Caderno Especial 1- A construção do socialismo na URSS: 1 2-3  4-5  6-7 8

Caderno Especial 2- A construção do socialismo na URSS: 1 2-3  4-5  6-7 8
 

A construção do socialismo na URSS (II)

Neste caderno, colocamos à disposição dos leitores a segunda parte dos capítulos da “História do Partido Comunista (bolchevique) da URSS” que tratam da construção do socialismo. Naturalmente, esta obra, por ter sido publicada em 1938, não abarca toda a construção do socialismo na URSS. Porém, contém o essencial, uma vez que apenas dois anos depois os soviéticos tiveram que enfrentar e vencer a invasão nazista. Foi exatamente a estupenda realização dos soviéticos durante os anos aqui relatados que permitiu com que a URSS vencesse o nazismo, liderando os povos do mundo no combate mais decisivo em que até então haviam se empenhado. Da mesma forma, foram esses alicerces que fizeram com que o país conseguisse, após a guerra, e apesar das imensas perdas humanas e materiais, reconstruir-se em apenas cinco anos.

Na parte que hoje apresentamos, é impressionante a luta travada pelo povo soviético, liderado por Stalin, para superar as dificuldades materiais e a acirrada e cada vez mais criminosa - porque cada vez mais desesperada - resistência dos inimigos da edificação do socialismo. A industrialização do país, os planos quinquenais, a coletivização da agricultura, a preparação do país para a guerra iminente, todos esses episódios vitoriosos que distinguiram toda uma era na história da Humanidade, só puderam ser alcançados devido à luta tenaz do partido, em especial de seu principal dirigente, à frente do povo. Exatamente por isso, esse período - e seus protagonistas - tornou-se o mais difamado por todos os parasitas, exploradores e sequazes. O que somente demonstra a imensa grandeza desta obra.

CARLOS LOPES

A luta pela industrialização socialista – Formação do bloco trotskista-zinovievista – Atuação anti-soviética deste bloco 

Depois do 15º Congresso, o Partido desenvolveu a luta para pôr em prática a linha geral a respeito da industrialização socialista do país.

No período de restauração da economia, o problema consistia em tirar da sua prostração, antes de tudo, a agricultura, em obter desta matérias primas e artigos alimentícios e pôr em movimento e restaurar a indústria, as fábricas e empresas industriais existentes.

O poder soviético resolveu com relativa facilidade estes problemas.

O período de restauração da economia apresentava três grandes limitações.

Em primeiro lugar, só existiam as velhas fábricas e empresas industriais, com sua técnica velha e atrasada, que podiam ficar imprestáveis dentro de pouco tempo. Apresentava-se o problema de equipar de novo estas fábricas e empresas industriais nos moldes da técnica moderna.

Em segundo lugar, o período de restauração da economia se encontrou com uma indústria cuja base era muito reduzida, pois entre as fábricas e empresas industriais existentes faziam falta dezenas e centenas de fábricas de construção de maquinaria, absolutamente necessárias para o país, fábricas que não existiam então e que era indispensável construir, já que sem elas não pode existir uma verdadeira indústria. Apresentava-se, portanto, o problema de criar estas fábricas e de equipá-las com uma técnica nova.

Em terceiro lugar, o período de restauração da economia se preocupava, principalmente, com a indústria leve que desenvolveu e pôs a funcionar. Porém este desenvolvimento da indústria leve continuava se apoiando numa indústria pesada pobre, além de outras exigências do país reclamarem também, para sua satisfação, uma indústria pesada progressista. Apresentava-se, pois, o problema do passar para o primeiro plano, de agora por diante, a indústria pesada.

Todos estes novos problemas eram os que a política da industrialização socialista tinha que resolver.

Era necessário construir toda uma série de ramos industriais, desconhecidos da Rússia czarista: máquinas e equipamentos, automóveis, produtos químicos, metalúrgicas; organizar uma produção própria de motores e de material para a instalação de centrais elétricas; incrementar a extração de metais e de carvão, pois assim o exigia a causa do triunfo do socialismo na URSS.

Era necessário criar uma nova indústria de guerra, construir novas fábricas de artilharia, de munições, de aviação, de tanques e de metralhadoras, pois assim o exigiam os interesses da defesa da URSS, sob as condições de cerco capitalista.

Era necessário construir fábricas de tratores, fábricas de maquinaria agrícola moderna, abastecendo com elas a agricultura, para dar aos milhões de pequenos camponeses individuais a possibilidade de passar para a grande produção kolkhosiana, pois assim o exigiam os interesses do triunfo do socialismo no campo.

Tudo isto era o que a política da industrialização tinha que resolver, pois nisso consistia, precisamente, a industrialização socialista do país.

É fora de dúvida que a construção de obras básicas tão gigantescas não se podia realizar sem uma inversão de milhares de milhões. Para isto não se podia contar com empréstimos estrangeiros, pois os países capitalistas se negavam a concedê-los. Era necessário realizar esta empresa com os próprios recursos do país, sem a ajuda de fora. O país soviético não era ainda, então, uma nação rica.

Nisto consistia uma das principais dificuldades deste período.

Os países capitalistas costumavam criar sua indústria pesada às expensas dos recursos que afluíam para eles de fora: à custa do saque das colônias, das contribuições impostas aos povos vencidos e dos empréstimos estrangeiros. O país dos Soviets não podia recorrer, por princípio, para financiar a industrialização, a essas sujas fontes de renda que o saque dos povos coloniais ou dos povos vencidos proporciona. Quanto aos empréstimos estrangeiros, a negativa dos países capitalistas em concedê-los fechava à URSS este caminho. Era preciso encontrar os recursos necessários dentro do país.

E na URSS se encontraram estes recursos. A URSS descobriu fontes de acumulação desconhecidas em todos os Estados capitalistas. O Estado Soviético dispunha de todas as fábricas e empresas industriais, de todas as terras, confiscadas pela Revolução Socialista de Outubro aos capitalistas e latifundiários, dos transportes, dos bancos, do comércio exterior e interior. Os lucros obtidos pelas fábricas e empresas industriais do Estado, pelos transportes, pelo comércio, pelos bancos já não eram consumidos pela classe parasitária dos capitalistas, porém eram investidos para continuar desenvolvendo a indústria.

O poder soviético tinha anulado as dívidas czaristas, pelas quais o povo tinha que pagar todos os anos centenas de milhões de rublos ouro, somente no que se refere a juros. Ao abolir a propriedade dos latifundiários sobre a terra, o poder soviético libertou os camponeses da obrigação de pagar todos os anos aos latifundiários cerca de 500 milhões de rublos ouro, a que montavam as rendas da terra. Os camponeses, livres desta carga, podiam ajudar o Estado a construir uma nova e poderosa indústria. Para isto, estavam vitalmente interessados em dispor de tratores e de maquinaria agrícola.

Home

Paginas: 1 2  3  4  5  6  7  8

Páginas desta edição 
1 2 3 4 5 6 7 8
Índice
 Biblioteca
1992 2000
1993 2001
1994 2002
1995 2003
1996 2004
1997 2005
1998 2006
1999 2007
Matérias Especiais
Cartas
Assinatura

Caderno Especial

O assassinato de Máximo Gorki

1 2

Caderno Especial Historia do PCUS

1 2
Expediente