Ano 2009

Edição 2828

E por falar em panetone...

Papai Noel do STJ suspende ações contra Daniel Dantas

Juiz surpreende egrégio Tribunal com a decisão que tomou sexta-feira a noite, véspera do recesso

O ministro da 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, Arnaldo Esteves Lima, concedeu liminar em favor de Daniel Dantas, dono do Opportunity, suspendendo todas as ações contra Dantas até o julgamento do processo movido contra o juiz Fausto de Sanctis, da 6ª Vara Criminal Federal. A decisão, que surpreendeu até mesmo o presidente do STJ, ministro Cesar Asfor Rocha, foi tomada na noite de sexta-feira e comunicada na madrugada do sábado, por telegrama, para a presidente do TRF-3ª Região. 

 

23 de dezembro

 

Edição 2827

Mudança de tom no noticiário tem explicação

Serra pediu à Globo

para aliviar Arruda

Ex-jornalista da emissora, Rodrigo Vianna fez a revelação em seu blog

O jornalista Rodrigo Viana, ex-repórter da Rede Globo e atualmente no Jornal da Record, revelou em seu blog, “Escrevinhador”, que o governador de São Paulo, José Serra (PSDB), intercedeu junto à Globo pedindo para “pegar leve com Arruda” e evitar maiores repercussões sobre o esquema de propina descoberto no governo de José Roberto Arruda/Paulo Otávio. “Isso respingaria na minha candidatura”, justificou o tucano, no relato de Rodrigo Viana, que tem como fonte um senador. Este parlamentar, diz Viana em seu blog, tem informações seguras sobre o esquema do governador do DF. “Em julho, ele avisou a vários jornalistas que havia uma fita de Arruda pegando dinheiro. Poucos acreditaram. As fitas estão aí”, lembra Viana.            

18 de dezembro

 

Edição 2826

 

Grandes corporações encangaram o rapaz

Discurso de Obama no Nobel da Paz fala 42 vezes em guerra

Receitas do velho imperialismo não vão aliviar a crise americana, vão agravá-la

Já dizia o grande Martin Luther King que “ninguém montará em cima de nós se não nos curvarmos”. Depois de assinar embaixo da guerra cambial dos monopólios dos EUA contra os outros países e enviar ao Congresso o maior orçamento militar da História, em seu discurso em Oslo, recebendo o prêmio Nobel da Paz, Obama revelou que apesar de ser seguidor de King, “como chefe de Estado” não pode segui-lo. Asseverou que “a opressão sempre conviverá conosco”, que “podemos admitir a incorrigibilidade da pobreza”, defendeu o papel dos “instrumentos de guerra na preservação da paz”, que “as nações verão o recurso à força como não apenas necessário, mas moralmente justificado” e que as agressões dos EUA são “guerras justas”. Sábio era, realmente,  Martin Luther King, que também disse: “nada no mundo é mais perigoso que a ignorância sincera e a estupidez conscienciosa”.

16 de dezembro

 

Edição 2825

Governo de SP paga à CTIS 400 milhões por ano

Não é à toa que Serra o convidou para vice

Governador ladrão

 lança a cavalaria

contra estudantes

Repressão sangrenta e descabida arremessa mais lenha na fogueira

Arruda ultrapassou todos os limites do tolerável. Flagrado em vídeos gravados pelo seu ex-secretário de Relações Institucionais recebendo parte do botim do assalto aos cofres públicos, o governador irritou profundamente a população com a debochada alegação de que o dinheiro “era para comprar panetone para o povo carente”.

Como se isso fosse nada, na quarta-feira ordenou à PM que investisse sobre uma manifestação pacífica, procurando afogar em sangue os justos protestos contra sua repulsiva figura.

Seria melhor que ele renunciasse logo ao invés de prolongar a agonia à espera do impeachment, pois no que depender da população de Brasília seus últimos dias no governo vão se transformar num verdadeiro inferno. E isso, nós podemos garantir.

12 de  dezembro

Edição 2824

 

Governo de SP paga à CTIS 400 milhões por ano

Sedex com dinheiro para Arruda veio de fornecedor de Serra

Com tucanos na diretoria e conselho de administração, a empresa dá duro alugando computador a R$ 4 mil cada

O ex-secretário de Relações Institucionais do governo de Brasília, Durval Barbosa, revelou em depoimento à Polícia Federal que na manhã do dia 13 de outubro, ao chegar ao seu gabinete, encontrou um pacote de dinheiro enviado por Sedex pela empresa de informática CTIS “para chegar ao governador José Roberto Arruda (DEM) e demais pessoas”. Durval disse que preencheu uma folha de papel com os nomes, números e percentuais das pessoas que deveriam, segundo a empresa, receber o dinheiro, e anotou: “CTIS mandou entregar na secretaria (recepção) como Sedex”. A CTIS Tecnologia S/A é a mesma empresa de informática responsável pelo Consórcio Educat, que tem um contrato para alugar 100 mil microcomputadores ao governo de José Serra (PSDB), em São Paulo, no valor de R$ 400 milhões - a um custo de R$ 4.000 por unidade.

09 de Dezembro

 

Edição 2823

Presidente do partido cobra reciprocidade

Quem tem Yeda,

não pode falar do Arruda,

diz o Dem a tucanos

“Se crise como essa fosse impeditiva, o PSDB talvez não pudesse nem lançar candidato à presidência”

“Nós estamos investigando as denúncias contra um filiado. O PSDB poderia ter investigado a governadora Yeda Crusius, mas não fez”, declarou o presidente do Dem, deputado Rodrigo Maia, ressaltando que o RS a direção de seu partido “foi solidária” com o PSDB, ao contrário deste no DF, apesar de um dos implicados pela polícia ser o presidente do PSDB-DF, Márcio Machado, secretário de Obras de Arruda.

04 de Dezembro
Edição 2822

Papai Noel do DF era cotado para vice de Serra

Arruda esclarece: a propina era para comprar panetone 

PSDB está envolvido, diz o autor dos filmes

 A operação Caixa de Pandora, da PF, trouxe a público na sexta-feira, através de dezenas de vídeos, depoimentos e documentos apreendidos, um esquema de corrupção dentro do governo de Brasília, chefiado pelo próprio governador, que determinava pessoalmente a distribuição do dinheiro. Os policiais apreenderam documentos e computadores em gabinetes, casas de deputados e secretários do governo. Até a residência oficial do governador foi revistada, com autorização do STJ. “Ahnnn, ótimo! [pausa] eu tô achando que devia passar lá em casa, porque descer com isso é ruim...”, diz Arruda, amigo de Serra – ventilado para seu vice – e ex-líder tucano no Senado, em um dos vídeos entregues à PF, recebendo dinheiro de seu secretário de Relações Institucionais, Durval Barbosa.                

02 de Dezembro
Edição 2821

EUA desvaloriza moeda para sugar o mundo

Invasão do Brasil pelo dólar virtual passa de 17 bilhões em outubro

Guerra cambial exige defesas mais eficazes

A entrada de capital estrangeiro especulativo em outubro atingiu US$ 17 bilhões e 119 milhões, um recorde segundo o BC. Desse total, US$ 14,449 bilhões foram para compra de ações e US$ 2,67 bilhões para renda fixa. Desde julho, essas aplicações totalizam US$ 37,431 bilhões. A cobrança de 2% de IOF sobre aplicações estrangeiras especulativas, instituída em 19 de outubro, se mostrou insuficiente para fazer frente à enxurrada de dólares que tem desaguado no país. A emissão exagerada de moeda pelos EUA chegou a triplicar a quantidade de dólar circulante no mundo, corroendo o câmbio de diversos países, especialmente do Brasil.

 27 de Novembro
Edição 2820

Queda em 11 meses já totaliza 14,7 pontos

Antilulismo de Serra leva sua candidatura a cair mais 8 pontos

Diferença em relação a Dilma agora é metade das intenções de voto em Ciro

Segundo a última pesquisa CNT/Sensus, realizada entre os dias 16 e 20 de novembro e divulgada na segunda-feira, Serra voltou a cair nas intenções de voto chegando a 31,8%. Em setembro, ele estava com 39,5%, uma queda acentuada de 7,7 pontos em dois meses. A pesquisa tem registrado uma tendência declinante da candidatura tucana. Em dezembro de 2008, Serra estava com 42,8%. No mesmo período a ministra Dilma Rousseff mais que dobrou a sua popularidade, passando dos 10,4% em dezembro de 2008 para 21,7%, em novembro, quando Ciro Gomes registrou 17,5%.

 25 de Novembro
Edição 2819

Cinco empreiteiras no trem da alegria

Tucanos passaram a amigos fiscalização da obra do rodoanel

Para o deputado Simão Pedro, Estado não podia abrir mão do seu papel

 A troca da construção das vigas por modelo mais barato e de qualidade inferior ao contratado, a rachadura de uma delas ainda no transporte, a colocação errada e o desabamento do viaduto do rodoanel, em São Paulo, tiveram um ponto em comum: a negligência na fiscalização. O governo paulista contratou por 25 milhões cinco empreiteiras para que cumprissem o que era dever do Estado. Esses “contratos devem ser investigados”, afirmou o presidente da Comissão de Serviços e Obras Públicas da Assembléia, deputado Simão Pedro (PT-SP) - foto.

 20 de Novembro
Edição 2818

Governador reduz o crime a mera “barbeiragem”

Desabamento do rodoanel é a cara do governo Serra

1 - Uma das 5 vigas rachou quando ainda estava sendo transportada

2 - As outras 4 não foram verificadas e a instalação foi mal executada

3 - Desabaram 3 em cima dos carros que trafegavam na rodovia Régis

 A obra previa a instalação de cinco vigas em cada lado do viaduto do rodoanel. Entretanto, uma das vigas apresentou rachadura durante o transporte até o local da obra. Sem levar em conta que as outras quatro poderiam apresentar o mesmo defeito, o consórcio decidiu prosseguir, e fez a instalação incompleta, ficando o conjunto instável e sem amarração devida. Resultado: três vigas despencaram sobre a rodovia Régis Bittencourt. O Tribunal de Contas da União (TCU) informou em setembro que o consórcio constituído pela OAS, Mendes Júnior e Carioca Engenharia, com o objetivo de baratear os custos, havia trocado as vigas, usando material pré-moldado, de menor qualidade. Mas não suspendeu a obra.

 18 de Novembro
Edição 2817

Deus livre Lula desse tipo de doença

Atribuir apagão a “fator climático” é lero de tucano

Eletrobrás aponta que “falha no sistema ERAT impediu o ilhamento do problema em Itaberá”

Depois do ministro Lobão ter atribuído o blecaute de terça exclusivamente a uma fatalidade climática e ser contestado por uma torrente de especialistas, quase ao final da noite de quarta-feira o presidente da Eletrobrás, José Antônio Muniz, declarou que “deveria ter acontecido o ilhamento [isolamento] do problema. O que é preciso levantar é porque não entrou em operação o sistema ERAT que existe exatamente para levar ao ilhamento”.

 13 de Novembro
Edição 2816

Vamos reagir, pessoal, ou a vaca vai para o brejo

EUA deflagra guerra cambial e Fazenda hesita em ir à luta

Triplicaram o dólar circulante para parasitar os mercados desavisados

Segundo o ministro Mantega, temos de “trabalhar” com a sobrevalorização do real, mas, se não fosse ela, estaríamos mais “competitivos” que a China, país que não entrou em crise e impediu a sobrevalorização de sua moeda. A sobrevalorização do real é consequência da política monetária dos EUA, que, desde a eclosão da crise, invadiram outros países com bilhões de dólares sem lastro, tomados a juro zero, encarecendo nossas exportações, barateando importações e apertando o torniquete sobre a nossa indústria. Trata-se de tentar sair da crise transferindo quantidades colossais de recursos do Brasil e outros países para os monopólios financeiros dos EUA. Nessa guerra, ou o país se defende ou é saqueado.

 11 de Novembro
Edição 2815

AET encaminha denúncia da fraude à SEC

Investimento frio da Telefónica no Brasil agita a Bolsa de NY

Câmara aprova audiência pública para saber onde estão os 2 bi do BNDES

Associação dos Engenheiros de Telecomunicações (AET) encaminhou carta à SEC (U.S. Securities & Exchange Commission), entidade responsável por fiscalizar o mercado de ações nos EUA, apontando “fortes indícios de fraudes financeiras por parte da Telefónica” em alegados investimentos de R$ 2,342 bilhões em sua rede. “Não conseguimos localizar companhias que tenham fornecido serviços ou equipamentos para a Telefónica em 2008. Não há registro de para onde os investimentos declarados foram, nenhum traço”, diz a AET.

 06 de Novembro
Edição 2814

Agressão ocorreu na pérgula do hotel Fasano

Aécio põe namorada a nocaute com murro no meio da festa VIP

Convivas contiveram o governador antes que a moça fosse massacrada

O governador Aécio Neves, durante festa promovida por um estilista da Calvin Klein no hotel Fasano, na avenida Vieira Souto, a mais famosa rua de Ipanema, no Rio de Janeiro, bateu na namorada, Letícia Weber, que “caiu no chão”, segundo descreveu uma testemunha ocular, a colunista social Joyce Pascowitch. A agressão aconteceu no dia 25 de outubro, domingo. Letícia levantou do chão e Aécio teve que ser contido pelos circunstantes para não continuar a bater na namorada. Byron disse uma vez que quem não ama a sua pátria, não ama coisa alguma. Com Serra, Aécio, Fernando Henrique, é o inverso: eles não amam a pátria porque não amam ninguém. São todos uns narcisistas doentios. E ainda posam de vestais. Perto deles, Caifás, o sumo sacerdote dos fariseus, era um São Francisco.

 04 de Novembro
Edição 2813

Tucanos não querem entregar nem a vice

Democratas vetam a entrada de Serra em seu programa na TV

Para Maia, é desrespeito a aliados fazer campanha sem assumir compromisso

O presidente nacional do Dem, deputado Rodrigo Maia (RJ), decidiu vetar a aparição do governador de São Paulo, José Serra, no programa do partido que vai ao ar nesta quinta-feira no rádio e na TV. Apesar de estar em campanha, na hora de assumir compromisso em ceder a vice para o Dem, Serra tem se esquivado alegando não ser ainda candidato. “Não há necessidade de definir porque é muito cedo”, desconversa. Para o ex-prefeito do Rio Cesar Maia, “a aposta do governador tucano José Serra em uma divisão interna entre seus aliados é de um primarismo ingênuo e arriscado”.

 30 de Outubro
Edição 2812

O problema é que ninguém morre, diz gestor tucano

SPC apura sumiço de meio bilhão do fundo de pensão da Sabesp

Em 8 anos, rombo teve crescimento de 3.212,5%

Secretaria de Previdência Complementar, órgão do Ministério da Previdência Social, investiga o desfalque. Os funcionários da Sabesp denunciaram que a empresa deixou de depositar todos os recursos destinados à aposentadoria.

28 de Outubro
Edição 2811

Falta de investimento estrangulou setor

Parasitismo de teles pôs na ordem do dia a volta da Telebrás

Faturaram 178 bilhões, cresceram remessas em 91% em 2008 e pegaram financiamento no BNDES

Em tudo o que se refere à universalização das telecomunicações, o monopólio das teles revelou-se um fracasso. Hoje, a se crer nas próprias teles, há somente 10 milhões de usuários de Internet via banda larga, pagando preço de platina por um serviço de pardieiro. Para garantir a universalização – inclusive a participação das empresas privadas não monopolistas – a Telebrás é imprescindível ao Plano Nacional de Banda Larga.

23 de Outubro
Edição 2810

Candidato faz acordo e SP paga a conta

Telefónica ganha de Serra isenção fiscal para fraudar usuário

Banda larga “popular” da tele não chega a 15% do mínimo exigido pela ONU

 Na quarta-feira, a Telefónica anunciou que ia lançar a “banda larga popular”. Na quinta, Serra decretou isenção de ICMS para que a Telefónica lucre mais, enganando os incautos. A UIT, órgão da ONU, define a velocidade de 1,5 a 2 Mbps para a banda larga. Segundo o decreto de Serra, a “banda larga popular” terá “velocidade mínima de 200 Kbps e máxima de 1 Mbps”, o que significa que a Telefónica vai fornecer 200 Kbps, se não reduzir, como sempre fez, essa velocidade a 10% do contratado. O risco é os usuários saírem às ruas para caçar o candidato da Telefónica.

21 de Outubro
Edição 2809

Presidente do PT oficializa o convite

“PMDB pode assumir de público que tem a vice”, afirma Berzoini

Peemedebistas decidem fechar a aliança, anuncia deputado Henrique Alves

 O presidente nacional do PT, deputado Ricardo Berzoini (SP), afirmou na terça-feira que a aliança do partido com o PMDB em torno da candidatura da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, à Presidência da República já está fechada. Segundo ele, o vice na chapa será do PMDB. “Essa é uma aliança estratégica não só politicamente, mas para governar o país. Já falei com o PMDB. Os peemedebistas podem, publicamente, assumir que são vice da gente”, disse, em entrevista à Agência Brasil. “As pessoas aqui estão firmemente dispostas a fazer a aliança, PT e PMDB na chapa”, completou o presidente do PT.

16 de Outubro
Edição 2808

Tese da “inconstitucionalidade” é ardil do IBP

Oposição sem voto quer mudar quorum para lei do pré-sal

Artigo 37 da Constituição garante direito da União contratar quem quiser, desde que regule em lei

A pilantragem das múltis é inventar uma “inconstitucionalidade”, já que o quorum para uma emenda constitucional ser aprovada é de três quintos tanto da Câmara quanto do Senado, e não a maioria simples necessária para alterar a lei. A Constituição é clara quando diz no art. 37, caput e inciso XXI, que os processos licitatórios se aplicam “ressalvados os casos especificados na legislação”, que é o caso da lei para exploração do pré-sal encaminhada pelo governo ao Congresso estabelecendo a contratação da Petrobrás.

14 de Outubro
Edição 2807

Abusos da SuperVia passaram do limite

Usuário perde as estribeiras com a ferrovia privatizada no Rio de Janeiro

Empresa é a mesma que utilizava o chicote para embarcar passageiros

 Na quarta-feira, passageiros dos trens do Rio revoltaram-se contra os serviços da SuperVia, um conluio entre fundos especulativos, sobretudo americanos e ingleses, e a empresa espanhola  Construcciones y Auxiliares de Ferrocarriles, que, durante os governos FH/Marcelo Alencar, tomou a malha ferroviária pela módica quantia de R$ 30 milhões. Cerca de 30 mil pessoas não puderam chegar ao trabalho e a outros compromissos no horário por conta de uma pane num trem que obstruiu uma das linhas. Uma jovem declarou: “os trens estão sempre atrasados, não dá nem para respirar lá dentro, de tanta gente”. Outro passageiro relatou: “eles jogaram balde de cloro, deram tiros pro alto, bateram nos passageiros”. Em abril, a SuperVia foi flagrada quando funcionários chicoteavam passageiros para comprimi-los nos vagões. Desde a privatização, as tarifas da SuperVia tiveram um aumento extorsivo.

10 de Outubro
Edição 2806

Lula traz para o Rio as Olimpíadas de 2016

Yes, we créu!

“É hora de acender a pira olímpica na América do Sul”, disse o presidente

Entre “os países que disputam hoje a indicação, somos os únicos que nunca tivemos essa honra. Para os outros, será apenas mais uma Olimpíada. Para nós, será uma oportunidade sem igual”, afirmou o presidente Lula, ao discursar para os membros do Comitê Olímpico Internacional (COI), em Copenhague, na última sexta-feira, e conquistar os últimos votos que asseguraram a vitória do Brasil, em votação com vários turnos. O Rio obteve 66 votos e derrotou Madri, que não passou de 32, Chicago, que teve 18, e Tóquio, que obteve 20.

07 de Outubro
Edição 2805

Se pressão não crescer, ele não sai mais de lá

Golpista relaxa toque de recolher mas lota prisões em Honduras

Micheletti atropela povo, Constituição, Congresso, eleição, igreja, imprensa, entidades empresariais

O Tribunal Superior Eleitoral de Honduras se juntou ao Congresso e pediu a revogação do estado de sítio. Decretado de forma ilegal por Micheletti, em afronta ao Parlamento, que não foi consultado, à Constituição, que obriga a consulta, às eleições, marcadas para novembro, o estado de sítio acentuou a violência contra os hondurenhos. Já são milhares de presos - a polícia admite a prisão de 2.200. O jornalista Delmer Membreño, do jornal hondurenho El Libertador, denunciou que foi sequestrado e torturado.

02 de Outubro

 

Edição 2804

Sem Zelaya não há garantia de eleição limpa

Congresso pede o fim do estado de sítio em Honduras

Micheletti alopra e ameaça fechar as representações da Venezuela, México, Espanha e Argentina dentro de 10 dias

O presidente do Congresso de Honduras, Carlos Saavedra, “com apoio de todas as lideranças do Parlamento”, pediu a revogação do estado de sítio decretado pelo golpista Micheletti no domingo. A fascistização do golpe aprofundou o isolamento externo e começou a rachar a base interna, da qual Saavedra fazia parte. A manifestação de desaprovação foi feita diretamente a Micheletti, durante uma entrevista coletiva, 24 horas após a suspensão dos direitos e garantias constitucionais. Desgastado, o golpista disse que iria cassar os vistos diplomáticos das representações  da Espanha, do México, da Venezuela e da Argentina se não obtivesse o reconhecimento. Antes havia impedido a entrada da delegação da Organização dos Estados Americanos. O objetivo do golpe foi interferir nas eleições marcadas para novembro.

30 de  Setembro
Edição 2803

Presidente cobrou nas Nações Unidas

ONU e OEA apoiam Lula: Zelaya deve voltar de imediato para a presidência

Golpistas cada vez mais isolados dentro e fora do país. Povo faz barricadas

A ONU e a OEA apoiaram de forma enfática a ação do presidente Lula de abrir a embaixada brasileira em Honduras para o presidente Manuel Zelaya. Eles também repudiaram o cerco dos golpistas hondurenhos à representação brasileira, que cortou o fornecimento de água e luz da embaixada. “O governo do Brasil está atuando bem e atuou com o respaldo de toda – toda com letras maiúsculas – a comunidade internacional”, afirmou o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), José Miguel Insulza. A ONU condenou a eleição marcada pelos golpistas dizendo que elas não têm “credibilidade”.

25 de  Setembro
Edição 2802

OEA reitera apoio ao presidente hondurenho

Zelaya volta e instala QG da legalidade na Embaixada do Brasil

Golpistas al carajo!, canta a população no reencontro

O presidente Manuel Zelaya voltou na segunda-feira a Honduras, e discursou diretamente às milhares de pessoas que começaram a se aglutinar em torno da Embaixada brasileira, onde está, saudando a resistência popular pela legalidade. O coordenador da Frente Nacional Contra o Golpe, Juan Barahona, destacou que “a cidade está sendo inundada por manifestantes vindos dos bairros e do interior”.

23 de  Setembro
Edição 2801

Efeito da isenção do IPI se esgotou

Ipea acha cedo para considerar que a economia já se recuperou

“Sustentabilidade com retração do PIB é mito”, afirma capítulo do livro que desgostou a “Veja”

No livro “Brasil em Desenvolvimento: Estado, Planejamento e Políticas Públicas”, lançado na comemoração de seus 45 anos, o Ipea, no capítulo 4, escrito pelo economista Luis Carlos Magalhães, sugere mudanças na orientação do Orçamento para enfrentar a crise. “Tem economista questionando, falando em sustentabilidade. Sustentabilidade com retração de 2% de PIB? Isso já virou mito de mercado financeiro”, afirma. O livro fez a sempre solícita “Veja” protestar contra o Ipea não ter dito que a crise acabou

18 de  Setembro
Edição 2800

É preciso mudar, antes que seja tarde

Juro e BNDES mantêm o crescimento do PIB negativo no semestre

Recuperação registrada no trimestre abril-junho não dá nem para a saída

Segundo o IBGE, no primeiro semestre o PIB caiu 1,5% em relação a igual período do ano passado e a taxa de investimento caiu 15,6%. No entanto, “Veja” e outras quadrilhas que perpetraram o terrorismo da crise quando o país não estava em crise, festejaram uma suposta saída da crise. Querem impedir o país de mudar – se supostamente saímos da crise com juros altos, com o BNDES fornecendo dinheiro para multinacionais e monopólios internos, e com isenções fiscais para empresas estrangeiras, para que mudar? No entanto, é exatamente isso que é preciso mudar para que o país cresça.

16 de  Setembro
Edição 2799

Paulista não tem direito nem de pedir socorro

Telefónica deixa SP sem comunicação no meio do temporal

Para presidente da Anatel, “é assim mesmo o setor”: toda a vez que o uso do telefone cresce ele não funciona

Foi só os telefones serem mais usados - o que ocorreu durante o temporal que caiu em São Paulo, na terça - para o sistema travar, em mais uma pane da Telefónica de Espanha. Ela deixou mudo inclusive os serviços de emergência da Polícia Militar, Defesa Civil e Corpo de Bombeiros, dificultando o socorro às vítimas da chuva. Para o presidente da Associação dos Engenheiros de Telecomunicações (AET), Ruy Bottesi, a chuva não justifica a pane. Ele afirma que “nos últimos anos a referida concessionária deixou degradar a qualidade dos serviços básicos prestados aos clientes, ficando evidente a falta de atenção e prioridade às atividades de operação e manutenção da rede”. Para o presidente da Anatel, Ronaldo Sardenberg, que liberou há poucos dias a venda do serviço banda larga da Telefónica-Speed após sucessivas panes, a culpa é dos usuários. “Há um crescimento muito acelerado do tráfego, maior até do que o crescimento do setor como um todo”, disse.

11 de  Setembro
Edição 2798

Petrobrás no pré-sal é a cara da nova era

Lula convoca Brasil a deixar maus tempos da lei 9478 para trás

Mensagem de 7 de Setembro ressalta que a hora é de mais independência

Em pronunciamento, domingo, em cadeia de rádio e televisão, o presidente Lula destacou o significado da descoberta do pré-sal pela Petrobrás e a necessidade de uma nova lei que garanta esta riqueza para o Brasil. “Este é o 7 de Setembro do Brasil festejar o futuro. De celebrar uma nova Independência”, afirmou o presidente, que convocou o povo à mobilização. “Peço a cada um de vocês que acompanhe passo a passo as discussões destas leis no Congresso. Que se informe, reflita, e entre de corpo e alma nesse debate tão importante para os destinos do Brasil e para o futuro de nossos filhos e netos”, disse.

 06 de  Setembro
Edição 2797

Lula: “oposição trabalha contra o Brasil”

Mídia golpista tira a máscara e advoga o pré-sal para as múltis

Demo-tucanos deveriam pensar duas vezes antes de embarcar sem volta numa nova canoa furada

A mídia golpista e a oposição mais uma vez se associam para trabalhar contra o Brasil.

Segundo elas, o projeto do governo Lula para o pré-sal não dá a devida consideração às magníficas contribuições que as multinacionais podem trazer ao Brasil na exploração do pré-sal.

Compreende-se que os monopólios de mídia queiram garantir os interesses de seus anunciantes. E basta folhear uma publicação impressa ou sintonizar as emissoras de televisão dos referidos monopólios para ver que, no essencial, é a publicidade das multinacionais que viabiliza a sua existência.

Isto dá às múltis muitos direitos sobre a mídia golpista, mas nenhum sobre o pré-sal.

A contribuição das multinacionais para que o Brasil primeiro conquistasse a auto-suficiência petrolífera e depois realizasse a grande descoberta foi igual a zero.

Tudo dependeu exclusivamente do esforço do povo, da União e da Petrobrás. E a nossa principal empresa não precisa nem da tecnologia, nem dos recursos financeiros que as petroleiras internacionais possam obter para explorar o pré-sal.

Portanto, parafraseando o grande sábio de Nazaré, este é um caso típico para que se dê às multinacionais o que é delas e à Petrobrás o que é da Petrobrás.

A oposição deveria refletir sobre isso antes de embarcar numa nova canoa furada - desta vez, pela magnitude da traição, sem direito a volta. 

 04 de  Setembro
Edição 2796

“Pensamento subalterno” já era, diz Lula

Projeto para o pré-sal abre perspectiva para o retorno da lei 2004

Novo marco garante que governo pode dar todas as áreas para Petrobrás. Só falta dizer que deve

Ao lançar os projetos para o pré-sal, o presidente Lula convocou os brasileiros participarem “desse grande debate para que tomemos as melhores decisões”. Os projetos, embora ainda mantenham leilões e proponham uma segunda estatal para o pré-sal, autorizam a União a contratar diretamente a Petrobrás. Lula rendeu homenagem aos que “se insurgiram contra a ladainha que o Brasil deveria deixar essa tarefa para o capital estrangeiro. Bendito nacionalismo, que permitiu que as riquezas da nação permanecessem em nossas mãos”.

 02 de  Setembro
Edição 2795

Lobby das teles passou dos limites

Anatel libera Speedy sem que Telefónica conserte os defeitos

Conselheiro adverte que sequer se esperou prazo mínimo de 180 dias que múlti pediu para reparos

A Anatel, na quarta-feira, permitiu que a Telefónica volte a vender o seu serviço de banda larga, o Speedy, apesar dos problemas que causaram a suspensão de suas vendas não terem sido reparados, como apontou, em seu voto, o conselheiro Plínio de Aguiar Júnior. Já para o presidente da Anatel, Ronaldo Sardenberg, não haverá mais crises porque “tenho a convicção de que não haverá”, e apontou a “consciência” das empresas como garantia.

 28 de  Agosto
Edição 2794

Conselho reprova relatório de gestão

Trapaça para isentar teles de pagar multa abre crise na Anatel

Informe da SPB subsidia prestadoras a driblarem as multas, diz Ouvidoria

Na quinta-feira, o Conselho Consultivo da Anatel rejeitou o relatório de gestão de 2008. Na segunda, a Ouvidoria da Anatel divulgou seu relatório anual, contestando o informe da Superintendência de Serviços Públicos, segundo o qual há “falta de razoabilidade” nas multas às teles: “Como falar em falta de razoabilidade se, nos últimos dez anos, o volume total de multas sequer atingiu 0,14% das receitas brutas destas concessionárias?”, aponta o Ouvidor, engenheiro Nilberto Miranda.

 26 de  Agosto
Edição 2793

Decisão é final e não cabe recurso

Conselho remete as ações contra Sarney para o arquivo morto

Oposição foi atrás das pirotecnias da mídia, saiu chamuscada e acabou reforçando a aliança entre PT e PMDB

O plenário do Conselho de Ética do Senado arquivou na quarta-feira, por 9 votos contra 6, todas as 11 representações da oposição contra o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). A bancada do PT no Conselho, composta pelos senadores João Pedro, Ideli Salvatti e Delcídio Amaral, votou coesa pelo arquivamento. A decisão é uma confirmação das medidas tomadas pelo presidente do Conselho de Ética, senador Paulo Duque (PMDB-RJ), que já havia rejeitado as denúncias por considerá-las inconsistentes e sem fundamento, além de terem sido baseadas exclusivamente em recortes de jornal. A decisão tomada na quarta-feira pelo plenário do Conselho é definitiva, segundo a Resolução nº 25 de 2008 do Senado. Para Sarney, o momento agora é de “retomar a agenda positiva”. O senador se disse satisfeito com a nota divulgada pelo presidente do PT, Ricardo Berzoini, que responsabiliza a antecipação do calendário eleitoral de 2010 como pano de fundo para a ação da oposição.

 21 de  Agosto
Edição 2792

Economia popular sofre nova investida

Teles, Anatel e STJ se acertam para assaltar usuário com tarifa de DDD em ligação local

Ex-ministro de FHC dirige a Agência como se fosse um escritório dos monopólios

O Superior Tribunal de Justiça atendeu o recurso feito pela Brasil Telecom e pela Anatel, dirigida por Roberto Sardemberg (foto), para que a concessionária de telefonia fixa cobre preço de tarifa interurbana para as ligações locais efetuadas na comunidade de São Francisco do Retiro (Veranópolis - RS) para outros pontos do mesmo município. A excrescência jurídica, rejeitada em primeira e segunda instância, mas instaurada pela terceira, é perigoso precedente.

 19 de  Agosto
Edição 2791

Prática de advocacia administrativa é crime

Anatel protela decisão sobre superintendente que as teles guiavam

Artigo 321 recomenda cadeia a patrocinador de interesse privado na administração pública

A análise da exoneração do superintendente de Serviços Públicos (SPB), Gilberto Alves, e do gerente do setor, José Gonçalves Neto, que seria feita no dia 6, foi postergada pelo Conselho Diretor da Anatel. A punição foi pedida pelo conselheiro Plínio de Aguiar Júnior depois que o SPB deu parecer atacando as multas aplicadas pela própria Anatel às teles. O parecer foi usado em 200 processos administrativos como peça de defesa das teles, “contumazes infratores”, na opinião do Ministério Público Federal.

 14 de  Agosto
Edição 2790

Pareceres encomendados protegiam infratores

Conselheiro denuncia lobby na Anatel para aliviar multa de teles

Aguiar pede a demissão de Gerente e Superintendente de setor da agência

Através de pareceres, a Superintendência de Serviços Públicos (SPB) da Anatel investia contra as multas aplicadas pela própria agência às teles. “Não entendo como a mesma área que aplica as multas pode dizer que elas estão altas”, afirmou o conselheiro da Anatel Plínio de Aguiar Júnior (foto), que pediu a exoneração do superintendente de SPB, Gilberto Alves, e do gerente geral de Competição da SPB, José Gonçalves Neto. Na avaliação do Ministério Público Federal, os pareceres são mais “um subsídio para o discurso de defesa de contumazes infratores do que uma ação administrativa em prol da eficácia da regulamentação, do interesse público e da defesa do consumidor”. Os informes foram anexados em 200 processos administrativos que totalizam R$ 1,4 bilhão em multas contra as operadoras.

 12 de  Agosto
Edição 2789

Rebateu da tribuna acusações ponto por ponto

Sarney diz à oposição que está pronto para a paz ou para a guerra

Quem contava com uma licença ou renúncia pode tirar o cavalo da chuva

Em pronunciamento na quarta-feira, o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), afirmou que sempre foi “um homem de diálogo, de convívio pacífico, de respeito aos outros, às suas ideias e às suas posições”. “Mas isso, ao longo de minha vida, nunca me fez abandonar a firmeza, quando ela tem sido necessária”. Sarney rebateu ponto por ponto das acusações da oposição e da mídia, apontando que sofre “uma campanha sistemática e agressiva” a tal ponto que “fraudaram a fita que distribuíram aos jornais e incluíram o meu nome com a voz de outra pessoa”.

 7 de  Agosto
Edição 2788

Informação consta de documento da USAF

Nova base dos EUA na Colômbia tem raio de ação para alcançar a metade do continente

Lula propõe a Bachelet que o Conselho de Defesa da Unasul seja convocado

Em reunião com sua colega do Chile, Michelle Bachelet, na última quinta-feira, o presidente Lula sugeriu a convocação do Conselho de Defesa da Unasul (União de Nações Sul-Americanas) em reação à instalação de novas bases americanas na Colômbia. “A mim não me agrada mais uma base americana na Colômbia”, disse o presidente. Documento da Força Aérea dos Estados Unidos afirma que operações a partir da base de Palanquero - uma das três bases planejadas - com o avião militar C-17 podem atingir metade do continente sem necessidade de reabastecimento.

 5 de  Agosto
Edição 2787

Taxa de sucesso da Petrobrás é de 100%

Mídia inventa risco para facilitar múltis mamarem o pré-sal

Diz que as jazidas são duvidosas para que não seja defenestrada a lei do assalto ao petróleo

 Nos últimos dias, a mídia entreguista se dedicou a uma campanha sobre o risco de não achar petróleo no pré-sal, as gigantescas jazidas descobertas pela Petrobrás, onde a empresa brasileira fez 11 perfurações e conseguiu achar petróleo em todas. O objetivo é manter a lei do petróleo do governo Fernando Henrique, que, sob o pretexto do risco, concede às multinacionais o petróleo que elas extraírem do nosso subsolo.

 31 de  Julho
Edição 2786

Venda da Tonghua foi prontamente anulada

Operários jogam pela janela privatizador de siderúrgica na China

“Chen provocou ao dizer que maioria ficaria sem emprego em três dias”, relatou um policial local

“Chen decepcionou e provocou os operários ao anunciar que a maioria ficaria desempregada em três dias”, afirmou um policial local citado pelo China Daily. Os trabalhadores da Tonghua Iron and Steel espancaram e jogaram pela janela Chen Guojun, recém nomeado diretor que veio anunciar a privatização da empresa - que passaria ao controle do grupo Jianlong - e a demissão em massa de funcionários. A venda da estatal foi cancelada. Chen morreu.

 29 de  Julho
Edição 2785

Blindagem do bandido começa a enferrujar

Justiça bloqueia 27 fazendas de réu que Gilmar mandou soltar

Juiz De Sanctis inclui na decisão ainda 453 mil bois de Daniel Dantas

O juiz federal, Fausto Martin De Sanctis, da 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo, determinou nesta terça-feira o bloqueio de 27 fazendas e 453 mil cabeças de gado do grupo Opportunity, listadas pela Polícia Federal com base em investigações sobre lavagem de dinheiro, fraudes financeiras e formação de quadrilha. Segundo a Polícia Federal, a organização criminosa de Dantas lava dinheiro através de fazendas, gado e outros negócios agropecuários. O banqueiro, um dos principais operadores das privatizações do governo FHC, foi solto graças a dois habeas corpus consecutivos, concedidos pelo presidente do STF, Gilmar Mendes.

 24 de  Julho
Edição 2784

Múltis tratam SP como a casa-da-mãe-joana

Gato comeu 2 bi que AES e Duke estavam obrigadas a investir em energia até 2008

Contrato assinado há 10 anos para a geração de 722 MW foi descumprido

A Justiça determinou que a AES Tietê e a Duke Energy Paranapanema, pertencentes às multinacionais americanas AES Corporation e Duke Energy, apresentem planos para o investimento de R$ 2 bilhões, a que essas empresas estão obrigadas pelo edital de privatização. Decorridos 10 anos, as multinacionais não desembolsaram um centavo. O governo do Estado promete puni-las dando mais prazo para que elas façam o investimento, cujo objetivo é aumentar a capacidade de geração em 15% - uma meta modesta, para uma década, no Estado mais industrial do país.

22 de Julho
Edição 2783

GM quer dar outro tombo na praça

Montadora pré-falida arma com Yeda para tomar 1 bi do BNDES

Empresa põe na conta de “recursos próprios” o que pede a bancos estatais

 Os “recursos próprios” que a GM anunciou que pretende “investir” no Rio Grande do Sul são os do BNDES, Banrisul e BRDE (Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul), além de uma isenção fiscal estadual por 10 anos. O que a filial da GM investirá de seu é até agora nebuloso. Segundo o presidente da filial, a GM do Brasil é diferente da matriz nos EUA. Certamente. Lá a GM é um monopólio moribundo que só não fecha por conta do dinheiro dos contribuintes norte-americanos. Aqui, ela quer se sustentar com o dinheiro dos contribuintes brasileiros. Realmente, é muito diferente.

17 de Julho
Edição 2782

Herança do período FH em fase de remoção

Sarney anula os 663 atos secretos e exige devolução do que foi pago indevidamente

No uso de suas atribuições, presidente decide baseado no art. 37 da Constituição

 O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), determinou na segunda-feira que todos os atos secretos sejam cancelados a partir da publicação da medida, nesta terça-feira. A decisão anula todos os 663 atos administrativos não publicados durante os últimos 14 anos. A medida determina ainda que todos os recursos gastos indevidamente em decorrência dos atos secretos sejam integralmente devolvidos aos cofres do Senado. A nota divulgada pelo senador afirma que o ato anula “os atos administrativos cuja divulgação tenha desrespeitado o princípio constitucional da publicidade”.

15 de Julho
Edição 2781

Sem Telebrás, apagão na comunicação vem aí

“Privatização que deu certo” cria milhões de usuários desplugados

Telefónica, Net e Oi não têm a mínima condição de atender a demanda nacional por banda larga

 No sábado, o Velox, da Oi, entrou em pane em quatro Estados. Uma semana antes, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro condenou a NET pelas “péssimas condições do serviço” (sic) de banda larga. A Telefónica já está na sexta pane do “Speedy”. Somente 5,19% da população tem acesso à banda larga, sem universalização e sem “convergência digital” - e os monopólios privados já levaram o país à beira do colapso nas telecomunicações. 

 

10 de Julho
Edição 2780

Urge corrigir para salvar 2010

Tropelias do BC e BNDES arruinaram PIB de 2009

Juro alto e destinação de 77% do investimento para 26 grupos monopolistas estancaram crescimento

Em plena eclosão da crise norte-americana – outubro de 2008 a março de 2009 – o BNDES dirigiu a maior parte dos R$ 26,8 bilhões que liberou no período para apenas 19 monopólios externos, que ficaram com  30,48% dos recursos e 7 monopólios internos, que ficaram com 47,18% dos recursos. Enquanto isso, o investimento caía no conjunto das empresas nacionais, e, como aponta estudo do IPEA, a escalada de juros do BC, iniciada em abril, comprimia a produção.

 8 de Julho
Edição 2779

Pinochelettis se isolam e põem culpa no “negrinho”

OEA dá 72 horas a golpistas para que devolvam o poder a Zelaya

Presidente anuncia que volta ao país no sábado

A resolução dos 34 países da OEA exige o “imediato, seguro e incondicional retorno do presidente hondurenho, Miguel Zelaya, a suas funções”. Já Ortez Colindre, “chanceler” do golpista Micheletti, culpou “um negrinho chamado Obama que tomou o poder nos EUA” pelo isolamento em que caiu o golpe em Honduras.

 3 de Julho
Edição 2778

Resultado foi colhido entre 11 e 14 de junho

Dilma ultrapassa Serra no Nordeste, informam as pesquisas do Dem

Pesquisa realizada pelo Instituto GPP-Brasil, entre os dias 11 e 14 de junho, sobre as eleições presidenciais de 2010 mostra a ministra Dilma Rousseff já na frente de José Serra na região Nordeste. O levantamento, encomendado pelo Dem e divulgado pelo blog do ex-prefeito do Rio, César Maia, apontou Dilma com 41,4% de apoio no Nordeste contra 37,6% do pré-candidato tucano. Quando é acrescentado o nome do ex-ministro da Integração Regional de Lula e ex-governador do Ceará, Ciro Gomes, como candidato, o resultado revela que Serra cairia para 35%, Dilma ficaria com 19% e Ciro teria 23% das intenções de voto. Ou seja, um ano e quatro meses antes das eleições os candidatos mais próximos de Lula, juntos, obtêm mais de 40% de apoio entre os nordestinos, enquanto Serra cai de 37,6% para 35%. Segundo a pesquisa, no Nordeste, 58% do eleitorado apoiará o candidato que for indicado por Lula.

 1 de Julho
Edição 2777

Agora só falta mudar o nome para BNDEX

BNDES desvia grana do crescimento para monopólios na UTI

Dos 5.558.945.000 destinados para insumos básicos, múltis receberam 27,12%. Votorantim e Vale, 71,09%

 Diante da crise nos EUA e demais países centrais, o BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - era um instrumento chave para que as empresas nacionais mantivessem seu nível de investimento. No entanto, isso não aconteceu em área alguma. Na área de insumos básicos, de outubro de 2008 a março de 2009, a Vale, sozinha, ficou com 48% do dinheiro destinado pelo BNDES e o Votorantim com 23,09%, tomando 71,09% dos recursos. O grupo japonês Nippon Steel, beneficiário das privatizações da Usiminas e Cosipa, ficou com 12,45% - com a White Martins, Kimberly Clark e outras, os monopólios estrangeiros ficaram com 27,12%. Ao todo, monopólios estrangeiros e internos ficaram com 99,97% do dinheiro do BNDES.

26 de Junho
Edição 2776

Mídia golpista degola seus cupinchas para atear fogo no Senado

Não livraram a cara nem da mãe do senador Artur Virgílio e da patroa do companheiro Cristovam

Na sua campanha contra o Senado, a mídia saiu atirando até mesmo nos seus tradicionais apadrinhados. Entre eles, o senador tucano Arthur Virgílio, líder do PSDB, que teve de subir à tribuna da Casa para explicar por que contratou seu professor de jiu-jítsu, Oswaldo Alves, como funcionário de seu gabinete. Em um aparte, o senador Cristovam Buarque, outro alvejado, esclareceu que sua esposa foi contratada de forma irregular por um gabinete, “mas por poucos dias”.

24 de Junho
Edição 2775

Lei 9.478 está com os dias contados

320 parlamentares lançam a Frente em Defesa da Petrobrás

Frente vai atuar “até que o direito brasileiro ao petróleo prevaleça”

Para defender o controle brasileiro sobre as enormes riquezas do pré-sal, foi lançada em Brasília (foto ao lado) a Frente Parlamentar em defesa da Petrobrás, na quarta-feira, reunindo 320 deputados e senadores. Para um dos idealizadores do movimento, o deputado Luiz Alberto (PT-BA), a sociedade brasileira está percebendo que “há setores conservadores e antinacionais que não conseguiram o intento de privatizar a Petrobrás e agora, com a descoberta do pré-sal, atuam com nova ofensiva para defender que seus compromissos com multinacionais sejam garantidos”.

19 de Junho
Edição 2774

Defesa da Petrobrás ganha as ruas

“O pré-sal é nosso!”, entidades convocam ato dia 19 na Paulista

Pelo fim da lei 9.478 que criou regime dos leilões e concessões

O manifesto de convocação do ato defende que a riqueza do pré-sal “não vá encher o bolso das multinacionais” e pede a derrubada da Lei 9.478/97 que acabou com o monopólio estatal do petróleo durante o governo de FHC. Em 1997, o governo tucano “tirou da Petrobrás o papel de executora do monopólio da União e iniciou os leilões para a entrega das bacias de petróleo ao capital estrangeiro”, denunciam as entidades populares. O ato unitário acontecerá na sexta-feira, às 10 horas, em frente ao prédio da Petrobrás, na Avenida Paulista.     

17 de Junho
Edição 2773

Governo está perdendo precioso tempo

Sem priorizar mercado interno e as empresas nacionais não há meio de esconjurar a crise

E juro precisa cair muito mais para não roubar a capacidade do Estado de alavancar o crescimento

Os números sobre a economia brasileira divulgados na terça-feira, com retração do PIB de 0,8% no primeiro trimestre, mostram que, se continuarmos acoplados às economias externas em crise, financiando com crédito público e renúncias fiscais as filiais de empresas externas em crise e com a nossa própria economia voltada para o exterior em crise, não haverá como essa crise deixar de nos atingir.

12 de Junho
Edição 2772

Querem manter leilão e regime de concessão

Múltis intensificam lobby para assumir controle do pré-sal 

Queixas da Exxon, Shell e Repsol contra demora das regras indicam que não devemos ter pressa

 As multinacionais aumentaram a pressão para levar o petróleo do pré-sal, a enorme província petrolífera descoberta pela Petrobrás. A estratégia delas é manter os leilões e o regime de concessão, que dá o petróleo para a empresa concessionária. Marvin Odum, presidente da Shell, alegou que essas são “as regras que são competitivas”.  O ex-embaixador dos EUA Anthony Harrington, ligado à Exxon disse que “o pêndulo regulatório” não pode “pender mais para o lado do governo do que para o do setor privado”.

10 de Junho
Edição 2771

Taxa interna está 580% maior que a externa

BC pôs Brasil na rota do tsunami elevando o juro relativo para atrair capital externo

Vacilo do governo já comeu o crescimento do PIB no ano de 2009

 Nos últimos dias, empresários e economistas apontaram os efeitos deletérios da sobrevalorização do real devido a uma incursão especulativa de dinheiro externo. Meirelles negou que a elevação do real frente ao dólar seja devida aos juros porque “eles nunca foram tão baixos”. Além disso ser mentira, o problema é o estúpido diferencial entre os juros do BC e os juros básicos próximos de zero de outros países, sobretudo os EUA, Europa e Japão, atraindo especuladores para ganhar mais de 10% somente com a troca de dólares por reais e reais por dólares.

05 de Junho
Edição 2770

Megacorporação entra em concordata

GM já era

Governo norte-americano assume controle da matriz para amortecer efeito dominó sobre sua economia

O governo dos EUA assumiu 60% do controle da General Motors, ex-maior montadora de automóveis do mundo, que na segunda-feira dia 1º de junho entrou com pedido de concordata numa corte dos EUA, sob o capítulo 11 da lei falimentar. A GM, que já foi conhecida pelo lema “o que é bom para a GM é bom para os Estados Unidos”, após o pedido de bancarrota anunciou que vai fechar mais 12 fábricas e 2600 revendas, e demitir mais 21 mil trabalhadores. O governo dos EUA vai injetar mais US$ 30 bilhões para manter a GM à tona, e o governo do Canadá, para manter a empresa aberta lá, também assumiu o controle de 12,5% das ações, em troca de US$ 10 bilhões. A filial alemã, a Opel, foi vendida pela GM a um consórcio formado por um banco estatal russo e um fabricante de autopeças, Magna, canadense-austríaco. Estão na fila da desova a Saab, ex-sueca, e outras filiais européias. Para o presidente Obama, a falência da GM seria “desastrosa para os EUA”.

03 de Junho
Edição 2769

Manifestações reivindicam do Senado

CPI da Petrobrás deve deixar tucanos fora da presidência e relatoria

Até porque não daria bom resultado o réu comandar o processo de investigação

Segundo o líder do governo, senador Romero Jucá, “um partido da base aliada ficará com a presidência e o PMDB com a relatoria da CPI”. Impedidos de usarem a comissão para conspirar pela entrega do pré-sal aos cartéis estrangeiros - já que a base do governo ficou com 8 dos 11 membros da CPI -, tucanos e demos ameaçaram obstruir todas as votações no Senado se não ficassem com a presidência. Consumada a derrota da oposição, as votações da quarta-feira transcorreram normalmente e as Medidas Provisórias do aumento do salário mínimo e da ampliação das merendas escolares foram aprovadas.

29 de Maio
Edição 2768

Esquartejaram empresa para vendê-la a retalho

Tucanos prosseguem com CPI sabotagem do governo FH contra Petrobrás, diz Aepet

O número de acidentes graves cresceu 30 vezes nos anos de 2001 e 2002

A “gestão Reichstul levou a empresa a um nível de acidentes sem precedentes na sua história: 62 acidentes graves — em dois anos — contra a série histórica de 17 acidentes em 23 anos (1975 a 1998), segundo relatório publicado pelo Conselho Regional de Engenharia do Estado do Paraná Nós pedimos investigação de sabotagem aos vários órgãos de segurança: Polícia Federal, Marinha, Procuradoria Federal. Não investigaram, mas os acidentes cessaram”, denunciou a Associação dos Engenheiros da Petrobrás, no documento “Os Dez Estragos do governo FHC na Petrobrás”. 

27 de Maio
Edição 2767

Já que é para haver uma CPI da Petrobrás

O que o Brasil quer é saber como tucanos afundaram a maior plataforma do mundo

A P-36 jaz no fundo do oceano com os corpos de nove trabalhadores. Responsável: ninguém

 No dia 15 de março de 2001, a maior plataforma petrolífera do mundo, a P-36, explodiu e, cinco dias depois, afundou. Onze trabalhadores morreram – e somente os corpos de dois foram recuperados. A investigação, a cargo de David Zylbersztajn, então genro de Fernando Henrique e diretor-geral da ANP, “não pôde concluir se o afundamento da plataforma teria como ser evitado”. O presidente da Petrobrás, Henri Philippe Reichstul, era aquele que queria mudar o nome da empresa para Petrobrax. Isso é só para começar a animar a CPI. Tem mais.

 

22 de Maio
Edição 2766

Meta é travar mudança da Lei do Petróleo

Múltis adquirem 30 calabares no Senado para zoar Petrobrás

Não engolem o fato de nossa empresa ter mais técnica e credibilidade para explorar o pré-sal

A quem interessa atacar a nossa maior e mais destacada empresa, no momento em que se define como e quem vai operar o pré-sal? A Exxon, Shell, Chevron, British Petroleum, ConocoPhilips e congêneres agradecem. Os senadores tucanos Artur Virgílio, Tasso Jereissati e Álvaro Dias, afoitos em prestar serviço ao cartel petrolífero, apoderaram-se da mesa, quinta-feira, atropelaram o Senado, desrespeitaram o colégio de líderes - que, unânime, havia decidido ouvir Gabrielli - para instalar a CPI baseada em mentiras contra a Petrobrás.

20 de Maio
Edição 2765

Quem não investiu não tem o que reclamar

União jogaria dinheiro fora se deixasse múlti faturar com o pré-sal

Petrobrás descobriu, tem maior capacidade técnica e é da União

Até agora o governo não conseguiu apresentar o projeto da nova Lei do Petróleo, prometida para meados de 2008. As pressões das multinacionais para controlarem uma parte da exploração do pré-sal - apesar de não terem contribuído em nada para a sua descoberta - têm sido imensas. É natural que seja. Nenhuma decisão de caráter estratégico para a independência do país foi ou será tomada sem arrostar as mais atrevidas e descabidas pressões. O governo, como sempre, tem dois caminhos: ceder ou cumprir o seu dever com a Nação e as futuras gerações. O fato é que como a Petrobrás pertence à União é mais vantajoso para o Brasil que ela seja a operadora exclusiva no pré-sal. Além disso, quem investiu, correu todos os riscos para a descoberta e tem a tecnologia mais avançada do mundo para explorar em águas profundas é a Petrobrás. Portanto, a discussão que interessa não é se vai ou não ser criada uma nova estatal. O que interessa é quem vai ganhar com o petróleo do pré-sal: se a União e a Petrobrás ou se as multinacionais e seus lobistas na ANP.

15 de Maio
Edição 2764

 

Argumentou que Justiça é “contramajoritária”

Para Gilmar Mendes, STF tem que se lixar para a voz do povo

Bundão quer erigir em doutrina jurídica seu medo de sair às ruas

O presidente do STF, Gilmar Mendes, disse que “não se dá independência ao juiz para ele ficar consultando o sujeito da esquina. Vamos ouvir as ruas para saber o que o povo pensa sobre o STF conceder ou não habeas corpus?”. O povo não merece ser considerado porque “a jurisdição constitucional, por definição, é contramajoritária. Ela só funciona por ser contra-majoritária”, ou seja, segundo Mendes, o STF deve funcionar contra a maioria - portanto, deve funcionar apenas para Daniel Dantas e outros ladrões, a quem Mendes concede seus habeas corpus.

13 de Maio
Edição 2763

Quando havia risco, não investiram nada

Múltis querem mamar petróleo que Petrobrás descobriu no "pré-sal"

Siqueira revela o que ouviu e o que disse a lobistas da Repsol e British no ato que festejou 1º óleo de Tupi

Durante a cerimônia do início da produção de petróleo no pré-sal, no Rio de Janeiro, o presidente da Associação dos Engenheiros da Petrobrás (Aepet), Fernando Siqueira, foi abordado por dois lobistas das multinacionais petroleiras. O primeiro, João Carlos De Luca, ex-presidente da Repsol-YPF, disse que a lei do petróleo de Fernando Henrique era “melhor para o país”. Siqueira replicou: “A que país você refere?”. O papo não prosperou. O segundo, Luiz Carlos Costamilan, da British Gas, disse que Siqueira, por ter posição de que o Brasil deve explorar o petróleo que a Petrobrás descobriu, “espanta os investidores estrangeiros”, chamando-o de “radical”. Ao que o presidente da Aepet respondeu: “Não é radicalismo, é só o fato de eu não ter esquecido que sou brasileiro. Espero que você se lembre disto de vez em quando”.

08 de Maio
Edição 2762

1º óleo de Tupi

Lula, no 1º de Maio:

“Para quem no começo falava menas laranja é chique demais”

Para presidente, façanha da Petrobrás promove país a grande produtor e cobra a mudança imediata da Lei do Petróleo

Durante o ato de extração do primeiro óleo do pré-sal, o presidente Lula afirmou que “a Petrobrás é aquela musa que a gente carrega para mostrar o sucesso do Brasil. E se vocês não tivessem brigado tinha gente que queria privatizá-la. Aliás, tinha gente que queria mudar o nome dela”. “Então, quando a Petrobrás, no dia 1º de maio de 2009, apresenta ao mundo a prospecção e a retirada do primeiro barril de petróleo do pré-sal, isso tem um significado de uma transcendência incomensurável”, declarou. “Vocês gostaram? Transcendência e incomensurável juntos? Ô gente, nem estou acreditando que sou eu aqui falando... Eu já falei concomitantemente, daqui a pouco eu vou falar en passant, vou falar condição sine qua non, e vai por aí afora. Para quem tomou posse falando menas laranja, está chique demais”, brincou Lula. Para o presidente, a extração do óleo do pré-sal “é a segunda independência do Brasil”.

 

06 de Maio

Edição 2761

E a crise ainda não chegou no fundo do poço

Bank of America e Citibank

estão de pires na mão

Para o FED, o 2º e o 3º maiores bancos dos EUA estão descapitalizados

De acordo com o “Wall Street Journal”, o Bank of America e o Citibank precisam levantar mais capital, conforme resultados do “teste de estresse” a que foram submetidos os 19 maiores bancos do país pelo Federal Reserve (o BC norte-americano). Os bancos “testados” já receberam o Fed resultado preliminar, sendo que os números finais virão a público no dia 4 de maio. Esclareceu ainda o WSJ, que é possível que o Citibank e o BofA “não sejam os únicos bancos” que precisam de mais capital, dando como exemplo o Morgan Stanley, primo do JP Morgan Chase.

01 de Maio
Edição 2760

Queridinho de Gilmar vai mofar no xilindró

PF indicia Dantas em cinco artigos do Código Penal

1-  Formação de quadrilha

2-  Evasão de divisas

3-  Lavagem de dinheiro

4-  Gestão fraudulenta

5-  Empréstimo vedado

A Polícia Federal indiciou Daniel Dantas, na segunda-feira, pelos crimes de gestão fraudulenta, formação de quadrilha, evasão de divisas, lavagem de dinheiro e empréstimo vedado. O delegado Ricardo Saadi, que comanda o inquérito da Operação Satiagraha, também indiciou sua irmã, Verônica Dantas, além de quatro funcionários do Opportunity. O inquérito deve ser enviado ao procurador da República Rodrigo De Grandis na próxima semana. Ele declarou já possuir elementos suficientes para apresentar denúncia. “Tenho acompanhado as investigações desde o início. Sempre existiram elementos que configuram crimes financeiros. A investigação não foi trancada, pelo contrário, o TRF da 3ª Região manteve, inclusive, o entendimento de que é permitida a participação de agentes da Abin”, disse o procurador.

 

29 de Abril

Edição 2759

Desmandos de Mendes geram crise no Supremo

‘V. Exa. não está falando com os seus capangas do Mato Grosso’

Para o ministro Barbosa, credibilidade da Justiça está sendo vilipendiada pelo presidente do STF

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, acusou nesta quarta-feira, o presidente do órgão, ministro Gilmar Mendes, de destruir a imagem da justiça brasileira. “Vossa Excelência está destruindo a Justiça desse país”, afirmou Barbosa, durante ríspido enfrentamento ocorrido entre os dois na sessão ordinária do STF. “Vossa Excelência quando se dirige a mim não está falando com os seus capangas do Mato Grosso, ministro Gilmar”, advertiu em seguida Barbosa.

24 de Abril
Edição 2758

Petrobrás reforça caixa com R$ 14 bi

Lula reduz o superávit primário e libera mais R$ 38 bi para investir

Dinheiro antes destinado para pagar juros servirá ao crescimento do país

 O governo decidiu enviar ao Congresso um projeto alterando a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) deste ano, para diminuir o chamado “superávit primário” de 3,8% para 2,5% do PIB. O “superávit primário” é a reserva para pagar juros, instituída em 1999 pelo governo Fernando Henrique, sob a égide do FMI. A medida do atual governo livra a Petrobrás de um confisco de R$ 15 bilhões e reduz a carga sobre o governo central, Estados e municípios em cerca de R$ 23 bilhões.

 

17 de Abril

Edição 2757

Crise dos ricos apenas “resvalou” aqui

“País deve se basear na força do mercado interno”, afirma Lula

Para presidente, esse é o caminho para o Brasil crescer e gerar emprego

Nós “estamos atuando para que a força do nosso mercado interno possa suprir as deficiências do mercado externo. O que nós queremos é fortalecer o nosso mercado interno”, afirmou o presidente Lula, na última segunda-feira, no programa semanal de rádio “Café com o Presidente”. Lula apontou que o país tem muito para crescer. “Precisamos de muito investimento em infraestrutura porque ainda não temos as ferrovias que precisamos, os portos, os aeroportos e as estradas”, disse, ressaltando ainda a importância do programa habitacional lançado pelo governo.

15 de Abril
Edição 2756

Abimaq denuncia ameaça à indústria

Empresas nacionais repelem portaria que estimula importação de máquinas usadas

Ministro Miguel Jorge não atentou que a sua pasta é a do Desenvolvimento

A Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) considerou uma ameaça à indústria do país a portaria, anunciada pelo Ministério do Desenvolvimento, permitindo a importação de máquinas usadas sem análise prévia. “Isso não é de interesse do Brasil. Se os outros países estão se desfazendo dessas máquinas é porque é uma tecnologia ultrapassada. Não vemos vantagem em desestimular o mercado nacional em troca de velharias”, afirmou Mário Bernardini, da Abimaq.

 

10 de Abril

Edição 2755

Protelação custa bilhões ao Tesouro

BC usa “previsões” para frear queda da taxa básica de juros

Projetar Selic em 9,25% no final do ano é sabotagem à ação anti-crise de Lula

Há semanas que o “Boletim Focus”, publicado pelo BC, rebaixa seguidamente suas “previsões” de crescimento e mantém “projeções” para os juros em dezembro de no mínimo 9,25%. A única razão para que a taxa básica de juros esteja aí em dezembro - e não em, por exemplo, 7%, como o IPEA calculou que era necessário para garantir o crescimento e o emprego – consiste em que a diretoria do BC não quer que seja menor, nem que o país cresça. Até porque seu candidato em 2010 não é o mesmo do presidente Lula.

08 de Abril
Edição 2754

Manifestantes cercam bancos durante G-20

Revolta contra os cupins financeiros conflagra Londres

Truculência da polícia deixa saldo de 1 morto, 63 presos e dezenas de feridos

O centro de Londres ficou conflagrado no 1º de abril, quando milhares de pessoas cercaram o BC inglês, o Banco da Inglaterra, em repúdio ao bail out bilionário dado aos bancos, o desemprego galopante, recessão e despejos em massa, e para exigir da cúpula do G-20, que se reúne na capital inglesa, medidas efetivas em prol do povo. A truculência da polícia inglesa deixou pelo menos um morto, muitos feridos e 63 presos. As manifestações irão continuar durante toda a realização do G-20.

 

03 de Abril

Edição 2753

Manifestação reuniu 30 mil em São Paulo

Centrais querem mais emprego e menos juro para impedir tsunami de invadir nossa praia

Mercado interno forte é barreira contra a crise, defendem trabalhadores

O ato unificado convocado pelas Centrais Sindicais em defesa do emprego e dos salários, que contou com o apoio de entidades sociais e estudantis, reuniu 30 mil manifestantes em passeata na Avenida Paulista, segunda-feira, em São Paulo. “É preciso cortar drasticamente os juros, reduzir a jornada sem reduzir os salários, acelerar a reforma agrária, ampliar as políticas públicas em habitação, saneamento, educação e saúde”, afirmou o manifesto das entidades. Para os trabalhadores, reduzir salário e cortar direitos “enfraquecem o mercado interno e deixam o país vulnerável à crise”.

01 de Abril
Edição 2752

Multinacionais parasitam a economia

Remessas ao exterior mantêm a escalada e vão a US$ 2,6 bilhões

Desnacionalização da economia promovida por FH sai cara ao país

Em fevereiro, segundo divulgou o Banco Central na terça-feira, o saldo do que entrou no país de capital estrangeiro foi US$ 1,563 bilhão, enquanto foram remetidos para fora US$ 2,629 bilhões em lucros declarados ou ocultos sob outro nome. As reservas monetárias diminuíram em US$ 1,4 bilhão. É cada vez mais claro que a principal forma de espoliação externa do país consiste no domínio de uma parte excessiva da economia por companhias estrangeiras, devido à compra em massa de empresas brasileiras a partir de 1995.      

 

27 de Março

Edição 2751

BC apoia redução do rendimento dos pobres

Bancos propõem corte na renda da caderneta de poupança em prol do achaque ao Erário

Objetivo é que prossiga a especulação com os juros dos papéis públicos

Os bancos e o BC querem reduzir os rendimentos das cadernetas de poupança porque, segundo eles, senão os especuladores tirarão o dinheiro dos títulos públicos para se juntar aos pobres - recebendo na poupança metade do que recebem na especulação com os títulos... A ideia é se apropriar dos recursos dos mais pobres, pagando menos a eles e acabando com a destinação social das cadernetas, que hoje financiam habitação, saneamento e infra-estrutura, para continuar a especular com os papéis da dívida pública. 

25 de Março
Edição 2750

Volume é maior que todo o mês de janeiro

Múltis drenam do país US$ 3,266 bilhões só em dez dias de março

Filiais de monopólios aceleram as remessas em função da sua crise

O Banco Central divulgou na quarta-feira que nos dez primeiros dias de março, ao todo entraram no país, em dinheiro especulativo externo, dinheiro estrangeiro para comprar empresas e empréstimos, US$ 7 bilhões e 169 milhões e saíram, em remessas de lucros, dividendos e pagamentos de juros, US$ 10 bilhões e 435 milhões. As empresas estrangeiras transferiram para suas matrizes e locais de origem US$ 3 bilhões e 266 milhões de recursos do país - em apenas 10 dias.

 

20 de Março

Edição 2749

Maria Antonieta não teria feito pior

Vale demite, reduz salários e distribui R$ 5 bi a acionistas

Conselho ratificou a indecorosa proposta da diretoria da empresa

 Nos últimos meses, a Vale tem demitido e imposto reduções de salário, usando a crise como pretexto. Na segunda-feira, o Conselho de Administração da empresa anunciou que distribuirá entre os acionistas R$ 5,059 bilhões e que, depois de pagar esses dividendos, a empresa ainda terá, em lucros acumulados, R$ 15,178 bilhões, que serão mantidos como “reserva” - ou seja, irão para a especulação financeira. A Vale, roubada do Estado – isto é, do povo – e sorvendo bilhões do BNDES tem uma folha de pagamento mundial que é metade do que ela distribuiu em dividendos.

18 de Março
Edição 2748

Remédio é seguir baixando o sarrafo

Sob pressão, BC recua juro outro pontinho e meio

Falta Selic cair mais 4,25 para que governo tire o país da rota da recessão

 A taxa de juros do BC, a Selic, estava tão alucinadamente alta que uma redução de 1,5 ponto ainda deixa os juros básicos com uma taxa extorsiva – e ainda na posição de maior do mundo. Sobretudo quando a crise dos EUA e demais países centrais ameaça ser exportada para o mundo. As consequências dessa política ficaram claras nos resultados do último trimestre de 2008. Mas, para que o BC tomasse a decisão de reduzir os juros foi necessária a pressão dos trabalhadores, empresários e até dos banqueiros. Além disso, em meio à reunião do Copom, Meirelles foi convocado ao Planalto pelo presidente Lula. 

 

13 de Março

 

Edição 2747

Perda de 1999 a 2006 foi de US$ 100 bilhões

Aumento do IDE agrava sangria de recursos do Brasil para fora

Para cada US$ 1,00 de capital externo que entrou no país de 2000 até 2008, saiu US$ 1,19

O “investimento direto estrangeiro” (IDE), dinheiro externo que vem comprar empresas nacionais, tornou-se a principal forma de espoliação do país, ocupando o papel que no passado era da dívida externa. Ao contrário da época de Juscelino, o IDE que começou a entrar aos borbotões a partir do governo Fernando Henrique não vem instalar empresas, mas apropriar-se daquelas já construídas por brasileiros – em suma, empresas que até então investiam seus lucros no país passam a remetê-los, de forma declarada ou disfarçada, para as matrizes no exterior. De 1995 a 2008, foram remetidos US$ 416 bilhões e 436 milhões. Se tomarmos o período que vai de 1999 a 2006, foram remetidos US$ 223 bilhões e 893 milhões, para uma entrada total de US$ 124 bilhões e 893 milhões. Uma perda, em sete anos, de US$ 99 bilhões e 355 milhões.

11 de Março
 

Edição 2746

 

Produção de aviões é estratégica para o país

Desnacionalização e gestão temerária sufocam a Embraer

Nenhuma empresa pode sobreviver dependendo do mercado externo para realizar 90% de suas vendas

A Embraer, criada para desenvolver nossa capacidade tecnológica e suprir a carência de aeronaves em um país continental, depois de privatizada – com 50,9% de suas ações nos EUA - foi transformada em uma montadora de aviões com 95% de componentes importados e vendas no exterior bancadas pelo BNDES. Em 1990, a Embraer efetivou 63% do valor de suas vendas no mercado interno; em 1991 e 1992, 68%; em 1993, 62%; em 1994, 60%. A partir de 1997, a situação se inverteu, com 84% das vendas no mercado externo e hoje essa parcela é de 90%. A Boeing, por exemplo, no máximo atingiu, até hoje, 50% de vendas externas. Nenhuma companhia, muito menos de fabricação de aviões, pode se sustentar sem uma forte base no mercado interno, sob pena de viver ameaçada pelo naufrágio a cada tempestade externa.

 

06 de Março

 

Edição 2745

Empresa quer passar o facão em 4 mil

Solução para a Embraer é voltar a ser do Estado

Quem dependurou 90% da receita da companhia nesse mercado externo não pode gerir mais nada

A afirmação da diretoria da Embraer de que mais de 90% de suas receitas são provenientes do mercado externo, que vive “crise sem precedentes”, revela o céu tempestuoso em que a empresa foi enfiada, por uma gestão pós privatização que virou as costas ao mercado interno. A demissão de mais de 4 mil trabalhadores sob alegação de que os pedidos caíram 30% mostra até onde foi a irresponsabilidade. Nos cinco anos antes da privatização, mais de 60% das vendas eram para o mercado brasileiro, civil e militar.

 

04 de Março
Edição 2744

O lucro é deles, o prejuízo é nosso

Febraban diz que reduz spread se a União pagar conta de inadimplentes

Monopólios usam ‘crise’ para assaltar o Estado e esfolar trabalhadores

A Febraban propôs que o governo forme um fundo, através do BNDES, com 100% de recursos públicos, para cobrir a inadimplência nos empréstimos concedidos pelos bancos privados. Na divisão dos riscos, o governo ficaria com o risco do prejuízo e os bancos com o terrível risco de lucrar. Sem risco de prejuízo, os bancos diminuiriam o spread. Porém, o colossal “spread” atual é uma medida não do excesso, mas da falta de riscos dos banqueiros, que lucram com os altos juros do BC sobre os títulos públicos.

20 de Fevereiro
Edição 2743

Mas BNDES continua a fazer ouvidos de mercador

“Decisão do governo é não emprestar a quem desemprega”, diz Lula

“Empréstimo público tem que estar vinculado à garantia dos postos de trabalho”, esclareceu o presidente

“Nós tomamos uma decisão: cada empréstimo que a gente fizer, em dinheiro público, vamos ter que vincular à manutenção dos postos de trabalho”, afirmou o presidente Lula, em entrevista para a Associação dos Diários do Interior do Brasil. Lula condenou as empresas que “na primeira refrega pegam o dinheiro daqui para salvar as suas matrizes que quebraram na Europa” e “depois mandam trabalhadores embora”. O presidente afirmou que os empresários nunca foram tão capitalizados como foram em 2007 e em 2008. “Ganharam dinheiro como nunca. Eu conheço empresa que tem 15 bilhões em caixa e mandou gente embora”, questionou. Para Lula, não tem sentido o governo dar dinheiro para capital de giro, a empresa pegar, demitir e ainda usar o dinheiro para pagar a indenização. Na opinião do presidente, o compromisso de manter o nível de emprego deve estar no contrato: “na hora em que você for emprestar, você condiciona para colocar no contrato”.

 

18 de Fevereiro
Edição 2742

Mídia golpista ganha puxãozinho de orelha

 Lula: “Eles cultivam o ódio dos de cima contra os de baixo” 

Diante de 4 mil prefeitos, o presidente refuta insulto ao “PAC dos Municípios” 

Em discurso para cerca de 4.000 prefeitos de todo o Brasil no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília, na terça-feira, o presidente Lula criticou “alguns jornais” que insultaram os prefeitos e as medidas do PAC dos municípios. “Graças a Deus na minha vida nunca tive bondade, nunca fui eleito porque a imprensa brasileira me ajudou. Fui eleito porque suei cada gota de suor para enfrentar o preconceito, para enfrentar o ódio dos de cima contra os de baixo”, afirmou o presidente. O governo decidiu ampliar o prazo de financiamento das dívidas das prefeituras com o INSS.
 

13 de Fevereiro
Edição 2741

Já que o dinheiro está mesmo sobrando:

BC assalta 80 bi das reservas para ajudar bancos em Wall Street

Mamata vai favorecer também 16 bancos com sede ou filiais no Brasil e convivas do “clubinho”

No último dia 4, o presidente do BC, Henrique Meirelles, anunciou que estava colocando US$ 36 bilhões (R$ 80 bilhões) de nossas reservas monetárias à disposição de empresas com dívida no exterior. O dinheiro – quase um quinto das reservas e mais de seis vezes o que o governo gasta com o Bolsa-família – será passado a um pool de bancos brasileiros e filiais de bancos externos, que emprestarão às empresas aos juros que quiserem, para que essas empresas paguem aos bancos dos EUA e outros países.

11 de Fevereiro
Edição 2740

 

Queda de dezembro foi recorde: 12,4%

Juros e pilantragem de múltis fazem produção industrial encolher 19%

Sem tampar esses ralos, não há PAC que consiga garantir o crescimento

Até setembro de 2008, a produção industrial crescia a 6,4% ao ano. Depois de quatro aumentos consecutivos de juros e mais de um ano sem qualquer queda na taxa básica do BC, a indústria fechou o ano com crescimento de 3,1% - a metade do que vinha crescendo até o último trimestre, no qual os resultados negativos acumulados fizeram a produção cair 19,8%. A crise americana estourou no dia 15 de setembro. Não houve propagação instantânea para o Brasil. Mas o BC, ao não baixar os juros, abateu a produção da indústria.

06 de Fevereiro

 

Edição 2739

Ordem é sugar tudo para suprir a matriz

Repatriamento de capital por múltis ameaça as contas externas do Brasil

 Em dezembro, saiu 7 bi de Investimento Direto, 5 bi em Carteira e mais 4 bi em rendas e lucros

Os resultados do balanço de pagamentos de dezembro demonstram que os monopólios externos estão drenando recursos de forma cada vez mais sôfrega para os países de origem, onde suas matrizes tiveram prejuízos monumentais. Certamente, não será com base nas multinacionais que faremos o Brasil crescer. O compromisso dessas empresas é com suas matrizes, não com o nosso país, ou com o emprego dos nossos trabalhadores, ou com a distribuição de renda dos brasileiros.

 

04 de Fevereiro
Edição 2738

Não adianta tapar o sol com a peneira

Juro alto do BC é o fundamento do spread aloprado

Ganhando bilhões com títulos públicos, bancos não se interessam em emprestar a terceiros

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, afirmou que o problema do crédito no Brasil não é a alta taxa de juros básica (Selic), mas o “spread” bancário. “O spread se descolou da Selic”, disse ele. O “spread” (diferença entre a taxa que os bancos pagam pelo dinheiro que captam e a taxa pela qual emprestam esse dinheiro) é alto no Brasil exatamente porque a Selic é alta. Os bancos não precisam emprestar a pessoas e empresas para lucrar. Basta que comprem títulos públicos indexados pelos juros estabelecidos pelo BC.

30 de Janeiro
Edição 2737

Queda da Selic precisa ser acelerada

Conselheiros do CDES pedem a antecipação da reunião do Copom

Atraso do Banco Central em baixar juro já custou o desemprego de 600 mil

O Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), reunido em Brasília na última quinta-feira, decidiu por unanimidade propor a antecipação da reunião do Copom. Com o objetivo de acelerar a queda da Selic, os membros do CDES concluíram que as reuniões do Copom têm que passar a ser mensais e não mais a cada 45 dias como é atualmente. “O importante é não esperar 45 dias. Esta redução significa menos custo para o governo no pagamento de dívidas”, salientou o presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), Paulo Safady.

28 de Janeiro
Edição 2736

Está pedindo para apanhar mais

Meirelles recua debaixo de vara e reduz os juros em um pontinho

Só falta cair cinco pontos para que ingressemos no patamar da razoabilidade

Após manifestações generalizadas de trabalhadores, empresários e políticos pela queda dos juros, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central reduziu a taxa Selic de 13,75% para 12,75% ao ano. O corte de apenas 1 ponto percentual mantém o país com a maior taxa de juros reais do mundo e ainda é insuficiente para a expansão do crédito, fundamental para a retomada da expansão industrial e para a geração de empregos. O presidente do Ipea, Marcio Pochmann, defendeu um corte de 4 a 5 pontos percentuais dos juros básicos.

23 de Janeiro
Edição 2735

Às vésperas da reunião do Copom

Centrais fecham com Lula ofensiva contra os juros, demissões e redução dos salários

 Mobilização geral inicia na terça e quarta-feira

Em reunião com dirigentes das seis centrais sindicais do país – CUT, Força Sindical, CGTB, Nova Central, UGT e CTB - nesta segunda-feira, o presidente Lula afirmou que apesar das medidas tomadas pelo governo no final do ano passado, o problema principal que está afetando o setor industrial ainda é a escassez do crédito, provocada, sobretudo, pelo juro alto praticado no país. “Não há, a não ser o problema do crédito, nada que justifique uma redução de empregos”, disse Lula. Os sindicalistas entregaram ao presidente pauta cujo principal item é a redução em pelos menos dois pontos percentuais da taxa básica de juros.

21 de Janeiro
Edição 2734

Ou cai o juro ou vai virar zona

Fiesp abre guerra contra os salários dos trabalhadores

Nababos manobram com a ameaça de crise para meter a mão no bolso do governo e assalariados

A Federação das Indústrias de São Paulo resolveu investir contra os salários dos trabalhadores ao propor, na quarta-feira, a redução da jornada e dos salários, e a suspensão temporária dos contratos de trabalho. Após acenar com a possibilidade de demissões, o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, apresentou o arrocho salarial como a alternativa preferida dos 30 empresários das maiores empresas do país - incluindo a Vale, Votorantim, Embraer e Gol -, reunidos no “conselho estratégico” da entidade.

16 de Janeiro
Edição 2733

Monopólios usam “crise” para assaltar Estado

BB paga R$ 4 bilhões para Votorantim ficar com o controle do BV

Governo pisa na bola e cobre o rombo do Grupo Votorantim criado com a farra dos derivativos

O Banco do Brasil anunciou a compra de 49,99% do capital votante e de 50% do capital social total do Banco Votorantim por R$ 4,2 bilhões. Por 0,01% do capital votante, o BB, apesar do dispêndio que fez, não terá o controle do banco, que continuará sob a direção da família Ermírio de Moraes. Além do setor financeiro, o Grupo Votorantim atua em setores como cimento, mineração, papel e celulose. Em outubro, declarou perdas de R$ 2,2 bilhões decorrentes de especulações com o câmbio. 

14 de Janeiro
Edição 2732

Índice de novembro teve queda de 5,2%

Juros e alarmismo midiático freiam a produção industrial

Para Alencar, o governo deve ordenar ao BC que a Selic baixe ao nível do mercado internacional

A queda de 5,2% na produção industrial de novembro em relação a outubro, comemorada pelos corifeus da crise na mídia, é o resultado da ação do BC, sobretudo nos últimos meses, onde após aumentar os juros alguns dias antes da implosão de Wall Street, manteve a taxa mais alta do mundo até o fim do ano, enquanto praticamente todos os outros BCs reduziam as suas. Diante da escassez de crédito, o BC liberou dinheiro do depósito compulsório para os bancos. Quando estes usaram esse dinheiro para especular com títulos públicos, o BC autorizou-os a continuar especulando e sonegando crédito.

09 de Janeiro
Edição 2731

Crias de Herodes revivem matança dos inocentes

 Israel testa Obama com chacina contra palestinos em Gaza

Milhares de mortos e feridos, entre homens, mulheres e crianças

 Em dez dias de assalto do exército de Israel a Gaza, iniciado na semana de Natal e prosseguido em pleno Ano Novo, oficialmente, 555 palestinos foram mortos e mais de 2.700 feridos; dos mortos, pelo menos 107 são crianças – inclusive bebês. Mas o número real de palestinos assassinados é ainda maior, já que há cadáveres sob os escombros, e a aviação israelense tem impedido o socorro às vítimas. Até ambulâncias são alvejadas, e só no domingo, dia 4, foram mortos cinco paramédicos. Os mísseis e bombas israelenses destruíram casas, prédios, escolas e a universidade, mesquitas e estações de TV.

07 de Janeiro