1 2 3 4 5 6 7 8|Índice| Biblioteca|Assinatura|Expediente|Cartas|Não tropece na Língua
Envie sua carta: horadopovo@horadopovo.com.br | hp@webcable.com.br


Gorki Caderno 1
: 1 2-3  4-5  6-7
8
 

Sessões de 8 de março de 1938 dos Processos de Moscou, na íntegra

O assassinato de Máximo Gorki (I)

No dia 18 de junho de 1936 falecia Máximo Gorki, glória da literatura russa, vítima de envenenamento criminoso ordenado pela direção do “bloco direita-trotskista” e organizado pelo então presidente da GPU, Genrikh Yagoda. O assassinato de Gorki foi descrito e analisado, detalhadamente, nas duas sessões do dia 8 de março de 1938 do Colégio Militar da Corte Suprema da URSS, conforme as transcrições das atas dos “Processos de Moscou”, que publicamos sem cortes, em primeira mão, no Brasil, para os leitores da Hora do Povo.

Além do assassinato de Gorki, as duas sessões do tribunal, realizadas naquela data, enfocam também o de seu filho Max Pechkov; o de Menjinski, que antecedeu Yagoda na presidência da GPU; o de Kouibyschev, membro do Burô Político do PCUS; o atentado contra Kirov,  chefe da seção Leningrado do PCUS, bem como as motivações dos criminosos e seus vínculos com os serviços secretos das potências estrangeiras, particularmente com os facistas alemães.

As atas dos “Processos de Moscou” foram trazidas ao Brasil, em sua íntegra, pelo nosso inesquecível camarada Claudio Campos, secretário-geral do MR8, que teve acesso a elas, pela primeira vez, através de pesquisa realizada na biblioteca do Instituto Maurice Thorez, em Paris.

Durante anos, o camarada Cláudio e outros dirigentes do nosso movimento estudaram minuciosamente esses documentos e firmaram a convicção de que não se pode avaliar em profundidade o processo de construção do socialismo na URSS e o significado das lutas que ele engendrou sem o conhecimento do conteúdo dessas atas.

A primeira coisa que salta aos olhos, através de sua leitura, é a de que não há qualquer possibilidade de que os confrontos da promotoria com os acusados e destes entre si, em audiências públicas, tenham sido objeto de uma encenação. Essa versão disseminada, após a Segunda Guerra Mundial, por escritores a soldo da CIA, do MI-5 e por trotskistas desavisados ou não revela-se insustentável e mesmo pueril quando cotejada com as atas dos processos.

Nos cadernos especiais que publicamos nesta e na próxima edição do HP, damos uma mostra desse fato. Em edições seguintes, iremos revelando o vasto e elucidativo conteúdo das atas, em sua íntegra.

O texto referente às sessões de 8 de março de 1938, foi traduzido pelo camarada Valério Bemfica. (SR)

Home

Paginas: 1 2  3  4  5  6  7  8

Páginas desta edição 
1 2 3 4 5 6 7 8
Índice
 Biblioteca
1992 2000
1993 2001
1994 2002
1995 2003
1996 2004
1997 2005
1998 2006
1999 2007
Matérias Especiais
Cartas
Assinatura

Caderno Especial

O assassinato de Máximo Gorki

1 2

Caderno Especial Historia do PCUS

1 2
Expediente