Ano 2012
Edição 3119
21 de Dezembro

“O que dói nos adversários é meu sucesso”

Lula rebate casuísmo golpista: ‘Vagabundo nenhum me derrotará’

Presidente anuncia que no início do ano volta a conversar com o povo em cada praça do país

O ex-presidente Lula afirmou, em discurso na posse da nova diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo, na quarta-feira, que os trabalhadores sempre foram o “esteio da democracia neste país” e que os ataques que ele vem recebendo são fruto exatamente dos acertos que ele obteve nos oito anos de seu governo. “O que mais machuca os meus adversários é o meu sucesso”, declarou. Ele anunciou que voltará às praças do país “para alegria de muitos e para tristeza de poucos”.

Edição 3118
19 de dezembro

Para Maia, decisão dos 5 não se sustenta

Latido de golpista do STF não impressiona presidente da Câmara

Não há o que interpretar. Constituição é clara: Perda do mandato só com “decisão da Câmara por voto secreto e maioria absoluta, assegurada a ampla defesa”

O presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-RS), classificou a decisão tomada pelo STF de determinar a cassação dos mandatos dos parlamentares julgados na AP 470 de “usurpação das funções do Poder Legislativo”. “Quando uma matéria julgada pelo STF não condiz com o que prevê a Constituição, é sinal de que houve uma ingerência de um poder em outro, que tem garantido seu direito de tratar sobre a cassação de mandato de parlamentares”, afirmou. Celso Mello – o último que faltava dos 5 ministros que votaram nessa aberração - contrariou sua própria jurisprudência e votou pela cassação dos parlamentares. Em 1995, ele defendeu a prerrogativa do legislativo para cassar mandatos parlamentares.

Edição 3117
14 de Dezembro

É um caso típico de crime de responsabilidade

Barbosa utiliza o STF para atiçar a cachorrada contra o presidente Lula

Para este e outros males, como usurpar poderes do Congresso, o artigo 52 da Carta é um santo remédio

Nunca houve um presidente do STF – nem o recém aposentado Ayres Britto - que, diante das declarações de um elemento que, depois de sete anos, no desespero, acusa, sem nenhuma prova, um homem sabidamente honrado, com serviços prestados aos país, e ex-presidente da República, se rebaixasse a essa atitude de chicaneiro, remexendo desabridamente no lixo moral. Joaquim Barbosa declarou que as calúnias de Valério contra Lula devem ser investigadas, o que rendeu manchetes garrafais da mídia golpista.

Edição 3116
12 de dezembro

Investimento público caiu e o PIB sumiu

Mantega esbanjou em amortizações bilhões poupados com queda do juro

E o Orçamento da União foi assaltado para o mesmo fim

O Relatório Resumido da Execução Orçamentária (RREO) de outubro, publicado pelo Tesouro, registrou que as transferências aos bancos sob a forma de amortizações em dinheiro, aumentaram +231,60% neste ano em relação a 2011, quando foram de R$ 83.533.170.000 de janeiro a outubro. Este ano, elas montaram a R$ 276.996.182.000. Todo o dinheiro economizado com juros mais baixos, mais a espremeção extra dos gastos e investimentos orçamentários, foram desviados, outra vez, para os bancos, enquanto a economia está seca de investimentos públicos.

Edição 3115
07 de Dezembro

Quando falta vergonha, não há nada que dê jeito

Mantega lança o 171º pacote para recuperar o PIB que ele derrubou

Plano propõe paliativos e as privatizações para continuar sonegando os investimentos públicos

Os recursos destinados ao BNDES em 2013 para financiar investimentos das empresas, anunciados por Mantega na terça-feira, são bem inferiores aos de 2010. Em 2011, Mantega aumentou os juros e diminuiu os recursos, causando a queda no crescimento. Agora, nem mesmo repõe o que tirou. A política econômica, portanto, continua, essencialmente, a de travar investimentos, gastos e financiamentos públicos para deixar as empresas nacionais à mercê de bancos, fundos estrangeiros e multinacionais.

Edição 3114
05 de dezembro

Dilma já perdeu dois anos; restam dois

Política de achatar o investimento público arruína PIB outra vez

Segundo o aloprado Mantega, cortar o investimento público faria crescer o privado. A realidade não confirmou

O crescimento do PIB no terceiro trimestre do ano, de minúsculos 0,6% em relação ao trimestre anterior, e 0,7% no período que vai de janeiro a setembro, foi a sétima redução trimestral do crescimento. O investimento das empresas, pela quinta vez, foi negativo - ou seja, houve desinvestimento. O bloqueio dos investimentos públicos - até o dia 1º de dezembro, somente 18,29% dos investimentos orçamentários, apenas 21,31% das verbas do PAC, e 68,11% das dotações de estatais, fora liberado - provocou a retração também dos investimentos privados, com as empresas nacionais à mercê da invasão de dólares. Trata-se, desde janeiro de 2011, de uma política econômica de restrição dos investimentos e gastos públicos, desnacionalização acelerada da economia e anti-industrialismo - que está se tornando quase histérico.

Edição 3113
30 de novembro

Corte que não se respeita não merece respeito

STF atende pleito da mídia de exibir 13 prisioneiros na campanha anti-PT

Embalados pelo furor golpista, meretíssimos não preservaram nem as mínimas aparências

O processo foi um atropelo geral à justiça. Teve de tudo no julgamento da AP 470. Desde o desenterro da tese nazista do domínio do fato - que pro-pugna a condenação sem provas - até à definição de que seriam 13 os condenados à prisão. Esse número foi sacado do bolso para servir de marketing anti-PT. Um dos juízes, Marco Aurélio, chegou a cantar a bola ainda durante o início do julgamento, no primeiro turno das eleições: "Prestem bem a atenção neste número. Serão 13 os condenados".

Edição 3112
28 de novembro

Relator diz que seu papel não é omitir fatos

Bancada do Cachoeira quer tirar Veja e Gurgel do texto final da CPMI

“Todos que contribuíram com a quadrilha foram indiciados”, disse Odair

Apesar dos esforços da revista Veja contra o relatório da CPMI do Cachoeira, o relator Odair Cunha afirmou que os indícios contra o diretor da revista, sucursal Brasília, Policarpo Júnior, são fortes. O mesmo acontece com o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, que encobriu por quase dois anos as denúncias da participação do ex-senador Demóstenes Torres na quadrilha de Cachoeira. “Todas as pessoas que, de alguma forma, contribuíram em favor dos interesses da quadrilha tiveram o pedido de indiciamento”, disse.

Edição 3111
23 de novembro

Formação de quadrilha e prevaricação

Relatório da CPI do Cachoeira indicia Policarpo e Gurgel

Diretor da Veja cuidava de “destruir biografias” visando êxito de “sua organização criminosa”

O relator da CPI do Cachoeira, Odair Cunha , divulgou na terça-feira seu relatório que pede o indiciamento do diretor da revista Veja, Policarpo Júnior, o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, entre outros. São 200 ligações entre Cachoeira e Policarpo Jr., cujas matérias serviam “como uma arma letal para (...) destruir personalidades, criar falsos moralistas (...) visando sempre alcançar o êxito político e econômico de sua organização criminosa”.

Edição 3110
21 de novembro

Bombardeio nazista contra população civil

Israel se diverte matando crianças na Faixa de Gaza

Objetivo é mandar Gaza para a Idade Média, diz vice premier israelense

O serviço de pronto-socorro de Gaza informou, no início do dia 20, que o número de palestinos assassinados nos bombardeios realizados pelo exército de ocupação israelense já é de 101, com dezenas de crianças, mulheres e idosos. Somente na manhã de terça, foram mais de 100 ataques. As bombas lançadas pela aviação israelense atingem escolas, prédios residenciais, bancos e instalações públicas. O vice primeiro-ministro de Israel, Eli Yishai, declarou que o objetivo “é mandar Gaza de volta para a Idade Média”.

Edição 3109
16 de novembro

Bateu e forçou-a a dizer que foi 'agressão mútua'

Espancador de mulher quer tomar da Câmara prerrogativa de cassar mandato de deputado

Maia diz a Barbosa para esperar sentado: última palavra é do Legislativo

O ministro Joaquim Barbosa tentou na quarta-feira mais um golpe, desta vez contra o Congresso , para tentar cassar o mandato dos três parlamentares julgados pela Corte, os deputados João Paulo Cunha (PT-SP), Pedro Henry (PP-MT) e Valdemar Costa Neto (PR-SP). A intervenção do ministro revisor, Ricardo Lewandowski, impediu que Barbosa consumasse sua intenção de usurpar a prerrogativa do Legislativo de decidir sobre os mandatos parlamentares. "A Câmara irá proceder de acordo com a Constituição", cortou o presidente da Casa, Marco Maia.

Edição 3108
14 de novembro

Condenado sem prova a pena degradante

STF agrava fraude para desacreditar PT pondo Dirceu atrás das grades

À margem da lei e da Constituição, Supremo carece de legitimidade

Barbosa aplicou na segunda-feira mais uma de suas manobras no STF e mudou a ordem de definição das penas a serem imputadas aos réus da Ação Penal 470, da farsa do "mensalão", com o objetivo de atingir os membros do PT. Com isso, ele condenou sem nenhuma prova o ex-ministro , José Dirceu, a 10 anos e 10 meses de prisão, além de José Genoino e Delúbio. A fraude de Barbosa gerou protestos do revisor, ministro Ricardo Lewandowski, que chegou a se retirar do plenário por não concordar com os métodos adotados pelo relator. "Toda hora o senhor traz uma surpresa. Vossa excelência está surpreendendo esta corte a todo momento", disse Lewandowski.

Edição 3107
09 de novembro

Nos EUA, papel do voto continua em queda

Obama se elege com menos de 30% dos votos do eleitorado

Submissão a monopólios financeiros e belicismo o levaram ao descrédito

Na “democracia da exclusão” que vigora nos EUA, Barack Obama se reelegeu com 28,9% do total de eleitores. 43,6% não votaram. Romney ficou com 27,5%. De uma vantagem de quase 10 milhões de votos contra John McCain em 2008, Obama caiu para uma diferença de 2,8 milhões de votos sobre Romney. Em quatro anos, a sua votação se reduziu em quase 9 milhões de votos e o comparecimento às urnas caiu 11 milhões de votos; pelo menos 90 milhões de eleitores inscritos não foram votar.

Edição 3106
07 de novembro

Depois de condená-lo a mais de 40 anos

Gang da mandioca roxa diz que zera pena de Valério se ele incriminar Lula

Ayres, Barbosa, Gurgel, Veja & cia executam a chantagem à luz do dia

Após condenar Marcos Valério a mais de 40 anos de prisão no julgamento do suposto “mensalão”, alguns integrantes do STF, entre eles o seu presidente, Ayres Britto - que declarou outro dia que as condenações dos réus lhe deixavam com um gosto amargo de “mandioca roxa” – junto com o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, sinalizaram zerar sua pena se ele envolver o nome do ex-presidente Lula na farsa do “mensalão” e em outras sandices. Trata-se de uma extorsão inadmissível para atingir com calúnias o ex-presidente da República.

Edição 3105
02 de novembro

Problema postural leva a sofrimento vertebral

Terminada a eleição, Barbosa perde pressa e vai para a Alemanha

Não haverá condecoração para o servilismo vil das condenações sem prova e por perseguição política

Depois de meses de gritos pela urgência e, inclusive, “aceleramento” da AP nº 470, de repente o STF paralisou o processo por uma semana. O relator Barbosa foi para Düsseldorf, na Alemanha, onde arrumou um médico para tratar de sua coluna vertebral, algo avariada pela ínclita verticalidade de seus relatórios - tudo é uma questão de postura. Certamente, estão faltando ortopedistas no Brasil. Quanto à urgência inadiável, já passou, com as eleições.

Edição 3104
31 de Outubro

Mais uma estrela se apaga no cosmo tucano

Serra e STF irritam eleitor com a farsa do mensalão e se lascam nas urnas

Reprovado por 69% do eleitorado, o rejeitado vai dividir o ostracismo com seu “amigão” FHC

Por pouco, Serra não perdeu também para as abstenções mais votos nulos e em branco – que foram 29,27% do eleitorado, enquanto o tucano teve 31,43%, com uma queda de 718.903 votos em relação à última eleição. A ostensiva manipulação da farsa do mensalão, tão ostensiva a ponto de quase ninguém, mesmo aqueles que acreditaram, ter dúvida de que se tratava de uma manipulação, ajudaram Serra a se afundar. Quem é que gosta de perceber que estão tentando manipulá-lo?

Edição 3103
26 de outubro

Mandaram a lei e o direito para o espaço

STF declara guerra contra democracia e a justiça social

Acatar autoridade de um quisto fascista é abusar do direito à ingenuidade

O relator Barbosa, no seu frenesi persecutório, não se ateve aos limites do Código Penal (e, portanto, da Constituição) ao propor penas para os réus da Ação Penal 470. Sem provas contra os réus, por pouco não manda alguém para a Ilha do Diabo, apesar desta ficar numa colônia francesa - e do presídio estar fechado há alguns anos... Foi de um ridículo atroz, comprometendo o Supremo, cuja autoridade repousava na aplicação da lei, num aborto jurídico e moral, golpista até os cueiros. Ao desprezar a única fonte de sua autoridade, quem respeitará o STF? Aliás, por que respeitá-lo?

Edição 3102
24 de Outubro

Mello abre o jogo: Ditadura foi necessária

Quadrilha togada usa o STF para perseguir desafetos políticos

É esse tipo de gente que está pensando que tem autoridade para prender e calar Genoino e Dirceu

Pelos sábios critérios jurídicos exibidos pelos ministros que condenaram Dirceu, Genoino e outros por “formação de quadrilha”, eles, os seis pupilos de Torquemada, são uma quadrilha. O absurdo jurídico foi apontado pelas ministras Carmen Lúcia e Rosa Weber, além do ministro Ricardo Lewandowski. Já o ministro Marco Aurélio, nomeado para o STF pelo primo, Collor, apologista da ditadura que rasgou a Constituição e aleijou o tribunal de que faz parte, nem se preocupou em escamotear o caráter de perseguição política desse julgamento.

Edição 3101
19 de outubro

Impacto sobre a indústria é arrasador

Desnacionalização já atinge 247 empresas em setembro de 2012

Baixar juro é pouco. Não dá para o Brasil crescer sem parar esta sangria

Entre janeiro e setembro deste ano foram desnacionalizadas 247 empresas, superando a quantidade de empresas adquiridas pelo capital estrangeiro em todo o ano de 2011. No ano passado, 208 empresas nacionais passaram para controle externo. Um número expressivo de empresas nacionais foi comprado por multinacionais norte-americanas. Só no terceiro trimestre, de um total de 80 empresas desnacionalizadas, quase metade (37) passou para as mãos de monopólios dos EUA.

Edição 3100
17 de Outubro

Intenção é criminalizar gestões de Lula e Dilma

Para cavalgadura do STF, todo governo de coalizão é um golpe

Ayres, cuja candidatura a prefeito foi impugnada e não foi eleito deputado, quer é se vingar de quem tem voto

Segundo disse o agora aposentado Ayres Britto, em seu voto ao condenar Dirceu e Genoíno, “o sentido das alianças é o da sua transitoriedade” e coalizão para governar o país é “golpe” - em suma, alianças formais para governar, devem servir para trair o aliado. Por via das dúvidas é melhor nem pensar em adquirir um carro usado de semelhante filósofo. No entanto, ao condenar sem provas, ele esqueceu de algo. Não havia coligação formal no primeiro governo Lula – o que, aliás, foi uma limitação tremenda. Portanto, Britto está verberando contra uma coligação que não existia. A realidade não tem mesmo importância para ele. Golpe é impor ao povo, como Britto está preconizando, uma política em que ele não votou – e, aliás, votou explicitamente contra. Seria a maneira mais fácil de inviabilizar qualquer governo progressista no país. Não haveria projeto ou política que ficasse em pé.

Edição 3099
12 de outubro

Vírus do golpismo infectou o Supremo

Condenações sem provas dão ao STF legitimidade de um tribunal de exceção

Pavõezinhos acham que dá para instituir ditadura com cuspe

José Dirceu e José Genoino, sem que houvesse prova alguma, foram condenados por “dominar os fatos” - com a originalidade de que os fatos não existiram. Daí o carnaval da mídia mais antinacional, mais antidemocrática, mais antipopular – mais corrupta e mais golpista - para abafar o escândalo de condenações para as quais se sacou uma teoria nazista, sem ter a força que os nazistas tinham para sustentar suas aberrações. Mas esse é o Judiciário de que eles gostam: contra as leis e contra a Constituição, para perseguir brasileiros que derrotaram o golpe.

Edição 3098
10 de Outubro

Foi bom para nazis, não é para o Brasil

Esbirros da elite querem humilhar Lula condenando Dirceu sem prova

Ninguém está obrigado a aceitar autoridade de juiz que desrespeita lei

O ministro Lewandowski descreveu os autos do processo com exatidão: “nada há contra José Dirceu que possa autorizar o decreto condenatório. [Só] absoluta carência de provas [e] meras ilações destituídas de suporte probatório”. Já para o relator, Barbosa, de acordo com a doutrina nazista a que recorreu, tais provas são dispensáveis: “Dirceu tinha o domínio final dos fatos no cargo que exercia na época dos fatos”. O que a reação tem contra Dirceu é o mesmo que tem contra Lula: o ódio por seu golpe ter se frustrado em 2005/2006. Quanto a provas, disso ou daquilo, nada.

Edição 3097
05 de outubro

Operação curral visa tanger voto do eleitor

Mídia frauda pesquisa para criar um 2º turno entre Serra e Haddad

Garfaram Russomanno e os demais candidatos para inflar o rejeitado

De repente, Russomanno caiu 10 pontos no Datafolha e sete pontos no Ibope. Serra, que estava 14 pontos atrás de Russomanno, de repente empatou com este em primeiro lugar... Na quinta-feira, o pasquim serrista “Folha de S. Paulo”, dona do Datafolha, saiu com reclames sobre a “desidratação abrupta” de Russomanno e conselhos para Haddad e outros candidatos “baterem mais” no candidato do PRB, que pertence à base aliada do governo Dilma. Querem impor um segundo turno com Serra e Haddad - o candidato que eles acham, com bons motivos, mais fácil de vencer.

Edição 3096
03 de Outubro

"Desoneração" onera a aposentadoria

Gentileza com grana da Previdência deixa buraco de 2 bilhões

Parte destes recursos foi enviado por múltis ao exterior, diz a Anfip

As desonerações da folha de pagamentos de alguns setores da economia, como tecnologia da informação, móveis, têxtil, naval, aéreo, de material elétrico e autopeças, entre outros, resultaram em perda de R$ 2,024 bilhões nos cofres da Previdência no mês de agosto. Além disso, segundo o presidente da Anfip, Álvaro Sólon de França, as multinacionais beneficiadas estão remetendo lucros para o exterior: "Então, o que muitas vezes as renúncias fiscais estão fazendo é tirar do vermelho as empresas nos seus países de origem, numa transferência de recursos".

Edição 3095
28 de setembro

Usou ONU de palco para ensaiar outra guerra

Obama repete com Irã o discurso fraudulento de Bush com o Iraque

Cabe ao acusado provar que é inocente, advogou o justiceiro de Chicago

Em seu discurso na Assembleia Geral da ONU, na terça-feira, o presidente Obama repetiu a encenação praticada em 2003 por W. Bush, que exigia do governo Sadam “provas” de que não tinha armas de destruição em massa, que não existiam, e usou isso de pretexto para invadir o Iraque. Agora, Obama disse que “o Irã não aproveitou a oportunidade de demonstrar que seu programa é pacífico” e acrescentou que “o tempo” para uma solução diplomática “não é ilimitado”. Bush dizia que “se não se achava nada, era porque o Iraque escondia”.

Edição 3094
26 de Setembro

Isso que dá flexibilizar as leis trabalhistas

Operários da Foxconn se sublevam contra o regime de escravidão

Agressão de seguranças foi o estopim. Confronto deixa quarenta feridos e fecha fábrica com 78 mil

Fábrica da Foxconn na cidade de Taiyuan, Norte da China, teve a produção suspensa após revolta com milhares de trabalhadores na noite de domingo, que se seguiu à agressão de dois operários por guardas de segurança. Maior fornecedor da Apple, a Foxconn se tornou mundialmente conhecida pelos suicídios em massa em 2009 e 2010 devido às condições análogas à escravidão – maus-tratos, jornada excessiva, confinamento - e aos salários de fome.

Edição 3093
21 de setembro

Piratas têm o olho-grande no pré-sal

Lobby das múltis tenta retomada de leilões do petróleo

Conseguiram até extrair declaração de Lobão de que seriam atendidos

O lobby do cartel estrangeiro do petróleo ficou eufórico com a possibilidade de açambarcar mais áreas do pós-sal e do pré-sal acenada pelo ministro das Minas e Energia, Edison Lobão. “Era o sinal que queríamos do governo”, admitiu João Carlos De Luca, presidente do IBP, entidade que defende os interesses das multinacionais. Associação dos Engenheiros da Petrobrás e a Federação Única dos Petroleiros se posicionaram contra a retomada dos leilões e as licitações na área do pré-sal e prometeram mobilizações contra esse atentado ao país.

Edição 3092
19 de Setembro

Prazo do 3º tsunami monetário é infinito

EUA acirram agressão cambial emitindo por mês US$ 85 bilhões

Quem não se defendeu das outras inundações, está na hora de fazê-lo

Os EUA puseram em ação as impressoras do chamado “quantitative easing 3” para entupir as arcas dos seus bancos em troca de papéis de hipotecas, ao ritmo de US$ 40 bilhões mensais, montante que sobe para US$ 85 bilhões com a continuação da Operação Twist. O Fed vai ainda estender os juros nominais de 0,25% para, no mínimo, “até meados de 2015”. Encharcados de dólares, monopólios dos EUA açambarcam empresas dos outros países, enquanto a depreciação artificial favorece as exportações norte-americanas. O QE é tentativa de fugir da crise, descarregando-a sobre os demais países.

Edição 3091
14 de setembro

Quem planta vento, colhe tempestade

Resistência líbia mata procônsul americano que armou o covarde assassinato de Kadafi

4 horas de combate com um saldo de dezenas de marines mortos e feridos

O embaixador dos EUA na Líbia, Christopher Stevens, foi morto em ataque da Resistência ao consulado de Benghazi na noite de terça-feira, com lança-granadas e Kalachnikovs, que incendiou o prédio e um anexo. Stevens havia sido enviado à Líbia para apoiar a ação de americanos e mercenários que acabou derrubando, torturando e executando o presidente do país, Muamar Kadafi. Washington classificou o ataque de “complexo”. Reforço enviado de Trípoli foi emboscado no aeroporto. O vice-ministro do Interior do governo fantoche, Wannis Al Sharif, acusou “remanescentes do antigo regime”.

Edição 3090
12 de Setembro

Mentiroso disse também que criou seguro desemprego

Serra deixou prefeitura para atropelar Alckmin e disputar presidência

Plano não deu certo, mas que ele tentou não se pode negar

Não é verdade que Serra disputou o governo de SP em 2006 porque havia a suposta “ameaça” de cair “nas mãos do PT” como diz. Que Alckmin não podia reeleger-se é certo e é certo também que o então governador queria ser candidato a presidente. Mesmo assim, Serra lançou sua candidatura cobrando unanimidade. Mas Alckmin frustrou seus planos propondo as prévias. Como Serra sabia que ia ser derrotado, acabou desistindo do pleito. Com a derrota para presidente, ele podia ter ficado na Prefeitura, mas deixou Kassab em seu lugar e foi disputar o governo.

Edição 3089
07 de setembro

Disse que não teve tempo para mudar

Obama pede mais 4 anos de guerra, trilhões a bancos, fome e demissão

Estelionato eleitoral leva a empate técnico com o outro candidato, que ainda consegue ser pior

Passando “um período triste, em que eu me sentia verdadeiramente um morto vivo, um fantasma, tenho essa brutal notícia de que um complô liderado por um contraventor e um agente de uma empresa tinham sido os responsáveis pela reportagem que gerou o afastamento e, posteriormente, a exoneração”, afirmou o ex-diretor-geral do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), Luiz Antonio Pagot, na CPI. Pagot se referia ao bicheiro Cachoeira, o diretor da Delta no Centro-Oeste, Cláudio Abreu, e o redator-chefe da “Veja”, Policarpo Junior.

Edição 3088
05 de Setembro

Só 8,56% foi liberado até o mês de julho

Investimento público bloqueado mantém a estagnação do PIB

Trata-se da ‘retomada do crescimento’, dizem Mantega e Tombini

O PIB cresceu apenas 0,4% na comparação com o trimestre anterior e apenas 0,6% no ano (portanto, no semestre). O investimento, tão incensado por Mantega, caiu pelo quarto trimestre consecutivo. Quanto aos investimentos públicos, em nome dos quais foram arrochados os salários dos servidores e os gastos de custeio, até julho foram liberados apenas 8,56% da verba orçamentária aprovada pelo Congresso, enquanto o BNDES reduzia em 47% seus desembolsos para a indústria – para a qual, hoje, são dirigidos apenas 26,1% dos financiamentos do banco.

Edição 3087
31 de agosto

CPI já ouviu todos menos Policarpo

Fui derrubado por um complô entre bicheiro, Delta e Veja, diz Pagot

O objetivo da quadrilha era submeter DNIT para suspender fiscalização

Passando “um período triste, em que eu me sentia verdadeiramente um morto vivo, um fantasma, tenho essa brutal notícia de que um complô liderado por um contraventor e um agente de uma empresa tinham sido os responsáveis pela reportagem que gerou o afastamento e, posteriormente, a exoneração”, afirmou o ex-diretor-geral do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), Luiz Antonio Pagot, na CPI. Pagot se referia ao bicheiro Cachoeira, o diretor da Delta no Centro-Oeste, Cláudio Abreu, e o redator-chefe da “Veja”, Policarpo Junior.

Edição 3086
29 de Agosto

Fernando Ferro estranha “pacto de silêncio”

Deputado adverte CPI a não encobrir crimes de Veja & Cachoeira

“Não se pode proteger delinquência jornalística praticada em parceria com o crime organizado”

Em discurso no plenário da Câmara Federal, na terça-feira, o deputado Fernando Ferro (PT-PE) revelou seu “estranha-mento” com o “pacto de silêncio” na CPMI do Cachoeira para convocar o diretor da revista Veja, Policarpo Júnior, flagrado pela Polícia Federal em conluio com Cachoeira e a máfia da jogatina. “Sob o discurso de liberdade de imprensa, vemos uma proteção a uma delinquência jornalística, em parceria com o crime organizado. Não há outro nome”, denunciou o deputado.

Edição 3085
24 de agosto

Superemissão está na ata do BC americano

EUA ameaçam fazer o 3º tsunami monetário para pilhar economias

Excesso de dólares faz o câmbio prejudicar países que não se protegerem

Ata da reunião de agosto do Comitê Federal de Mercado Aberto do FED (Federal Reserve, equivalente ao BC americano) afirma que “muitos membros julgaram que uma acomodação monetária adicional provavelmente será justificável muito em breve”. O desempenho da economia dos EUA vem decaindo, com 1% no último trimestre de 2011, 0,5% no primeiro trimestre de 2012 e 0,375% no segundo trimestre, e piorando. “Quantitative Easing 3” já é comemorado pelos especuladores dos EUA.

Edição 3084
22 de Agosto

Menos salário, menos mercado interno

Servidores rejeitam aumento abaixo da inflação por 3 anos

Entidade propõe 9% no primeiro ano e diálogo para definir os demais

Os servidores rejeitaram a proposta de 15,8% de reajuste parcelado em três anos. As entidades questionaram que o índice, cerca de 5% ao ano, é insuficiente para repor as perdas passadas, que após dois anos sem reajuste, atinge mais de 12%, e a futura durante três anos. A Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef) apresentou como contraproposta um reajuste de 9% no primeiro ano, 2013, e que os reajustes de 2014 e 1015 sejam discutidos posteriormente.

Edição 3083
17 de agosto

Privatização de rodovias e ferrovias

Dilma lança o “kit da felicidade”: dinheiro do BNDES, risco zero e 25 anos de pedágio

Oposição comemora o regresso a caminho que jã não deu certo

O sr. Eike Batista definiu o programa do governo lançado na quarta-feira como “um kit da felicidade”. Além de rodovias e ferrovias, entrarão no programa de privatização aeroportos, hidrovias e portos. Os investimentos sairão do BNDES, para serem pagos em 20 anos, com 3 a 5 anos de carência e juros baixos. Mas os açambarcadores poderão cobrar pedágio com 10% de uma obra, e, nas ferrovias, o governo comprará toda a capacidade de transporte do “investidor”. Segundo o sr. Bernardo Figueiredo, da EPL, que vai gerir o programa, “a rentabilidade do investidor não será tão alta porque ele não terá riscos”.

Edição 3082
15 de Agosto

Salário acumula perda de 12% desde 2010

Centrais repelem intransigência do governo contra o servidor público

Greve se amplia e chega a portos. Santos tem 152 navios na fila de espera

As centrais sindicais manifestaram apoio à greve dos servidores públicos federais e cobraram o fim da intransigência do governo. Após mais de dois meses de greve, com a ampliação das mobilizações e adesões de categorias, o governo marcou para esta semana as primeiras reuniões de negociação, às vésperas da data limite para as alterações da Lei Orçamentária. Nos últimos dias houve protestos da Polícia Federal em aeroportos e portos do país. Na segunda-feira, 152 embarcações ficaram paradas na barra do Porto de Santos aguardando liberação.

Edição 3081
10 de agosto

Presidente da Comissão Mista anuncia

CPI vota na terça a convocação de Policarpo e Gurgel

Veja e procurador-geral têm muito a falar sobre relações com Cachoeira

O presidente da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Cachoeira, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), afirmou, ao debater com parlamentares, na quarta-feira, que colocará em votação na próxima reunião administrativa da comissão - marcada para terça-feira - o requerimento de convocação do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, e de Policarpo Jr., redator-chefe e diretor da Sucursal de Brasília da revista Veja, acusado de fazer parte de uma associação criminosa com o contraventor Carlos Cachoeira.

Edição 3080
08 de Agosto

Relação com a 'fonte' está meio promíscua

Veja nega autoria de dossiê contra juiz do caso Cachoeira feito por seu redator-chefe

Enrolou sete dias para dar uma versão sobre seu papel no escândalo

A revista Veja levou uma semana para dar sua versão sobre a chantagem feita pela mulher do bicheiro Carlinhos Cachoeira, Andressa Mendonça, contra o juiz Alderico Rocha Santos, ameaçando-o com um dossiê feito pelo editor-chefe da revista, Policarpo Jr, caso o magistrado não soltasse o contraventor. A revista classificou a chantagem como uma "manobra desesperada e ilegal de Andressa". A primeira reação da revista tinha sido mandar Reinaldo Azevedo atacar todo mundo, inclusive o juiz.

Edição 3079
03 de agosto

Deletou cobrança de Dilma sobre empregos

Mantega dá carta branca à GM para demitir à vontade

O ministro Mantega declarou que a GM "cumpre o compromisso de não demissão e geração de empregos", em troca das desonerações e dinheiro do BNDES, que fizeram as remessas da filial no Brasil triplicar sua participação no faturamento da matriz nos EUA. Quanto às 2 mil demissões na GM, depois de 1.189 demissões desde julho do ano passado, o ministro declarou que "não cabe ao governo entrar neste tipo de detalhe", pois "é uma questão de administração interna".

Edição 3078
01 de Agosto

Quadrilha continua ativa, alerta MP

Lady Cachoeira ameaça juiz com dossiê na Veja e acaba em cana

Se o sr soltar Carlinhos, o Policarpo não solta o dossiê, disse a loura

A mulher do bicheiro Carlinhos Cachoeira, Andressa Mendonça, foi detida na segunda-feira denunciada pelo juiz Alderico Rocha Santos, responsável pelo processo da Operação Monte Carlo na Justiça Federal, por tentar chantageá-lo. Conforme o juiz, Andressa disse: “Doutor, tenho algo muito bom para o senhor. O senhor conhece o Policarpo Jr? (diretor de Veja) O Carlos contratou o Policarpo para fazer um dossiê contra o senhor. Se o senhor soltar o Carlos, não vamos soltar o dossiê”.

Edição 3077
27 de julho

Categoria não foi atendida, avaliam entidades

Proposta tímida do governo não agrada docentes em greve

Governo copia Europa e tira do trabalhador para dar às múltis e bancos

Servidores federais e professores das universidades ocuparam, na quarta-feira, a Esplanada dos Ministérios em uma Marcha Nacional que reuniu cerca de 20 mil pessoas. Acampados em frente ao Palácio do Planalto desde terça-feira, os servidores exigem que o governo receba os sindicatos e negocie. No último dia 13, o governo apresentou uma proposta apenas aos docentes do magistério, que estão há mais de dois meses de greve, rejeitada por eles, que defendem mais negociação. Mas, de acordo com as últimas declarações da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, o tema não está em debate.

Edição 3076
25 de Julho

Tribunal de Contas decidiu por unanimidade

Não houve dinheiro público no suposto ‘mensalão’, diz TCU

A sentença reduz a acusação enviada ao STF à peça ficcional

Por unanimidade, o TCU concluiu que foram legais os contratos da agência de publicidade DNA com o Banco do Brasil. Os ministros do TCU consideraram que as chamadas “bonificações de volume”, uma espécie de gratificação paga pelos veículos de comunicação, são propriedade da agência. O acórdão, assinado no dia 4 de julho pelo TCU, derrubou a principal alegação da Procuradoria-Geral da República (PGR) de que teria havido uso ilegal de dinheiro público no processo que a mídia golpista e a oposição tucana rotula como “mensalão”.

Edição 3075
20 de julho

Perdas em relação a 2010 já passam de 12%

Servidores param Brasília contra o corte de salários

Governo copia Europa e tira do trabalhador para dar às múltis e bancos

Servidores federais e professores das universidades ocuparam, na quarta-feira, a Esplanada dos Ministérios em uma Marcha Nacional que reuniu cerca de 20 mil pessoas. Acampados em frente ao Palácio do Planalto desde terça-feira, os servidores exigem que o governo receba os sindicatos e negocie. No último dia 13, o governo apresentou uma proposta apenas aos docentes do magistério, que estão há mais de dois meses de greve, rejeitada por eles, que defendem mais negociação. Mas, de acordo com as últimas declarações da ministra do Planejamento, Miriam Belchior, o tema não está em debate.

Edição 3074
18 de Julho

Mãos ao alto, é um assalto!

Plano do governo mantém 90% dos docentes até 2015 sem aumento real

Entidades orientam as assembleias a votarem na continuação da greve

O governo fez uma proposta salarial ao magistério, em greve há mais de dois meses. O representante do governo, Sérgio Mendonça, apresentou o plano na mesma hora em que os ministros Miriam Belchior, do Planejamento, e Aloizio Mercadante, da Educação, concediam uma entrevista, anunciando um reajuste de "até 45%" aos docentes. No entanto, o plano apresenta uma tabela de remuneração da categoria até 2015, com reajustes variáveis e divididos em 3 anos, sendo que os maiores índices contemplam a menor parte da categoria – aqueles que, além de possuírem doutorado, são professores titulares, cerca de 10% dos professores das universidades.

Edição 3073
13 de julho

Impacto sobre a indústria é desastroso

Desnacionalização de empresas brasileiras bate recorde em 2012

O número do primeiro semestre é 77% maior que o do ano anterior

No primeiro semestre deste ano, 167 empresas nacionais foram compradas por multinacionais. Foi a maior liquidação de empresas privadas brasileiras num único semestre, batendo o recorde do primeiro semestre de 2011, que, por sua vez, batera o recorde do primeiro semestre de 2010. Em relação ao semestre anterior, a desnacionalização de empresas aumentou 77%. São dados da última "Pesquisa de Fusões e Aquisições" da consultoria KPMG. Desde 2004, nada menos que 1.167 empresas nacionais passaram a ser controladas de fora do país.

Edição 3072
11 de Julho

Cachoeira tinha mais braços que um polvo

E-mails interceptados pela PF ligam Dadá a Francischini e Gurgel

"Vou avisar ao dr. Gurgel para não marcar nada nesse dia", disse Tigrão em mensagem a Sombra

Interceptações de e-mails de Idalberto Matias, o Dadá, araponga de Carlos Cachoeira, feitas pela PF, revelaram que o deputado Fernando Francischini (PSDB-PR) e o ex-senador do DF, Alberto Fraga, do Dem, armaram junto com o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, para derrubar o governador de Brasília, Agnelo Queiroz. "Maravilha. Vou ligar para o Dr. Gurgel e avisá-lo para não marcar nada nesse dia", diz um e-mail de Francischini para Sombra.

Edição 3071
06 de julho

Alegria do palhaço é ver o circo pegar fogo

Com queda de 4,3% na indústria, Mantega vê "ciclo de expansão"

Dona Dilma precisa começar a governar antes que seja tarde

Sem tomar uma única providência efetiva para enfrentar uma situação econômica cada vez pior – e por sua própria responsabilidade – o ministro Mantega disse, na Fiesp, que "estamos prestes a começar um novo ciclo de expansão forte da economia brasileira". Mantega diz qualquer coisa. No mesmo discurso, disse que "[a indústria] vai desacelerar não só nos países europeus, mas também na China e no Brasil" e que "estamos enfrentando uma crise bastante grave, que não vai ser solucionada no curto prazo". A indústria no Brasil não está "desacelerando" - no dia anterior, o IBGE divulgou que sua produção caíra -4,3%. Enquanto isso, Mantega, para quem só existem multinacionais e bancos, trata com essa leviandade, essa irresponsabilidade, a política econômica - isto é, a vida das pessoas.

Edição 3070
04 de Julho

Fiesp rebaixou previsão para 1,8%

Mantega cede a múltis controle da economia e arrasa PIB-2012

Surto de neoliberalismo tardio já roubou dois anos do governo Dilma

Na terça-feira, o IBGE divulgou que a produção industrial em maio caiu pelo nono mês consecutivo. Em 2012, a produção da indústria já caiu -3,4%. Na quinta-feira anterior, a Fiesp publicou que a atividade da indústria paulista caíra -6,3% de janeiro a maio e revisou sua previsão de crescimento do PIB para 1,8%, bem menos que os medíocres 2,7% de 2011. O império das multinacionais - que, agora, sustentamos, através de desonerações, financiamentos do BNDES e, até, prioridade nas compras do governo – leva a economia para a estagnação, retrocesso e atraso.

Edição 3069
29 de junho

Para o deputado Odair Cunha, caso é grave

"Crime organizado financiou Perillo", diz relator da CPMI

'Governador tirou R$ 40 mil do frigobar para me pagar', disse jornalista

O relator da CPMI do Cachoeira, deputado Odair Cunha (PT-MG), afirmou na quarta-feira, após o depoimento do jornalista Luiz Carlos Bordoni, que a campanha à reeleição do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), em 2010, "foi financiada pelo crime organizado". "Fica evidente que a sua campanha foi financiada pelo crime organizado. É uma questão grave e será analisada por nós", acrescentou o relator, ao comentar as denúncias feitas pelo ex-assessor de imprensa de Perillo.

Edição 3068
27 de Junho

Cachoeira dá piti e morde agente penitenciário

Conselho de Ética aprova por 15 a 0 que Demóstenes perca o mandato

Para concluir limpeza, falta ainda Veja, Perillo, Gilmar, Tourinho e etc.

Com 15 votos a favor e nenhum contra, o Conselho de Ética do Senado aprovou na noite da segunda-feira o parecer do relator, senador Humberto Costa (PT-PE), pela cassação do mandato do senador Demóstenes Torres (ex-Dem-GO) por quebra de decoro parlamentar. O pedido de cassação segue agora para a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) e depois para o plenário. No voto, Humberto Costa afirmou que o senador goiano cometeu vários crimes para favorecer interesses do bicheiro Carlinhos Cachoeira, como advocacia administrativa, formação de quadrilha, favorecimento pessoal e favorecimento real.

Edição 3067
22 de junho

Já são 34 categorias federais em greve

Aumento para servidor tem "impacto" menor que US$ 10 bi ao FMI

Gasto do governo com salário cresceu em 2012 bem abaixo da inflação

Durante a reunião do G-20, foi anunciado que o governo brasileiro vai entrar com US$ 10 bilhões a mais para o FMI – isto é, para que sejam enfiados em bancos falidos, irresponsáveis e parasitas. Enquanto isso, a greve dos funcionários públicos federais se propaga como fogo na palha seca – e a equipe econômica nega até mesmo um mero reajuste. O pagamento de salários pelo governo no primeiro quadrimestre deste ano aumentou apenas 2% em relação ao mesmo período de 2011 – enquanto a inflação, de janeiro de 2011 a abril de 2012, alcançava 8,38%. Págs. 2 e 5.

Edição 3066
20 de Junho

Já são 34 categorias federais em greve

Aumento para servidor tem "impacto" menor que US$ 10 bi ao FMI

Gasto do governo com salário cresceu em 2012 bem abaixo da inflação

Durante a reunião do G-20, foi anunciado que o governo brasileiro vai entrar com US$ 10 bilhões a mais para o FMI – isto é, para que sejam enfiados em bancos falidos, irresponsáveis e parasitas. Enquanto isso, a greve dos funcionários públicos federais se propaga como fogo na palha seca – e a equipe econômica nega até mesmo um mero reajuste. O pagamento de salários pelo governo no primeiro quadrimestre deste ano aumentou apenas 2% em relação ao mesmo período de 2011 – enquanto a inflação, de janeiro de 2011 a abril de 2012, alcançava 8,38%. Págs. 2 e 5.

Edição 3065
15 de junho

Governador do DF desmascarou o complô

Agnelo liquida na CPI a última tentativa da gang para derrubá-lo

Cachoeira, Demóstenes, Veja, Delta deixaram as digitais em todas elas

O governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), desmontou, durante seu depoimento à CPI do Cachoeira, nesta quarta-feira, a tentativa da quadrilha comandada pelo contraventor goiano de desestabilizar seu governo. "Os criminosos agiam associados com parte da mídia para me atacar e derrubar meu governo", denunciou. "O grupo aqui investigado tramou a minha derrubada", prosseguiu o governador, referindo-se à união de interesses entre Cachoeira, a empreiteira Delta, a oposição tucana e as armações golpistas da revista "Veja".

Edição 3064
13 de Junho

Mídia golpista cede mais um anel

Globo abandona a canoa de Perillo e pede a sua cabeça

"É pro governador, vamos logo pagar ele lá no Palácio", diz Cachoeira em gravação revelada pela reportagem

Percebendo que mais cedo ou mais tarde seria inevitável o surgimento de novas denúncias envolvendo o seu tradicional aliado, Marconi Perillo, a Globo resolveu jogá-lo ao mar. Correram para publicar tanto em seu jornal como na TV a gravação, feita pela Polícia Federal, mostrando o contraventor Carlinhos Cachoeira mandando seu comparsa, o ex-vereador do PSDB, Wladimir Garcez, "entregar o dinheiro para o governador, no Palácio". O dinheiro era para pagar a casa vendida por Perillo. O diálogo não deixa dúvidas de que foi Cachoeira quem negociou e comprou a casa de Marconi Perillo. E foi nesta residência que o criminoso foi preso durante a operação Monte Carlo, da PF.

Edição 3063
08 de junho

51 instituições federais já aderiram

Greve contra o arrocho nas universidades pega no breu

Derrubadores do PIB tiram dos servidores para colocar tudinho no superávit primário

Os professores universitários federais estão em greve desde o dia 17 de maio, reivindicando o cumprimento do acordo assinado pelo governo em agosto do ano passado e reposição das perdas salariais desde 2010. Em 2011, não houve qualquer reajuste – e o salário real vem sendo reduzido desde 1995. Até abril, o desvio de verbas públicas para juros, conhecido como superávit primário, ultrapassou a meta em 57,9% e o governo gastou com juros R$ 76,2 bilhões (5,49% do PIB).

Edição 3062
06 de Junho

Cachoeira paga tudo e ainda dá carona

Demóstenes diz que já tem mais de trinta senadores no bolso

Se 41 dos 81 não derem o voto pela cassação, o pilantra continuará lá

O senador Demóstenes Torres, denunciado como membro da quadrilha de Cachoeira, disse que confia nos seus colegas para escapar da cassação do seu mandato e fez insinuação, reforçada por seu advogado, Antônio Carlos de Almeida, de que já teria o apoio de 30 senadores. "Estamos trabalhando", declarou o advogado de Demóstenes. O senador Pedro Simon (PMDB-RS) advertiu que "pesquisas feitas entre os senadores já constataram que Demóstenes precisa apenas de cerca de 10 votos para conseguir os 41 necessários à sua absolvição".

Edição 3061
01 de junho

Se é assim, por que ele ficou tão nervoso?

Gilmar diz ser normal pegar carona no avião ofertado por Cachoeira

O distraído não reparou até agora quem são os 'gangsters' e 'bandidos'

Indagado pelos repórteres sobre as notícias de que teria viajado num jato providenciado por Cachoeira, o ministro do STF, Gilmar Mendes, ficou muito nervoso e sacou vários papéis que já estavam em seus bolsos para tentar provar que sua viagem a Berlim tinha sido "oficial". A certa altura ele deixou escapar: "Vamos dizer que o Demóstenes me oferecesse uma carona num avião, se ele tivesse. Teria algo de anormal?". Depois admitiu que viajou pelo menos duas vezes para Goiás em avião pago pelo sócio de Cachoeira.

Edição 3060
30 de maio

Cachoeira escalou avião para recebê-los em SP

O que Gilmar não falou é o que fazia em Praga e Berlim com Demóstenes

Dupla também armou com a "Veja" o golpe dos grampos no STF

Em entrevista na segunda-feira, Gilmar Mendes disse que não tinha nenhuma relação com o senador Demóstenes Torres. Mas, em seguida descreveu a misteriosa viagem feita pelos dois à Europa. "Então eu esclareci essa viagem de Berlim, que era uma viagem que eu fizera, a partir de uma atividade acadêmica que eu tivera na Universidade de Granada, me encontrara com o senador em Praga, isso foi agendado previamente, ele tinha também uma viagem para Praga, então nos deslocamos até Berlim, onde mora a minha filha", declarou. O fato é que Gilmar se complicou e terá muito o que explicar ao país.

Edição 3059
25 de maio

Ou é muito distraído ou muito cínico

Gurgel diz à CPMI que engavetou a Vegas por não ter visto crime algum

Associação criminosa entre Demóstenes e o Cachoeira já estava mais do que evidente

O contraventor Cachoeira liga para o senador Demóstenes Torres e o manda analisar um projeto que tramita na Câmara que interessa ao bicheiro. Demóstenes verifica o projeto e alerta Cachoeira que ele não lhe serve: "Então, inclusive, te pega, né?". Para o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, em explicação que enviou aos membros da CPMI, esse e mais outros diálogos comprometedores captados na Operação Vegas da Polícia Federal não configuraram crime e engavetou o inquérito sem oferecer denúncia ao STF.

Edição 3058
23 de maio

Primeiro embate mostrou despreparo da oposição

Decisão de convocar Veja a explicar o elo com Cachoeira e seu bando avança na CPI

Liberdade de imprensa não dá salvo-conduto a organização criminosa

Cresce na CPMI a convicção da necessidade de investigar a associação de Policarpo Jr, diretor da revista Veja, com a quadrilha de Cachoeira. "Esse jornalista teve uma relação de dez anos com o esquema criminoso, relação essa permanente. O que nós queremos é investigá-lo", disse o deputado Paulo Teixeira (PT-SP). Já se pronunciaram pela convocação os deputados Iris de Araújo (PMDB-GO), Protógenes Queiroz (PCdoB-SP), Chico Alencar (Psol-RJ), Fernando Ferro (PT-PE) e o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS). "A CPI sem a Delta ou a CPI sem a Veja não é CPI nenhuma. Não serve para nada", disse o senador Roberto Requião (PMDB-PR).

Edição 3057
18 de maio

Modo de agir é típico de associação criminosa

Veja atacou ministro para atender pedido do bicheiro sabendo que era lóbi pró-Delta

Contrariei esse grupo, afirmou o ex-ministro Alfredo Nascimento

A "Veja" sabia, pelo menos desde o dia 10 de maio de 2011 – dois meses antes de sua campanha contra a cúpula do Ministério dos Transportes para beneficiar a Delta - da associação de Cachoeira com a empreiteira. O próprio Cachoeira revelou isso, nesse dia, a Policarpo Jr., redator-chefe da revista. Foi através de Cachoeira que Policarpo encontrou com Cláudio Abreu, diretor da Delta, depois do que a campanha contra o então ministro, senador Alfredo Nascimento, e seus auxiliares foi deflagrada, através de uma matéria na qual não havia sequer um denunciante – tudo é atribuído a "empreiteiros", "empresários" ou "parlamentares" sem nome.

Edição 3056
16 de maio

PF desmente que pediu para adiar denúncia

Gurgel engavetou o inquérito da PF contra Cachoeira para blindar gang

Desculpa de não enviar o caso ao STF em 2009 por uma "estratégia de investigação" ruiu

Apesar de amplas evidências envolvendo o contraventor Cachoeira e o senador Demóstenes Torres em ilícitos, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, disse que não viu indício nenhum dos crimes apontados pelo relatório da Polícia Federal, resultante da Operação Vegas, em 2009, e por isso não pediu abertura de processo. A Polícia Federal, em nota divulgada na segunda-feira, desmentiu a alegação do procurador, de que a PF teria pedido para que o inquérito fosse arquivado.

Edição 3055
11 de maio

Policarpo Jr. não tinha como não saber

Veja sabia da relação entre Demóstenes e Cachoeira ao exibi-lo como um ás da ética

O astuto diretor falou com os dois durante anos quase todo dia

As gravações feitas pela Polícia Federal com autorização da Justiça, durante as Operações Vegas e Monte Carlo, não deixam dúvida de que as atividades criminosas do senador Demóstenes Torres como integrante da quadrilha de Carlinhos Cachoeira eram conhecidas pela direção da revista Veja. Apesar de saber de tudo, ela fazia altas reverências ao senador mafioso. E não é porque Cachoeira fosse uma boa "fonte", como vem alegando a revista. Ela deu espaço a Demóstenes porque sabia que o senador então do Dem era da turma do contraventor e tinha interesses nessa associação criminosa.

Edição 3054
09 de maio

Relator vota pela abertura imediata

Comissão dá início a processo para cassar mosqueteiro da Veja

Com todo cinismo que o diabo lhe vendeu, Veja alega que apesar de saber que Cachoeira era um criminoso mantinha com ele relação estreita porque era uma "fonte". Mas as gravações da Polícia Federal revelam que a revista estava farta de saber que Demóstenes era o representante-mor da quadrilha no Senado. Por que então a revista promoveu o ex-líder do Dem a "mosqueteiro da ética"? Que tipo de informações a "fonte" fornecia a Veja para que ela apresentasse a seus leitores, deliberadamente, bandidos como se fossem mocinhos? São explicações que só mesmo o Policarpo Jr. (diretor da sucursal de Brasília) ou Sr. Bob Civita (dono da revista) podem fornecer à CPMI. Resistir a prestar os esclarecimentos somente prova o quanto é difícil apagar os rastros e o odor de uma associação criminosa quando tantos indícios e evidências apontam para isso.

Edição 3053
04 de maio

Um calunia, outro repercute, o terceiro arrecada

CPI chama Cachoeira e Demóstenes. Agora falta convocar a Veja

"Vamos detonar aquele trem na Veja, aí o povo vai ficar com medo", diz o bicheiro ao telefone

A CPMI do Cachoeira começou seus trabalhos na quarta-feira, quando foi aprovado o plano inicial de ação proposto pelo relator, deputado Odair Cunha (PT-MG). Dos três pivôs da organização criminosa, dois já têm dia marcado para depôr: Carlos Cachoeira, no dia 15, e Demóstenes Torres, dia 31. Falta a CPMI marcar o depoimento de Policarpo Jr, o PJ, que figura nos arquivos da PF com mais de 200 telefonemas trocados com Cachoeira.

Edição 3052
02 de maio

Uma associação criminosa a serviço da oposição

PF flagra ação de Cachoeira, Veja e Demóstenes como pivôs da quadrilha

Gravações documentam jogo sujo da trinca para forçar o governador do DF a favorecer a Delta

As últimas gravações da Polícia Federal revelam uma trama entre o bicheiro Carlos Cachoeira, o diretor da revista Veja Policarpo Junior - o PJ -, e o senador Demóstenes para forçar o governador Agnelo a favorecer a Delta. "Veja" dirige uma bateria de ataques a Agnelo, seguido de discursos de Demóstenes no Senado no mesmo sentido. No dia seguinte, Dadá, um dos membros da quadrilha fala: "O senador deu uma castigada ontem no governador. Vamos ver se o cara paga agora, né".

Edição 3051
27 de abril

Governador de Goiás põe PSDB de saia justa

PF gravou entrega de propina de R$ 500 mil de Cachoeira a Perillo

Dinheiro foi levado numa caixa de computador ao Palácio das Esmeraldas

A Polícia Federal monitorou, através de gravações autorizadas pela Justiça e que estão vindo a público agora, detalhes da entrega de uma polpuda propina de Carlos Cachoeira ao governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB). Disponibilizadas pelo blog "QuidNovi", do jornalista Mino Pedrosa, as gravações revelam a entrega de R$ 500 mil a Perillo dentro do Palácio das Esmeraldas. O dinheiro foi entregue pelo ex-vereador do PSDB, Wladimir Garcez, que está preso e é considerado pela PF o braço direito de Cachoeira.

Edição 3050
25 de abril

Silêncio de Globo e Folha é comprometedor

Para 'Veja', trocar 200 ligações com Cachoeira não é crime, é trabalho

Antes da Delta, tem o Demóstenes, a 'Veja' e Perillo, pela intimidade revelada nas gravações

Começa nesta semana a CPMI do Cachoeiragate. Todas as conexões do Cachoeira serão investigadas. Não adianta a revista Veja querer pautar a CPMI dizendo que "o foco das investigações será a Delta". A CPMI vai investigar a Delta, mas antes tem muita coisa grave que precisa ser esclarecida, como, por exemplo, os 200 telefonemas que Policarpo Jr, diretor da revista, trocou com o bicheiro e os "vários furos" dados com a ajuda da máfia. Isso precisa ser respondido pela revista, e não ficar procurando desesperadamente desviar o foco das apurações.

Edição 3049
20 de abril

No bonde do Cachoeira ninguém viaja grátis

Veja é instrumento do crime organizado, diz delegado Protógenes

Deputado que propôs CPI diz ainda que não é "ex" nem "aposentado", é delegado mesmo, da Polícia Federal

O deputado Protógenes Queiroz (PCdoB-SP), delegado da Polícia Federal, disse nesta quarta-feira, na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados, que a revista Veja está agindo como instrumento do crime organizado. "Essa revista aqui. Isso aqui é uma organização criminosa", afirmou o deputado, mostrando a capa da última edição da revista. O parlamentar, autor do requerimento pedindo a Comissão Parlamentar de Inquérito, cobrou que a CPI que vai investigar as ligações de Carlos Cachoeira com Demóstenes Torres, Marconi Perillo (PSDB) e a revista Veja "seja implantada logo". "Já está passando da hora da CPI ser instalada para que a população saiba das ligações dessa imprensa com o crime organizado", afirmou o deputado.

Edição 3048
18 de abril

200 ligações trocadas com Cachoeira

Veja lamenta que sua associação ao crime seja mal interpretada

Para a revista, fabricar escândalos contra Lula não é razão para ser investigada pela CPMI

Segundo a revista, sua associação com a quadrilha de Carlinhos Cachoeira está sendo mal interpretada e que "qualquer repórter iniciante sabe que maus cidadãos podem ser portadores de boas informações", tentando explicar porque Policarpo Jr., membro da cúpula da revista, foi visto várias vezes em reuniões com Cachoeira dentro de suas empresas em Goiás. Além de ter 200 ligações entre o diretor de Veja e o Carlos Cachoeira.

Edição 3047
13 de abril

Sepulcros caiados eram sócios no crime

Demóstenes, Veja e Perillo, os mais implicados, abrem CPI do Cachoeira

PSDB, Demistas e mídia golpista querem mudar foco para reduzir perdas

Os presidentes do Senado e da Câmara, José Sarney (PMDB-AP) e Marco Maia (PT-RS), fecharam um acordo na terça-feira para a instalação de uma CPI mista que vai investigar as ligações da quadrilha de Carlinhos Cachoeira com o senador Demóstenes Torres (ex-Dem-GO), o governador de Goiás Marconi Perillo (PSDB) e a revista Veja. Durante a Operação Monte Carlo da PF foram flagradas conversas bastante comprometedoras entre o senador e Cachoeira. Foram detectados também 200 telefonemas entre o diretor de Veja, Policarpo Jr., e o contraventor Carlos Cachoeira.

Edição 3046
11 de abril

Juro sideral lesa povo e arrasa indústria

Banco do Brasil e Caixa cortam juro pela metade, só falta agora o BC

Presidenta diz que Selic precisa "convergir para níveis internacionais"

O Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal lançaram os programas, disponibilizando um volume adicional nos limites de créditos para micros e pequenas empresas a juros mais baixos, bem como promoveram cortes nas taxas de juros em várias operações de crédito. Por exemplo, no BB, as linhas voltadas para aquisição de bens e serviços de consumo terão os juros médios reduzidos em 45%. Na Caixa, as taxas cobradas sobre crédito de longo prazo terão corte de até 78%.

Edição 3045
06 de abril

Juro alto subsidia importados e sufoca produção

90 mil em São Paulo no grito de alerta pela salvação da indústria

Pacote anunciado pelo governo passa ao largo do problema principal

As Centrais Sindicais, entidades empresariais do setor produtivo e os estudantes realizaram na quarta-feira uma histórica manifestação em São Paulo com 90 mil pessoas em defesa da produção e do emprego. O ato foi marcado por críticas de trabalhadores e empresários ao pacote econômico anunciado pelo governo no dia anterior, apontado como inteiramente insuficiente ao não atacar os juros altos, que têm provocado a entrada de dólares, derrubado o câmbio, subsidiado os produtos importados e asfixiando a indústria nacional.

Edição 3044
04 de abril

Governo Perillo também está no esquema

Gravações confirmam associação criminosa entre Veja e Cachoeira

Demóstenes já era, mas o que não falta é 'gente fina' dentro deste bueiro

As gravações legais feitas pela Polícia Federal revelaram a associação de Cachoeira com a revista Veja. O diálogo entre o bicheiro e outro integrante da quadrilha, o ex-agente Jairo Martins, mostra detalhes da colaboração de Cachoeira com Policarpo Jr, atualmente membro da alta cúpula da revista. "Porque os grandes furos do Policarpo fomos nós que demos, rapaz. Todos eles, fomos nós que demos", diz Cachoeira. Os diálogos de cachoeira nestas gravações também mostram que o bicheiro exercia influência no governo de Marconi Perillo em Goiás.

Edição 3043
30 de Março

Operação Monte Carlo abre tampa da cloaca

PF localiza 200 ligações entre o Cachoeira e a direção da Veja

Quadrilha se dedicava a encher as algibeiras e a armar contra o PT

Operação Monte Carlo, da Polícia Federal, que investigou 82 pessoas ligadas ao crime organizado no Estado de Goiás, além de expor a escabrosa associação do ex-líder do Dem no Senado, Demóstenes Torres (GO), com o bicheiro Carlinhos Cachoeira, também trouxe à tona as ligações da revista Veja com o esquema do contraventor. A Operação da PF flagrou mais de 200 gravações telefônicas, nos últimos meses, entre Cachoeira e o membro da cúpula da revista, Policarpo Jr., chefe de redação e diretor da sucursal de Brasília da publicação.

Edição 3042
28 de março

Operação abafa da mídia golpista fracassou

Líder do Dem recebia mesadão de bicheiro, apura Polícia Federal

Demóstenes mentiu no Senado sobre a relação mantida com Cachoeira

Polícia Federal (PF) descobriu que as ligações do senador goiano Demóstenes Torres (foto), líder do Dem, com o esquema criminoso de exploração de jogos ilegais do bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, são mais antigas e extensas do que se imaginava. Segundo a documentação reunida pela PF revela que o senador recebia 30% da arrecadação geral do esquema armado pelo bicheiro, calculado em, aproximadamente, 170 milhões de reais nos últimos seis anos.

Edição 3041
23 de Março

Quem tem a Petrobrás não precisa de múlti

Chevron falsificou os documentos do plano emergencial, diz MP

Procurador geral avalia que alteraram papéis para dar por cumpridas as ações não realizadas

O Ministério Público Federal (MPF) ofereceu denúncia criminal contra as empresas Chevron e Transocean e 17 de seus executivos, por crime ambiental, dano ao patrimônio público e falsidade ideológica. "O presidente da Chevron no Brasil, George Buck, e mais três funcionários da empresa responderão, ainda, por dificultar a ação de fiscalização do poder público (...), por apresentar um plano de emergência enganoso" e "alterar documentos apresentados às autoridades", destacou o comunicado do Ministério Público.

Edição 3040
21 de março

Passaportes de diretores foram apreendidos

Juiz não deixa a Chevron sair do Brasil depois de novo vazamento

Múlti provocou estrago econômico e ambiental, encerrou as atividades e ia saindo à francesa

Após novo vazamento de óleo, na Bacia de Campos, provocado pela petroleira norte-americana Chevron, o juiz Vlamir Costa Magalhães, da 4ª Vara Federal, atendeu ao pedido do Ministério Público e proibiu que 17 diretores da multinacional americana e da empresa Transocean deixem o Brasil. O juiz afirmou que "há, mais uma vez, indícios veementes de vazamento" e que os 17 executivos têm "palpáveis motivos para querer deixar o país". O juiz determinou que os dirigentes da Chevron entregassem seus passaportes em 24 horas.

Edição 3039
16 de Março

Juro alto está aniquilando a economia

Emprego cai 3% em janeiro nas indústrias de São Paulo

2012 começou pior que o ano de 2011, segundo mostra a pesquisa IBGE

Em São Paulo, o emprego industrial em 2012 começou pior do que no ano passado, caindo -3% em janeiro, bem acima da média nacional de -0,5%, na comparação com janeiro de 2011. De outubro a janeiro, o emprego na indústria paulista registrou quedas consecutivas de -3,5%, -3,7%, -3,3% e -3,0% na mesma base de comparação. "No centro industrial do país, em São Paulo, onde a indústria é mais diversificada, a queda no número de pessoas ocupadas vem sendo maior do que na média brasileira", adverte o Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial.

Edição 3038
14 de março

Juro precisa ir rápido para média mundial

Se o Banco do Brasil pode baixar o juro em 76%, BC também pode

Redução à conta-gotas da taxa Selic não faria economia parar de cair

A presidente Dilma determinou recentemente que o Banco do Brasil e a Caixa realizem estudos para reduzir fortemente os juros cobrados dos seus clientes. Por estes estudos, o BB baixaria os juros cobrados em vários produtos, inclusive os mais caros, como cheque especial, fazendo cair os juros para 2% ao mês, em alguns casos. Hoje o banco chega a cobrar 8,47% ao mês de clientes que entram no cheque especial. Seria um corte de 76% nos juros. Essa política é contrária a que vem aplicando o BC, com as reduções da Selic insuficientes para fazer o país voltar a crescer.

Edição 3037
09 de Março

"Somos só amigos", disse o líder do Dem

Bicheiro importou cozinha dos EUA para presentear o probo Demóstenes

Polícia Federal registra 298 ligações telefônicas entre corda e caçamba

A PF detectou que o senador Demóstenes Torres (Dem-GO) mantinha profundas ligações com o bicheiro e contraventor, Carlos Cachoeira, que comandava um esquema de jogos de azar há dezessete anos. A Operação da PF, através de escutas telefônicas autorizadas pela Justiça, descobriu que o líder do Dem no Senado trocou 298 telefonemas com o bicheiro e que o contraventor também presenteou Demóstenes com uma cozinha importada dos EUA, no valor de US$ 27 mil (cerca de R$ 46,7 mil). "Sou amigo dele há anos. Pensei que ele tivesse abandonado o crime", disse Demóstenes candidamente.

Edição 3036
07 de março

Glezos, 89 anos, encarna o espírito helênico

De novo enfrentamos a ocupação nazi, diz herói nacional grego

"Somos todos gregos", clamam manifestantes por toda Europa e EUA

O veterano combatente convocou seu povo à luta contra "a mais recente ocupação da Grécia", a do FMI, BCE e Berlim. No dia 12 de fevereiro, no auge das manifestações em Atenas contra a rendição do governo Papademos, Manolis Glezos foi agredido por policiais e atacado com spray de pimenta quando se dirigia ao parlamento com o compositor Mikis Theodorakis, para condenar a aprovação do infame acordo. Herói nacional grego por ter escalado a Acrópole para tirar a suástica hasteada lá e colocar no lugar o pavilhão grego, no início da invasão nazi na II Guerra Mundial, o líder afirmou que essa luta "começou aqui mas vai se mover para outros países".

Edição 3035
002 de Março

Protestos em mais de 200 cidades dia 29

Sátrapas dos EUA na Europa intensificam saque ao povo, mas murcham nas ruas

Maiores manifestações ocorreram na Espanha, França, Grécia e Bélgica

Na véspera da assinatura em Bruxelas do "pacto fiscal" destinado a intensificar o saque sobre os povos da Europa, centenas de manifestações tomaram as ruas na quarta-feira para repudiar a troika (FMI-Banco Central Europeu-Comissão Europeia) e o arrocho que se estende sobre o velho continente. Na França, 130 mil pessoas se expressaram em 160 cidades, com as maiores manifestações em Paris, Marselha, Nantes e Bordeaux. Na Espanha, 50 mil se reuniram na Porta do Sol em Madri e mais 50 mil em Barcelona. Houve outros protestos em mais meia centena de cidades.

Edição 3034
29 de fevereiro

E já começa a falar com a língua da serpente

Campeão da privataria diz que vai disputar a prefeitura de S. Paulo

Serra desiste de adiar prévias, mas pressiona os demais candidatos do PSDB a desistirem

O candidato derrotado à Presidência da República em 2010, José Serra (PSDB), anunciou na segunda-feira que pretende, mais uma vez, concorrer à sucessão municipal em São Paulo. A decisão, adotada às vésperas das prévias, para escolher o candidato dos tucanos - marcadas para o dia 4 de março - atropela o processo e provoca desagregação partidária, uma marca registrada dele. Serra é arrolado no livro ?A Privataria Tucana?, do jornalista Amaury Ribeiro Jr, que descreve o roteiro das propinas nas negociatas das privatizações.

Edição 3033
17 de fevereiro

Vestiu a camisa listada e saiu por aí

Mantega tira 55 bi da Saúde, Defesa, Educação etc. para gastar com juros

Rebaixou a previsão de investimento de 21,5% para 20,8% do PIB, mas fez de conta que subiu

O ministro Mantega, menos de quatro semanas após a aprovação do Orçamento, sem vetos, anunciou um corte de R$ 55 bilhões nas despesas com a população, para que R$ 140 bilhões de ?superávit primário? seja passado aos bancos, sob a forma de juros. Disse ele que os cortes têm o objetivo de aumentar os investimentos ? que foram cortados em quase 50%. O aumento da taxa de investimento para 20,8% também é um corte: em dezembro, Mantega anunciara 21,5%.

Edição 3032
15 de fevereiro

Povo cerca Assembleia e ergue barricadas

Grécia explode contra arrocho e destruição impostos por bancos

43 deputados e 6 ministros deixam governo. Salários têm corte de 22%, PIB cai 5%, desemprego vai a 20%

Durante todo o domingo mais de cem mil pessoas da capital Atenas e de outras cidades ocuparam as ruas em grandiosas manifestações. No fim da tarde houve conflitos na Praça Sintagma, diante do parlamento cercado pela polícia para conter o cerco do povo e que acabou aprovando drásticas medidas que incluem corte de salários e pensões, demissões de 15 mil servidores públicos e privatizações de sete empresas estatais. Medidas aprofundam a recessão que há 5 anos destroem a economia grega e aumenta a pobreza, o desemprego e a miséria.

Edição 3031
10 de fevereiro

Cristina denuncia militarização do Atlântico Sul

Destróier inglês nas Malvinas é agressão a todo o continente

Escalada de provocações inclui envio do príncipe e de submarino nuclear

A Inglaterra, recusando-se a restituir as Ilhas Malvinas, Georgias e Sandwich do Sul à Argentina, enviou o des-tróier HMS Dauntless, um submarino nuclear e tropas – com um in-defectível príncipe real em roupas guerreiras – para esses arquipélagos argentinos, ocupados no século XIX. A presidente argentina Cristina Kir-chner denunciou a escalada militar inglesa e anunciou que irá apresentar a questão na ONU – que tem resolução determinando a soberania argentina sobre as Malvinas. Os países da América Latina exigem o fim da ocupação inglesa. O enclave colonial nas Malvinas é uma agressão a todos os países que se libertaram do colonialismo – como frisou a presidente argentina.

Edição 3030
08 de fevereiro

Leilão na Bolsa teve protesto da CUT e CGTB

Tucanos festejam primeira privataria federal realizada depois de 9 anos

BNDES vai bancar 80% dos gastos de grupos que levaram Brasília, Cumbica e Viracopos

Os aeroportos de Guarulhos, Brasília e Viracopos, foram leiloados a um preço tão baixo que houve quem oferecesse mais de cinco vezes o valor estabelecido pelo governo. Mas os açambarcadores não pagarão nada agora: o lance do leilão será parcelado em 20 a 30 anos, dependendo do tempo de concessão, a partir de 2013. Os investimentos futuros serão em 80% financiados pelo BNDES, assim como 90% dos “itens financiáveis”. Múmias tucanas saíram do sarcófago para saudar o grande negócio.

Edição 3029
03 de fevereiro

Selic alta fez valor ser 21% maior que 2010

Setor público transfere a bancos 236 bilhões de juros durante 2011

Lucro dos bancos no ano dá salto, turbinado pela magnânima taxa do BC

Em 2011, as transferências do setor público aos bancos, via juros, montaram a R$ 236,6 bilhões. Um aumento de 21,1% em relação a 2010 – em dinheiro, +R$ 41,3 bilhões. Só esse aumento supera a verba efetivamente dispendida por 17 Ministérios. A maior parte das transferências em juros para os bancos foi do governo federal (R$ 201 bilhões ou 85% do total). O aumento do gasto foi devido aos cinco aumentos da taxa básica de juros, perpetrados pelo BC em 2011. Enquanto isso, o Santander aumentou seu lucro para R$ 7,5 bilhões e o Bradesco para R$ 11 bilhões.

Edição 3028
01 de fevereiro

Importar vício imperialista faz mal à saúde

Para o MP, negar vistos e socorro a haitianos viola direitos humanos

Ministério Público entra com ação para União os receber como refugiados

O Ministério Público Federal (MPF) protocolou uma ação em que requer que o governo brasileiro cesse “todo e qualquer impedimento injustificado” para o ingresso dos imigrantes haitianos no país. “O Brasil vem atentando duplamente contra os direitos humanos dessas pessoas”, assinala o MPF, “ao deixar de prestar-lhes assistência humanitária devida e ao dificultar o ingresso em território brasileiro”. A ação é assinada pelo procurador da República, Anselmo Henrique Cordeiro Lopes, do Ministério Público Federal no Acre.

Edição 3027
27 de fevereiro

Foxconn não pagará também PIS e Cofins

Múlti que comparou trabalhador a animal ganha isenção de IPI

Empresa do vigarista taiwanês tem volumoso histórico de agressões contra classe operária

A multinacional taiwanesa Foxconn, que fabrica os iPads e iPods da Apple, e que ficou mundialmente conhecida pelos exorbitantes índices de suicídios entre seus funcionários, acaba de receber do governo federal benefícios fiscais para iniciar a montagem de tablets no Brasil. Segundo a portaria interministerial nº 34, assinada no último dia 23, a empresa terá direito a isenção no pagamento do IPI, PIS e Cofins, conforme possibilita o Decreto nº 5.906, de 26 de setembro de 2006. A Foxconn é de propriedade de Terry Gou (foto), que recentemente comparou seus empregados a “animais”. “Gerenciar 1 milhão de animais me dá dores de cabeça”, disse Gou durante encontro com gerentes da empresa.

Edição 3026
25 de janeiro

Quem quiser acreditar, é so esperar sentado

Para Mantega, o que freou PIB em 2011 fará o Brasil crescer agora

Gênio diz que juro alto, salário baixo, estímulo à importação é receita para o país crescer mais do que com Lula

Política de elevação de juros, contenção de salários, redução do investimento público, rebaixamento do câmbio, e de estímulo às importações ao capital externo, conduziu a resultados desastrosos no ano passado. Em janeiro de 2011, Mantega fez o vaticínio de que o país teria 5% de crescimento até dezembro. Estamos com menos de 3% e a produção industrial, que crescera 10,5% em 2010, arrasta-se com 0,4%. Agora, 12 meses depois, Mantega prevê “4 ou 5%” de crescimento, e anuncia novos cortes, mais R$ R$ 20 bilhões de confisco orçamentário para os juros, manter o câmbio subsidiando as importações. Em suma, promete que o país vai crescer pela redução do crescimento e os investimentos vão aumentar por sua diminuição. A mesma coisa, em versão piorada, de 2011.

Edição 3025
20 de janeiro

Financiamentos recuaram 18% em 2011

Investimento do BNDES cai pela primeira vez em 9 anos

Política econômica de “pé no breque” está desconstruindo a obra de Lula rapidamente

O BNDES, fonte principal, quase única, de financiamento dos investimentos das empresas nacionais, anunciou que seus desembolsos em 2011 diminuíram 18%. Os financiamentos à indústria caíram 19% e na região Sudeste, que reúne os três Estados mais industrializados, houve uma queda de 30%. Os financiamentos do Programa de Sustentação do Investimento (PSI), de estímulo à produção, aquisição, exportação e inovação tecnológica dos bens de capital – máquinas e equipamentos – caíram 33% depois que seus juros foram aumentados e o BNDES deixou de financiar 100% do produto. Em qualquer país do mundo, o investimento público é que impulsiona o investimento privado. No Brasil, que precisa urgentemente, para crescer, aumentar a taxa de investimento, alguns gênios reduziram o financiamento público do investimento privado para que as empresas fiquem penduradas nos bancos.

Edição 3024
18 de janeiro

A 7ª queda de janeiro a novembro de 2011

Emprego industrial no Brasil cai pelo 3º mês consecutivo, diz IBGE

Pior é ter que assistir Mantega disputar com Palocci quem é o mais “desenvolvimentista”

O desemprego na indústria aumentou em novembro, revelou o IBGE, tanto em relação ao mês anterior quanto ao mesmo mês de 2010. É o terceiro mês seguido e o sétimo mês, desde janeiro de 2011, em que há queda no emprego industrial. No maior parque fabril do país, o de São Paulo, o emprego caiu pelo oitavo mês consecutivo. Acossada pelos juros altos e um câmbio que subsidia as importações, a indústria, que cresceu 10,5% em 2010, teve até novembro o pífio crescimento de 0,4%.

Edição 3023
13 de janeiro

Após múltis controlarem nossas usinas

Brasil importa mais de 1 bilhão de litros de etanol dos EUA

Desnacionalização, câmbio e cartel subordinam setor às matrizes estrangeiras

Em 2011, o país importou 1 bilhão e 100 milhões de litros de etanol de milho dos EUA, um aumento de 1.384,8% em relação a 2010. Desde 2008, as exportações de etanol caíram 70%, enquanto as importações, que eram insignificantes, subiram, em três anos, 54.900%. Nesse período, o setor foi desnacionalizado e dominado por monopólios multinacionais. A construção de novas usinas caiu de 30 (2008) para 5 (2011) e o crescimento do setor desceu de 10,4% ao ano para 3,6%. Turbinadas pelo câmbio deformado pelos juros altos, as importações, quase todas dos EUA, decolaram.

Edição 3022
11 de janeiro

Ainda bem que ele é da paz...

Menos guerra, para Obama, é terror na Síria e bloqueio ao Irã

Candidato fala em cortar gasto militar enquanto intensifica agressões a governos não-alinhados

Obama apresentou na quinta-feira um plano cosmético de redução dos gastos militares que representa uma diminuição de US$ 45 bilhões a cada ano, durante uma década, ou seja, modestos 6,5% ao ano. Candidato à reeleição, Obama tenta enganar de novo aos que votaram nele por seu discurso contra a guerra do Iraque. Para agradar ao cartel belicista, ele ameaça a China, faz sanções ilegais contra o Irã, estimula o terror na Síria e agride governos soberanos.

Edição 3021
06 de janeiro

Não querem outro ano com aumento zero

Servidores deflagram mobilização nacional contra arrocho salarial

Presidenta assumiu o compromisso de abrir negociação em 30 dias

As entidades que representam o conjunto dos servidores públicos federais se reúnem em Brasília, na próxima terça-feira (10), para organizar uma ação conjunta visando barrar a política de arrocho contra o funcionalismo. O encontro, na sede da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef), tem como objetivo ampliar a unidade das categorias e definir a estratégia para enfrentar a tentativa do governo de impor mais um ano sem reajuste salarial das carreiras de Estado.