ELEITO 3 VEZES DA FORMA MAIS DEMOCRÁTICA"

 

MEIRELLES TRAVA QUEDA DE JUROS PARA SABOTAR PLANO DE CRESCIMENTO

 

PAC: LULA ANUNCIA INVESTIMENTOS DE R$ 500 BILHÕES NO DESENVOLVIMENTO

 

OMISSÃO, GANÂNCIA E NEGLIGÊNCIA FIZERAM RUIR O TÚNEL DO METRÔ

 

SANHA PRIVATISTA GERA TRAGÉDIA NAS OBRAS DA LINHA 4 DO METRÔ-SP

 

LULA SUSPENDE A PRIVATIZAÇÃO DAS RODOVIAS FEDERAIS

 

EUA INTIMA FANTOCHES A VOTAR LEI DO ASSALTO AO PETRÓLEO IRAQUIANO

 

LINCHAMENTO DE SADDAM EXIBE MISÉRIA MORAL DE BUSH E SUA KLAN