Ano 2016

Edição 3503
21 e 22 de Dezembro

Movida à propina roubada da Petrobrás

Odebrecht irrigou com 30 milhões do Caixa 2 a chapa Dilma-Temer

Os depoimentos dos 77 executivos da empresa já estão com o Supremo

Pela terceira vez, Temer aparece nos depoimentos dos funcionários da Odebrecht como destinatário de propinas do esquema que assaltou a Petrobrás. Um dos depoentes revelou que, nas eleições de 2014, a Odebrecht passou R$ 30 milhões ilegalmente – ou seja, de caixa 2 a caixa 2 – para a campanha da chapa Dilma-Temer. Antes fora revelado que, em reunião no Palácio do Jaburu, também em 2014, Temer e Marcelo Odebrecht acertaram propina de R$ 10 milhões. Em 2010, o suborno foi combinado no próprio escritório de Temer em São Paulo.

Edição 3502
16 a 20
de Dezembro

O chefe do cartel começou a falar

Marcelo Odebrecht confirma propina de 10 milhões a Temer

Depoimentos derrubam assessor do presidente que recebeu a bufunfa

 

O governo Temer, dizem alguns (inclusive o – nesse caso - insuspeito senador Caiado), acabou. Na segunda, em seu primeiro depoimento, Marcelo Odebrecht relatou a reunião com Temer no Jaburu, em que foi acertada uma propina de R$ 10 milhões. O fato aparecera, primeiro, no depoimento de Cláudio Melo Filho, diretor de relações institucionais da Odebrecht S.A. Na quarta, José Yunes, que recebera parte da propina, segundo Melo Filho, demitiu-se da assessoria de Temer. Falava-se na queda de Padilha e Moreira Franco. Quem mais restará no governo?

Edição 3501
14 e 15 de Dezembro

Listão da Odebrecht acusa mais de 70

Governo, Congresso e STF estão podres. Eleições Gerais Já!

E esses corruptos ainda querem assaltar a Saúde, Educação e Previdência

Com o depoimento de Cláudio Melo Filho, diretor de "relações institucionais" (isto é, distribuidor de propinas) da Odebrecht S.A. , uma situação inédita, que já se esboçava, consumou-se no Brasil: a exposição do completo apodrecimento da oligarquia política, toda ela comensal das propinas de monopólios privados internos ou estrangeiros. Que legitimidade tem esse governo ou esse Congresso? Qual a moral de Temer, Renan & cia. para cortar direitos do povo? E este é apenas o primeiro dos 77 depoimentos da Odebrecht – e referente a apenas uma das empresas do grupo!

Edição 3500
09 a 13
de Dezembro

Virou bagunça institucionalizada!

STF atende pedido de Temer e recoloca réu com 12 processos no comando do Senado

Atropelada a Constituição, a Lei da Ficha Limpa, além da moral e bons costumes

 

O "acordão" foi tão descarado que até o nome do ministro que iria abrir a divergência sobre o afastamento de Renan foi divulgado pela mídia horas antes da sessão do STF de quarta-feira. Na terça à noite, Lula e Dilma deram apoio ao acerto – o que fez com que Jorge Viana (PT-AC) agisse com especial desinibição para manter Renan na presidência do Senado, ignorando colegas de bancada. Contra a Lava Jato e para fazer o Senado escalpelar o povo, o elemento, com 12 processos, e contra a Constituição, foi recolocado na presidência do Senado.

Edição 3499
07 e 09 de Dezembro

Futuro do réu é dividir cela com Cunha

STF ouve a voz das ruas e tira Renan do comando do Senado

Depois de assaltar Petrobrás, abestado achou que poderia acabar com Moro e Lava Jato

Na segunda-feira, em decisão liminar, o ministro Marco Aurélio Mello, do STF, afastou Renan Calheiros, réu em processo de peculato, da presidência do Senado. A sentença foi exarada apenas algumas horas após centenas de milhares de pessoas saírem às ruas do país, pedindo o fim da indecente carreira de Calheiros na cabeça do Senado. Investigado em 12 processos com autorização do Supremo, tendo containers de provas sobre sua participação no esquema de propinas do cartel das empreiteiras para assaltar a Petrobrás – e mais os fundos de pensão, Belo Monte, as empresas terceirizadas, etc., etc. & etc., Calheiros tentava usar o Senado para conseguir impunidade e acabar com a Operação Lava Jato. Em sua sentença, o ministro ressaltou que era urgente afastar da linha de sucessão da Presidência da República um elemento envolvido em atos ilícitos.

Edição 3498
02 a 06
de Dezembro

Picaretas declaram guerra contra o povo

Corruptos da Câmara e Senado se blindam contra a Lava Jato e votam PEC da Morte

Enquanto isso, arrocho neoliberal iniciado por Dilma e continuado por Temer devasta o país

 

A desfiguração do projeto popular de medidas contra a corrupção, para torná-lo um projeto de proteção aos corruptos, feita na madrugada de quarta pelo PT, PMDB e outros partidos da Lava Jato, revoltou o país, já em levante contra a PEC 55/241, que congela gastos com Saúde, Educação e qualquer atendimento ao povo por 20 anos, mas deixa sem limite as despesas com juros. Os milhares de brasileiros que ocuparam Brasília e o repúdio, até o último rincão do país, estão apenas no começo.

Edição 3497
30 e 01 de Dezembro

Fez Planalto virar zona de baixo meretrício

Temer exigiu chicana que me faria cúmplice de Geddel, diz Calero

"Ele pensava que eu faria qualquer coisa pelo cargo de ministro", completou

O ex-ministro da Cultura Marcelo Calero descreveu, em entrevista, como Temer quis forçá-lo a ser "cúmplice" e ignorar a proibição do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) à construção do edifício onde o então ministro Geddel Vieira Lima teria um luxuoso apartamento. "Falou da ministra Grace Mendonça [Advogada-Geral da União], 'que tem conhecimento jurídico muito bom e poderia resolver a questão de um modo bom pra todos'. Queria que eu criasse uma chicana para que o caso fosse enviado à AGU".

Edição 3496
25 a 29
de Novembro

Virou o resumo moral do Planalto

Governistas apoiam fraude de Geddel e debocham do povo

Líderes que assinaram o manifesto pró-suíno são os mesmos que querem anistiar caixa 2

 

Com as delações da Odebrecht anunciadas, o governo Temer e seus apoiadores no Congresso transformaram-se num bando de corredores, que querem tornar inócuas as revelações, pela decretação de anistia ao caixa 2, e votando uma lei para declarar que investigá-los é "abuso de autoridade". Se vergonha já não havia, agora perderam-se as mínimas noções de alguma dignidade em público. Com o caso Geddel levando o governo à execração (depois que um ministro, em benefício próprio, achacou outro ministro, quem saiu do governo foi quem denunciou e quem ficou foi quem cometeu o delito), 27 líderes da base de Temer apoiaram o escroque, garantindo que Geddel é um gênio político. Geddel é o representante – o mais notório - dos investigados pela Lava Jato no governo e defensor da impunidade dos ladrões. Daí, a sua representatividade nesse meio.

Edição 3495
23 e 24 de Novembro

Queria enfiar 33 andares em área histórica

Temer mantém Geddel e tira ministro que não apoiou a sua falcatrua

Não adianta pressionar, respeito veto do Iphan, diz o novo ministro da Cultura Roberto Freire

O caso Geddel, que tentou extorquir (por cinco vezes) do ministro da Cultura que forçasse o Iphan a liberar um edifício de 33 andares, numa área histórica de Salvador, em que são permitidas construções de, no máximo, 13 andares, é a cara do governo Temer: o ministro que denunciou o ilícito – aliás, o crime – saiu do governo e o ministro que praticou o delito continua. Geddel iria ter um apartamento no edifício, denominado La Vue Ladeira da Barra - um nome, como se pode sentir, bem baiano.

Edição 3494
18 a 22
de Novembro

Projeto para assaltar servidores faz o Rio virar praça de guerra

Serviço sujo de Pezão antecipa o que Temer quer implantar no país com a sua PEC 55/241

 

O pacote do governador Pezão (PMDB), que prevê corte de 30% dos salários, assalto às aposentadorias e pensões dos servidores, entre outras maldades, revoltou o funcionalismo e colocou o Rio à beira da convulsão social, chegando ao ponto em que dois soldados do Batalhão de Choque da PM, chamado para reprimir as manifestações, na quarta-feira, abandonaram seus postos e foram embora para o quartel sob festa e aplausos dos manifestantes. O pacote de Pezão é uma versão fluminense da PEC 55 (antiga 241) de Temer.

Edição 3493
16 e 17 de Novembro

Nem citou Renan porque não precisava

Barroso do STF adverte sobre a Operação Abafa contra Lava Jato

"Vamos continuar nos arrastando na história, liderados pelos piores", disse o juiz do Supremo

O ministro Luís Roberto Barroso, do STF, manifestou-se "contra a operação abafa. Se não aproveitarmos esse momento, vamos continuar nos arrastando na história, liderados pelos piores. É preciso estar atento. A Lava Jato é símbolo de uma sociedade que se descobriu imersa em corrupção, em desmandos, e deseja sair disso". No Congresso, PMDB, PT, PSDB querem aprovar a impunidade dos que assaltaram a Petrobrás, através de, pelo menos, três infames projetos.

Edição 3492
11 a 15
de Novembro

O establishment ficou pendurado na brocha

Bruxa perde para ogro em eleição no centro do Império corroído pela crise

Política neoliberal de Obama-Hillary tirou 10 milhões de votos do PD

 

Apesar de todas as bênçãos de Wall Street e do establishment, de uma cruzada de mídia em seu favor sem precedentes e das pesquisas cruamente falsificadas, que até a véspera lhe davam a vitória "estatisticamente", a candidata democrata Hillary Clinton perdeu para Donald Trump, o desclassificado outsider republicano, na eleição que registrou a maior rejeição já vista a candidatos oficiais. Por causa do estelionato eleitoral da gestão Obama/Hillary, o Partido Democrata simplesmente perdeu dez milhões de votos (69.498.516 votos em 2008, contra 59.656.630 votos em 2016).

Edição 3491
09 e 10 de Novembro

Assalto ao bolso do povo não vai acabar bem

PMDB incendeia Rio anunciando confisco de 30% sobre servidores

502 mil funcionários da ativa, aposentados e pensionistas não irão na boa para o matadouro

O governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) anunciou que pretende implementar 22 medidas de arrocho contra o povo do Rio de Janeiro. Dentre elas está o confisco de 30% do salário dos servidores públicos. Pezão quer fazer essa insanidade com o aumento da contribuição previdenciária dos servidores de 11% para 14% e mais uma alíquota extraordinária de 16% - ou seja, 30% do salário dos servidores da ativa e dos proventos dos aposentados ou pensionistas do estado.

Edição 3490
04 a 08
de Novembro

Faltou dizer a quem Palocci obedecia

Delcídio relata que Vaccari fazia o que Palocci mandava

O depoimento foi dado à força-tarefa da Lava Jato em 11 de outubro

 

O ex-líder de Dilma e ex-senador petista Delcídio do Amaral, em depoimento aos procuradores que atuam na Operação Lava Jato, afirmou que "Antonio Palocci era como se fosse o 'software' do PT, enquanto João Vaccari e José Di Filipi eram 'hardware', ou seja, executores daquilo que Antonio Palocci pensava e estruturava". "Palocci" era "o principal interlocutor do presidente Lula" e "sabia que havia o esquema de corrupção no âmbito da Diretoria de Serviços da Petrobrás", ocupada por Renato Duque, que "se reuniu algumas vezes com Palocci".

Edição 3489
02 e 03 de Novembro

Para elite, ação contra ela é abuso de poder

Moro diz que projeto de Renan engessa o combate à corrupção

O sujo costura com Lula, Temer e Gilmar acordão para anular a Lava Jato

O juiz Sérgio Moro alertou na segunda-feira, em palestra no "Fórum de Gestão" da FACIAP (Federação de Associações Comerciais e Empresariais do Paraná) para os riscos à Lava Jato da aprovação do projeto (PLS 280) articulado pelo senador Renan Calheiros (PMDB-AL) (investigado em 12 processos no Supremo Tribunal Federal-STF) que sob o pretexto de combater supostos abusos de autoridades, visa, na verdade, brecar os trabalhos dos procuradores, da Polícia Federal e da Justiça contra a corrupção. "Haverá um engessamento do sistema" em benefício dos corruptos, advertiu Sérgio Moro.

Edição 3488
28 a 01
de Novembro

Felipe Parente operava para Sérgio Machado

Entregador de propina confessa que passou a Renan R$ 5 milhões

E o imundo quer que a presidente do STF tome as suas dores

 

Felipe Parente, o entregador de propinas usado pelo então presidente da Transpetro, Sérgio Machado, afirmou à Procuradoria Geral da República que passou R$ 5,5 milhões para Renan Calheiros – e também para Jáder Barbalho. O transportador pegava essas propinas nas empreiteiras Queiroz Galvão e UTC, E na empresa norueguesa de aluguel de navios Teekay Corporation. A intermediária designada por Renan era uma funcionária do Senado, Iara Jonas, que viajava de Brasília ao Rio para que Parente lhe entregasse o dinheiro do roubo.

Edição 3487
26 e 27 de Outubro

Por menos que isso, Cunha está em cana

Renan usa o Pedrão para obstruir Justiça e safar os corruptos

Polícia do Senado fazia varreduras em casa de parentes de senadores e até de ex-senadores

O diretor da polícia do Senado, Pedro Ricardo Araújo Carvalho, o Pedrão, único dos detidos de sexta-feira que continua preso, declarou à PF que "cumpriu ordens". Não disse de quem eram as ordens para sabotar a Operação Lava Jato. Na segunda-feira, o ataque de nervos do sr. Renan Calheiros, com imprecações contra a PF, contra o juiz Vallisney Oliveira e contra o ministro da Justiça, confirmaram a chefia das atividades ilegais para "impedir a atuação da Polícia Federal em diligências relacionadas à Operação Lava Jato e outras", como escreveu o juiz.

Edição 3486
21 a 25
de Outubro

Moro prende Cunha mas STF continua a protelar com Renan

Será que na Justiça, só o Paraná trabalha?

 

Finalmente, Cunha foi para a cadeia – é verdade que em caráter preventivo, pelas tentativas de impedir as investigações e pela possibilidade de fuga. Mais uma vez o país deve essa satisfação ao juiz Moro. No momento, Cunha é vizinho de Antonio Palocci e outros heróis da graxa e da mão molhada, em Curitiba. Os únicos que não ficaram satisfeitos foram os sequazes de Cunha, o senador Renan e o PT. Renan, ex-colega de Cunha desde a época da quadrilha de Collor, aliás, só não divide o mesmo hotel que Cunha por causa da morosidade crustácea do STF (como tem "foro privilegiado", o juiz Moro não pode tomar as providências que seriam de bom alvitre no caso). As provas – inclusive documentais – contra Cunha são irretorquíveis. Já dizia o grande Ulysses Guimarães: "Não roubar, não deixar roubar, pôr na cadeia quem roube, eis o primeiro mandamento da moral pública".

Edição 3485
19 e 20 de Outubro

PEC tira dos pobres para dar aos ricos

Se 241 valesse desde 1998, salário mínimo hoje seria R$ 400,00

Estudo preparado pela FGV expõe resultado da emenda que Câmara vai votar em 2º turno, dia 24

O resultado da votação em primeiro turno da PEC 241, que por 20 anos impede o aumento das despesas com o atendimento ao povo e deixa à solta as despesas com juros – com bancos, fundos e outros parasitas financeiros – foi a revivescência rápida, quase súbita, do sentimento de revolta da população. Centenas de milhares – que chegarão em poucos dias aos milhões – manifestaram-se contra esse estupro à Constituição e aos direitos mais elementares do povo brasileiro. O governo tentou calar estudiosos que demonstraram, no IPEA e na FGV, a catástrofe a que levaria esse dispositivo de silvérios e calabares. Na FGV, estudo indicou que, se a camisa de força que é o conteúdo da PEC 241 existisse desde 1998, o salário mínimo estaria em R$ 400,00, ao invés dos já exíguos R$ 880,00 atuais. No dia 24, haverá a votação em segundo turno na Câmara. Sindicatos, entidades estudantis, de mulheres, comunitárias, partidos populares pedem a derrota desse crime contra o país.

Edição 3484
14 a 18
de Outubro

Líder de Dilma no Senado sabe das coisas

Andrade Gutierrez pagou propina para chapa Dilma-Temer, diz Delcídio ao TSE

E nessa quarta-feira, FHC levou presidente do TSE a um almoço com Temer

 

O líder do governo Dilma no Senado, Delcídio Amaral, confirmou, na terça-feira, ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que investiga os crimes da chapa Dilma-Temer, a campanha à reeleição foi movida propina, paga pela empreiteira Andrade Gutierrez. O ex-presidente da empreiteira, Otávio Marques de Azevedo, já tinha confessado o ilícito. Em seu depoimento, ocorrido em 19 de setembro, ele informou ao ministro Herman Benjamin, relator das ações que pedem a cassação da chapa, que a empresa pagou R$ 1 milhão em propina para a reeleição da ex-presidente Dilma Rousseff e do atual Michel Temer.

Edição 3483
12 e 13 de Outubro

Tudo para garantir a gastança com o juro

Cachorrada aprova PEC que dá a ricos verbas da saúde e educação do povo

Emenda que congela por 20 anos despesa social irá à nova votação em 24/10

A PEC 241, que proíbe aumento real dos investimentos e dos gastos públicos com o povo – e deixa à solta os gastos com juros – por 20 anos, foi aprovada na votação em primeiro turno, na quarta feira, na Câmara, por 366 a 111 votos. Esse congelamento, que, se prevalecer, impediria qualquer obra para atender à população, tem como único objetivo desviar dinheiro público para os bancos, fundos e outros rentistas, e congelaria também o salário mínimo real da população.

Edição 3482
07 a 11
de Outubro

Ordem de Temer é debilitar a Petrobrás

Pacto Serra-Dilma para ampliar fatia de múlti no pré-sal passa na Câmara

Vendilhões da pátria obtiveram 292 votos

 

Com o apoio de Temer, o projeto de Serra que tira a Petrobrás da operação única do pré-sal foi aprovado por 292 votos a 101. O projeto já fora aprovado no Senado, devido, na época, ao apoio de Dilma – que evitou a derrota iminente do projeto de Serra. Na sessão da Câmara na quarta-feira, o PT forneceu ajuda ao deputado Aleluia (DEM/BA), relator do projeto na Câmara, armando uma palhaçada, com deputados com jalecos da Petrobrás. Evidentemente, depois do roubo à Petrobrás e do apoio ao projeto Serra no Senado, nada melhor para ajudar os entreguistas do que uma presepada supostamente contra o projeto – não é para ganhar batalhas que são armadas as presepadas.

Edição 3481
05 e 06 de Outubro

Tucanos cresceram, mas é só fogo de palha

PT perdeu 10 milhões de votos e PMDB teve 2 milhões a menos

O que interessa é que o povo está cada vez mais revoltado com a queda da economia e a corrupção

O primeiro turno das eleições municipais foi um desastre para o PT, que perdeu 10,6 milhões de votos para vereador – 61% da sua votação de 2012 – e, em parte, para o PMDB, que perdeu 2,5 milhões de votos. Além disso, as abstenções, votos em branco e nulos atingiram, por exemplo, 38,11% do eleitorado da cidade do Rio de Janeiro e 34,84% do eleitorado de São Paulo. A crise provocada pela política econômica de Dilma e Temer e a roubalheira contra a Petrobrás, selaram o destino do PT.

Edição 3480
30 a 04
de Setembro

Moro bloqueia R$ 30 milhões de Palocci

Justiça aperta cerco sobre Lula abatendo os seus operadores

Três ex-ministros e uma senadora alcançados pelo braço da Lei em seis dias

 

Nos últimos dias, quatro figuras de primeiro plano nos governos Lula e Dilma foram denunciados - e com sobra de provas. Na quarta, foram bloqueados R$ 30 milhões na conta do escritório do ex-ministro Palocci, o mesmo que provocou sua queda em 2011 – e que, desde então, todos sabem que seu negócio é tráfico de influência para obter vantagens ilícitas a seus "clientes". Sobretudo depois da revelação dos registros do "setor de operações estruturadas" da Odebrecht e dos arquivos no celular de Marcelo Odebrecht. Mas, que poder tinha Palocci para negociar medidas provisórias ou empréstimos do BNDES? Por que todos esses próceres petistas mostravam tanta desenvoltura no roubar? O único poder que tinham era sua relação com Lula.

Edição 3479
28 e 29 de Setembro

Cadeia é pouco para essa cambada!

Odebrecht entregou a Palocci 128 milhões para ficar sócio do PT

A Federal remeteu o ex-ministro para Curitiba na segunda

A prisão do ex-ministro Antonio Palocci, na segunda-feira, foi acompanhada de uma detalhada exposição das provas que incriminam o prócer petista, por parte da Polícia Federal e Ministério Público. A Odebrecht, que chamava Palocci de "italiano", estabeleceu, desde 2008, uma conta corrente que chamou de "Programa Especial Italiano" - foram passados R$ 128 milhões para o PT e o círculo de Palocci, correspondente a propinas que vão desde as sondas da Sete Brasil para explorar a Petrobrás até empréstimos do BNDES e a venda de medidas provisórias. Segundo os registros do "setor de operações estruturadas" da Odebrecht e o celular de Marcelo Odebrecht, ainda havia um saldo de R$ 71 milhões.

Edição 3478
23 a 24
de Setembro

Rede e Psol impediram a votação

Golpe da bandidagem para anistiar caixa 2 perde no Congresso

Acordo espúrio entre PMDB, PT, PSDB, DEM, PR, PP foi patrocinado pela Casa Civil, mas Temer diz que nada sabia

 

Foi desmascarada na sessão da Câmara dos Deputados da segunda-feira uma conspiração para aprovar sorrateiramente um projeto que anistiava quem praticou caixa dois em eleições anteriores. A trama envolveu principalmente PSDB, PT, PMDB, DEM, PR e PP e tinha o aval do Planalto. Tudo estava acordado com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), para que, assim que fosse aprovada pelos deputados, tivesse o mesmo destino no Senado. Inicialmente, a sessão da Câmara havia sido convocada por Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da casa, para votar outras matérias, mas, sem que ninguém soubesse, além dos golpistas, o projeto foi colocado em votação. Geddel Vieira Lima, ministro da Secretaria de Governo de Temer, saiu em defesa do projeto de anistia. A reação principal foi comandada pelos deputados da Rede e do Psol.

Edição 3477
21 e 22 de Setembro

BankBoston aposentou-o com US$ 750 mil/ano

Ou aprovam 65 anos ou aposentadoria vai acabar, diz ministro

Governo quer assaltar Previdência para encher cofres dos banqueiros

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, declarou que "mais importante do que a idade que a pessoa vai se aposentar é a certeza de que ela vai receber a aposentadoria". A frase, exposta durante evento na Fiesp, na segunda-feira, é uma ameaça, chantagem com o trabalhador, ao manifestar que, ou ele aceita os 65 anos como idade mínima para se aposentar, além dos 35 anos de contribuição, ou poderá ficar sem aposentadoria. Essa "reforma", tão defendida pelo governo, visa apenas encontrar novos meios para aumentar ainda mais a transferência de dinheiro do povo para o setor financeiro, aos bancos.

Edição 3476
16 a 20
de Setembro

E o maluco quer 20 anos dessa desgraça 

Recado de Temer a 17 Estados falidos é que arrocho está apenas começando

Dinheiro só tem para os bancos, cujos lucros não param de crescer

 

Governadores de 17 estados se reuniram na última terça-feira com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, para cobrar um posicionamento sobre a renegociação das dívidas estaduais e pedir um socorro financeiro emergencial de R$ 7 bilhões. Meirelles disse que levará os pedidos a Temer para "discutir alternativas". Mas a secretária do Tesouro, Ana Paula Vescovi, declarou que o governo não vai abrir negociação com os Estados. Segundo ela, "a renegociação já foi feita". Após a reunião, ao menos 14 estados afirmaram que irão declarar situação de calamidade pública, assim como fez o Rio de Janeiro.

Edição 3475
14 e 15 de Setembro

'Sua Excelência, o Povo, jamais aceitaria', disse

Nova chefe do STF não vê chance de réus da Lava Jato ficarem impunes

Renan, Gilmar, Temer e Lula ouvem quietos mas continuam conspirando

"Eu acho que ilícito é ilícito. Anistia só pode ser concedida quando houver uma causa social que justifique. Eu não acho que a sociedade brasileira vá aceitar esse tipo de conduta", declarou a nova presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, sobre a conspiração de investigados pela Operação Lava Jato, para escaparem ao longo braço da Lei e da Justiça. A ministra frisou que "os ilícitos são contra a sociedade". Cármen Lúcia tomou posse na segunda-feira, em concorrida cerimônia.

Edição 3474
09 a 13
de Setembro

Meirelles diz que medidas amargas para aposentados virão após eleição

Ele prefere que essa questão não interfira no resultado das urnas

 

Em meio à ânsia por servir aos bancos, fundos, multinacionais e outros rentistas, com os sagazes tucanos encenando exigências de que Temer envie ao Congresso seu projeto de estupro da Previdência, os áulicos do Planalto saíram a campo, garantindo sua submissão – e garantindo que vão submeter o país para que mais dinheiro seja transferido, sob a forma de juros, do setor público para o setor financeiro. Mais malandro, Meirelles declarou que mais uns dias menos uns dias, não farão muita diferença. Aconselhou, portanto, outro estelionato eleitoral.

Edição 3473
07 e 08 de Setembro

Acordão para a impichada poder ocupar cargo público revolta o povo

Fora Temer! Novas eleições já!

Estelionato eleitoral, arrocho e entreguismo cobram o seu preço

O comparecimento às manifestações contra o governo Temer, no último domingo, demonstraram que os brasileiros, com toda a razão, não vêm grande diferença – aliás, nenhuma diferença importante – entre Temer e Dilma. Trata-se de um governo ilegítimo, oriundo de outro governo ilegítimo, descarga de estelionato eleitoral e roubo contra a Petrobrás. Não há crime que Dilma tenha cometido – inclusive os decretos para abrir créditos sem autorização do Congresso - que Temer não tenha cometido. Todas as medidas reacionárias, antinacionais, antipopulares – e, portanto, antidemocráticas – que essa senhora tomou, contaram com o apoio, e, mais que simples apoio, a articulação de Temer para que o Congresso as aprovasse. Temer era articulador oficial de Dilma durante o ataque aos direitos previdenciários (seguro-desemprego, pensão por morte, abono salarial) no início do ano passado. Foi protagonista, com Dilma, de toda a campanha eleitoral difamatória – pelo menos não abriu a boca contra o marketing filo-nazista, de que se beneficiou – e do estelionato eleitoral que se seguiu, esse mesmo estelionato que faz com que haja uma aguda indignação no país contra as trapaças e o acerto entre os investigados pela Lava Jato, no Senado, para livrar Dilma da punição determinada pela Constituição para os seus crimes. Não nos livramos de uma quadrilha para trocá-la por outra, que nem é muito diferente, e cujo programa é completar a destruição começada por Dilma. Não há solução pacífica que não seja a convocação de novas eleições.

Edição 3472
02 a 06
de Setembro

Ases da corrupção e seus acordos soturnos

PT troca pena menor a Dilma por salvação do mandato de Cunha

No bonde do Renan, o refrão é 'mata Moro e termina a Lava Jato'

 

O país livrou-se da ex-presidenta Rousseff por um adiantado placar, que aumentou ainda mais em relação às votações anteriores. O PT, não satisfeito com o seu desastre, aumentou-o, fazendo um acerto com Renan para livrar os investigados pela Operação Lava Jato – o próprio Renan, Lula, Dilma, Cunha & peixes um pouco menores. Assim, atropelando a Constituição e com defesa de Renan da proposta do PT, aliviou-se a ex-presidenta da outra pena – aliás, obrigatória – para os crimes de responsabilidade: a inabilitação durante oito anos para funções públicas.

Edição 3471
31 e 01 de Setembro

Chapa Dilma-Temer desgraçou o país

Antipatia de Dilma amplia vantagem pró-impeachment no Senado Federal

Estelionato eleitoral, arrocho e entreguismo cobram o seu preço

O discurso de Dilma no Senado, segundo o qual não é responsável por nada – nem pelos três milhões de desempregados a mais, nem pelo arrocho salarial, nem pela quebradeira das empresas, nem pela roubalheira ou pelas "pedaladas" - e não errou em nada, pois tudo foi inevitável, conseguiu ganhar vários votos contra ela. Em sua extraordinária concepção de democracia, se os senadores votarem contra ela, serão "golpistas"; se votarem a favor, serão "democratas". De onde se conclui que "golpista" é todo aquele que não concorda com ela.

Edição 3470
26 a 30
de Ago

Gilmar, Temer, Renan e Lula conspiram

Juízes repudiam tramoia de tucano do Supremo para abafar Lava Jato

Obstruir investigação interessa a corruptos e corruptores, afirma o senador Randolfe

 

O presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), João Ricardo Costa, em nota divulgada na quarta-feira, rechaçou as ataques do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, contra os procuradores e contra a Operação Lava Jato. "É lamentável que um ministro do STF, em período de grave crise no país, milite contra as investigações da Operação Lava Jato, com a intenção de decretar o seu fim".

Edição 3469
24 e 25 de Agosto

Aloprados culpam PF e Justiça pela crise

Cut diz que Lula vai estrelar ato em favor da corrupção, contra Moro e a Lava Jato

PT e governo Temer cada vez mais convergem em prol da Operação Abafa

A Cut emitiu convocatória para um ato, com a presença de Lula, contra a Operação Lava Jato, segundo a concepção lulista de que não é a política de Dilma e Temer – juros altos, corte dos investimentos, arrocho salarial, desemprego – que esculhamba a economia do país e infelicita o povo. Pelo contrário, dizem eles, o que atrapalha é a polícia, os procuradores e a Justiça ficarem investigando e punindo ladrões do dinheiro público e da propriedade pública, como no assalto à Petrobrás, e impedindo o PT e outros partidos de levarem uma propina.

Edição 3468
19 a 23
de Ago

Sonha torná-los um bando de golpistas

Dilma quer que vinte e oito senadores lhe dêem presidência que perdeu por trair o país

Mãe da crise condenou milhões ao desemprego e agora se faz de vítima

 

Em sua carta aos senadores, que não entregou aos senadores, Dilma diz que não pode ser afastada pelo "conjunto da obra". Dilma está afastada porque traiu o povo, a começar pelos 54 milhões que votaram nela, traiu o país e traiu cada palavra que disse na campanha eleitoral. Quem se atreveria a tentar afastá-la, se ela não houvesse traído a Nação? Sua carta tem uma peculiar noção de democracia, que se limita à sua volta à Presidência. Seu apoio a um plebiscito para antecipar as eleições inclui penduricalhos que o tornariam inviável.

Edição 3467
17 e 18 de Agosto

Cortar Saúde, Educação e aposentados

Meirelles anuncia que vai aumentar imposto se arrocho não passar

Só está esperando o impeachment para fazer as duas coisas

Meirelles é a demonstração viva (até certo ponto) de que a diferença entre Temer e Dilma é uma disputa de qual o chefe da quadrilha que pretende agir como feitor dos bancos, multinacionais e demais monopólios sobre o país. Ele é o preferido de Lula e Temer para o mesmo lugar – a Fazenda – e Dilma o enche de elogios pastosos, assim como ele elogia Levy, ministro da Fazenda de Dilma. Agora, exumou uma das magníficas teses do governo Dilma: o aumento dos impostos.

Edição 3466
12 a 16
de Ago

Dilma sai em agosto, Cunha em setembro, falta Temer e Renan

Brasil está se livrando dos trastes, mas enquanto não completar a limpeza economia seguirá piorando

 

Depois de três meses de articulações, reuniões, viagens, voos pela FAB e sem a FAB, cafés no Alvorada, quatro versões de uma carta que não saiu, promessas para não cumprir, declarações em jornal sobre a excelência do seu governo e o escambau, Dilma conseguiu aumentar o número de senadores que votaram contra ela na terça-feira, em relação aos que fizeram o mesmo no dia 12 de maio. Agora ré no processo, será julgada no dia 25 deste mês. Na Câmara, o julgamento de Cunha foi marcado para o dia 12 de setembro. O Brasil real, como sempre de forma original, está, aos poucos, varrendo e sepultando o Brasil oficial que nada tem a ver com o país em que vive o povo brasileiro. Certamente, ainda falta Temer, Renan e outros monturos que afundam o país, com seu programa de tornarem-se feitores dos monopólios financeiros e cartéis externos.

Edição 3465
10 e 11 de Agosto

Não foi só Dilma que embolsou a grana

Odebrecht delata que pagou propina de R$ 44 milhões a Serra e a Temer

Ministro interino catou 34 milhões de reais em 2010 e presidente ficou com 10 milhões em 2014

Executivos da Odebrecht, e o próprio Marcelo Odebrecht, confessaram aos procuradores da Operação Lava Jato que passaram R$ 34,5 milhões (em valores atuais) via caixa dois para a campanha de Serra em 2010. Além disso, a Odebrecht passou R$ 10 milhões, a pedido de Temer, para a campanha do PMDB em 2014. Os diretores da empreiteira irão apresentar documentos comprobatórios. Em nota, Serra afirmou que sua campanha "foi conduzida em acordo com a legislação eleitoral em vigor".

Edição 3464
05 a 09
de Ago

Madame cuspiu no prato que comeu

Dilma diz que PT tem que fazer autocrítica por roubar. Ela, não

Beneficiária usou grana para se eleger e mentir sobre a destruição que planejava impor ao país

 

A presidente afastada Dilma Rousseff disse que o PT precisa de "uma grande transformação em que se reconheça todos os erros que cometeu do ponto de vista da questão ética e da condução de todos os processos de uso de verbas públicas". Em suma, tem que fazer autocrítica por roubar. Quanto a ela, não fez nada. Sempre são os outros. Mesmo que o marketeiro da sua campanha tenha sido pago, em milhões de dólares de propina advinda do roubo à Petrobrás.

Edição 3463
03 e 04 de Agosto

Quanto menor o preço, maior a propina

Temer copia Dilma e manda lacaio vender campo da Petrobrás 80% abaixo do valor

Operação criminosa inclui a venda da BR, gasodutos e a frota dos petroleiros

O governo Temer cometeu o maior crime contra o povo brasileiro, desde que Dilma entregou parte do campo de Libra, no pré-sal, à Shell e à Total. O notório Pedro Parente das negociatas contra a Petrobrás no governo Fernando Henrique, cedeu o campo de Carcará, também no pré-sal, a uma multinacional norueguesa, pelo preço ínfimo de US$ 2,5 (dois dólares e meio) cada barril de petróleo. "Eles [governo Temer] estão pisando fundo na senda ruinosa que a senhora Rousseff iniciou", declarou o professor Ildo Sauer, ex-diretor da Petrobrás.

Edição 3462
29 a 02
de Ago

Dólares em conta na Suíça não deixam dúvida

Madame deu a ordem para pagar marketeiro com propina que o PT desviou da Petrobrás

Dilma joga a culpa em João Vaccari Neto, mas é público e notório que quem mandava era ela

 

Dilma apresentou a quarta versão sobre o propinoduto em sua campanha eleitoral. Dessa vez, a culpa dos US$ 4,5 milhões de propinas que foram depositados na conta do marketeiro João Santana, na Suíça, é do PT, mais especificamente, da "tesouraria do PT". Como se João Vaccari tivesse gasto US$ 4,5 milhões das propinas que o PT recebia, pagando ao marketeiro de Dilma, porque lhe deu na telha, sem nenhuma ordem de cima, isto é, da própria Dilma, principal beneficiada.

Edição 3461
27 e 28 de Julho

Marqueteiro foi pago por doleiro Zwi

Dilma esclarece que a sua campanha utilizou propina não autorizada

Afastada muda a versão depois do depoimento de João Santana a juiz Moro

Segundo Dilma Rousseff, o caixa dois composto de propinas, que passou US$ 4,5 milhões para o marketeiro João Santana, nada tem a ver com ela porque os pagamentos foram depois de sua campanha, apesar dos serviços se referirem à campanha eleitoral. O atraso, portanto, legalizou a propina e o caixa dois... Além disso, disse ela que "não autorizou" o caixa dois. A presidente afastada, desde os depoimentos de Santana, da mulher deste e do lobista e doleiro Skornicki, mudou duas vezes a sua versão sobre os contêineres de propinas que irrigaram a sua campanha.

Edição 3460
22 a 26
de Jul

Como Dilma, Temer prepara corte de direitos

Arrochar salários e aposentadorias não vai superar a crise, vai agravar

Motivo real do pacote é tirar de quem produz e encher os cofres de quem vive só de renda

 

O ministro do Trabalho disse que o governo pretende "aprimorar" as leis trabalhistas – naturalmente, tornando letra morta a CLT -, estender as terceirizações e tornar permanente o famigerado PPE de Dilma Rousseff, que permitiu o rebaixamento do salário nominal dos trabalhadores. Outro ministro falou em reformar – isto é, assaltar - a Previdência. São medidas muito boas para estrangular o mercado interno, acelerar as falências e jogar o país num poço ainda mais fundo do que hoje.

Edição 3459
20 e 21 de Julho

Esganada não quer saber de largar o osso

Mentirosa diz que se voltar apoia plebiscito que pede a sua saída

Dilma e o interino Temer são as duas faces da mesma moeda podre

Dilma prometeu que, quando terminar o recesso parlamentar, fará uma declaração – e até escreverá uma carta – aos senadores, prometendo convocar um plebiscito para antecipar as eleições presidenciais, se voltar ao poder. Por que razão alguém quer voltar ao poder somente para presidir à sua própria saída desse poder (pois não há dúvida sobre o resultado do plebiscito)? Evidentemente, ela não pretende fazer nada disso. Quanto à política econômica, se voltasse, não mudaria nada: daí os elogios a Meirelles e à sua própria política, que quebrou o país.

Edição 3458
15 a 19
de Jul

PLS 280 criminaliza atividade judicial, diz Ajufe

Projeto de Renan para proteger os políticos ladrões revolta o Brasil

Cambada quer tornar ilegal tecnologia de Moro: delação premiada dos presos, uso de grampos e prisão preventiva

 

Procuradores definiram o projeto sobre um suposto "abuso de poder", do senador Renan Calheiros: "pretende-se transformar em lei a vontade do criminoso de prender quem o investiga". Em petição pública, os juízes federais denunciaram que dispositivos do projeto "criminalizam a atividade judicial, abrindo a possibilidade de punição ao juiz pelo simples fato de interpretar a lei". Calheiros tentou aprovar o projeto a toque de caixa – e sem passar pelo plenário do Senado – e fracassou.

Edição 3457
13 e 14 de Julho

STJ solta corruptos na fase 1 do plano para deter Lava Jato

Na foto, juiz que liberou Cachoeira posa com o deputado cassado André Vargas, parceiro do doleiro Yousseff

Pministro Néfi Cordeiro, do STJ, soltou Cachoeira, Cavendish e outros elementos que estavam em prisão preventiva por desviar, para empresas-fantasmas, R$ 370 milhões em dinheiro público. A Delta, de Cavendish, recebeu R$ 11 bilhões do governo de 2007 a 2012, o que constituiu 96,3% do seu faturamento. Esses quadrilheiros continuaram a delinquir mesmo sob investigação, mesmo depois de processados, e, nos casos em que já foram a julgamento por outros crimes, mesmo depois de condenados – no caso de Cachoeira, a 39 anos de cadeia; no caso de Adir Assad, que operava para o PT, a 10 anos de cadeia. O ministro do STJ que soltou os meliantes foi indicado pela senadora petista Gleisi Hoffmann, pelo hoje presidiário André Vargas, pelo marido de Gleisi, Paulo Bernardo, e pelo ex-ministro Gilberto Carvalho. Tudo igual à tentativa anterior de golpe contra a Lava Jato, em que Dilma nomeou um ministro no STJ para que soltasse Odebrecht e Azevedo (da Andrade Gutierrez), aliás, sem sucesso.

Edição 3456
08 a 12
de Jul

Musa da motosserra encanta o PT

Kátia Abreu resume defesa de Dilma: 'não foi ela sozinha, todo o governo roubava'

Essa é a ética que aqueles que vivem do seu próprio trabalho precisam enterrar

 

Para a senadora e ex-ministra da Agricultura, Kátia Abreu (PMDB-TO), "é uma injustiça" acusarem Dilma de ter roubado sozinha. "Eu pergunto. Foi ela sozinha ou foram todos que mamaram e sugaram esse governo durante cinco anos e agora estão do outro lado da mesa pedindo o impeachment da própria?", indagou Kátia Abreu, sob aplausos entusiasmados dos petistas e afins. "Foi ela sozinha que destruiu a Petrobrás, ou foram todos os partidos que fizeram essa lambança toda que está vindo à tona com as delações da Lava Jato?", indagou Kátia Abreu.

Edição 3455
06 e 07 de Julho

Mal foi apertado e já começa a delatar


Renan diz que quer lei anti Lava Jato porque Gilmar Mendes pediu

Enquanto isso, acordão na Câmara tenta retirar urgência do projeto dos 10 pontos anticorrupção

Depois de fracassar na tentativa de impeachment do procurador Rodrigo Janot, que pediu a sua prisão, o atual presidente do Senado, Renan Calheiros, exumou um projeto supostamente contra "abuso de autoridades", que a Câmara, há sete anos, mandou para os arquivos. O ministro Gilmar Mendes teria sido o pai da ideia. Como disseram vários senadores, o projeto é vergonhoso, apenas mais uma tentativa de frear a Operação Lava Jato. Calheiros está sendo investigado em 12 inquéritos.

Edição 3454
01 a 05
de Jul

Até deu uma aumentada no Bolsa Família

Temer adia pacote de maldades para depois da votação do impeachment

Corte de aposentadorias, Educação, Saúde, direitos trabalhistas virá a seguir

 

O programa do governo Temer, no momento, é esperar pelo impeachment e pelas eleições municipais. Daí a performance das últimas semanas: o ataque à Previdência foi suspenso; os funcionários tiveram os salários aumentados; as verbas cortadas por Dilma foram liberadas; a entrega do setor aéreo às multinacionais será vetada; os Estados tiveram a dívida suspensa até o próximo ano; e até o Bolsa-família levou um aumento de 12,5%, superior ao anunciado por Dilma no primeiro de maio (9%). Depois do impeachment e das eleições, o verdadeiro programa do governo Temer.

Edição 3453
29 e 30 de Junho

"A democracia sou eu", proclamou


Dilma diz que se voltar ao Planalto não vai sair nem que a vaca tussa

Rejeitada ainda não percebeu o quanto todos a detestam

Em entrevista à Agência Pública, disse a presidenta afastada Dilma Rousseff que, se voltar ao governo, "eu farei basicamente um governo de transição. Porque é um governo que vai ter dois anos, e o que nós temos de garantir neste momento é a qualidade da democracia no Brasil, o que vai ocorrer em 2018". Sobre o seu recentemente propalado compromisso de convocar um plebiscito para antecipar as eleições, respondeu que "não, não. Está em discussão isso. Não há um consenso". Depois, repetiu as mesmas declarações, desta vez à Rádio Guaíba.

Edição 3452
24 a 28
de Jun

Havia 3 anos que situação já era grave

Samarco sabia que a barragem iria romper mas não quis avisar, diz a Polícia Federal

Se a Vale não tivesse sido privatizada, esta desgraça não ocorreria

 

A PF afirmou, na conclusão do inquérito sobre o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG), que a direção da Samarco sabia dos riscos de rompimento da barragem pelo menos três anos antes do ocorrido. A remoção da população do distrito de Bento Rodrigues foi cogitada, em mensagens trocadas pelos diretores da empresa, ainda em 2012. Mas descartada em seguida. Para o delegado Roger Lima Moura "eles sabiam do risco de que Bento Rodrigues poderia ser atingido. Temos inclusive documentos internos e conversas falando se iria ou não levar os estudos para o licenciamento ambiental".

Edição 3451
22 e 23 de Junho

Maiores partidos se viciaram em corrupção


PT, PMDB e PSDB são incapazes de montar um governo honesto

Desvio de recursos do Orçamento para juros dos bancos por 7 anos

Lula, Dilma, Renan, Cunha, Aécio, Temer, Serra, Collor, Agripino, Delcídio, Mercadante, Gleisi, Jucá, Alves, Jader, Paes, Sarney, Edinho, Alckmin, FH e demais caciques do PT, PMDB, PSDB e seus satélites estão viciados no sistema de propinas e não vão mudar. Fica claro porque nenhum deles esboçou o menor sinal de arrependimento pela roubalheira que promoveram e só se preocupam em arranjar um jeito de escapar da Lava Jato, se possível acabando com ela.

Edição 3450
17 a 21
de Jun

PMDB, PT e PSDB querem sair impunes

Renan ameaça Janot com o impeachment para acabar Lava Jato

Machado conta que deu mais de R$ 100 milhões retirados da Transpetro

 

Calheiros declarou que pretende dar prosseguimento à tentativa de impeachment em cima do procurador Janot. O motivo é o pedido de prisão de Renan e a confissão de Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, que revelou seu fornecimento de "mais de R$ 100 milhões" em propinas à cúpula do PMDB, dos quais R$ 32 milhões foram para Renan Calheiros, de longe o melhor aquinhoado. A obsessão de todos os ratos da República – todos mortos de medo de ir para a cadeia – é acabar com a Operação Lava Jato, do PT ao PMDB, passando pelo PSDB.

Edição 3449
15 e 16 de Junho

Para tirar dinheiro da Saúde e Educação


Temer aprova projeto de Dilma de aumentar DRU de 20% para 30%

Desvio de recursos do Orçamento para juros dos bancos por 7 anos

O aumento da Desvinculação das Receitas da União (DRU), de 20% para 30% da arrecadação destinada à Saúde, Educação, Previdência e outras necessidades do povo – desviando essas verbas para as transferências de juros aos bancos, fundos e demais rentistas – foi aprovada, na Câmara, na última quarta-feira. A proposta fora enviada ao Congresso em abril do ano passado pela então presidenta Dilma e desvia verbas até o ano de 2023. A bancada do PT esqueceu rapidamente a origem do projeto e descobriu agora que a DRU é um atentado às conquistas sociais.

Edição 3448
10 a 14
de Jun

Não foi só Odebrecht que pagou propina

Caixa 2 de Dilma teve US$ 4.500.000,00 da Keppel Fels em 2014

Skornicki fez nove transferências de US$ 500 mil do Citi Bank (EUA) para conta na Suíça do marqueteiro do PT

 

O lobista Zwi Skornicki, da Keppel, dona do estaleiro Keppel Fels, com sede em Singapura, confessou que os US$ 4,5 milhões que passou para uma empresa de fachada do marketeiro de Dilma, João Santana, eram para a campanha presidencial de 2014. O então tesoureiro do PT, João Vaccari, foi quem orientou que o dinheiro das propinas para roubar a Petrobrás fosse depositada numa conta do Banque Heritage, na Suíça, a partir do Citibank em Nova Iorque. Todo o esquema foi desvendado pela Polícia Federal, a partir de uma revelação de Pedro Barusco, ex-gerente da Petrobrás e ex-vice-presidente da Sete Brasil. Com a quebra de sigilo nas contas que abasteceram a empresa de fachada de Santana, verificou-se que entre setembro de 2013 e novembro de 2014 houve nove transferências de US$ 500 mil cada uma. No Paraná, a mulher de Santana, Mônica Moura, negocia também a sua confissão.

Edição 3447
08 e 09 de Junho

Confessou aos procuradores da Lava Jato


Odebrecht diz que pôs 12 milhões no caixa 2 de Dilma porque 'ela pediu'

R$ 6 milhões foram para pagar marqueteiro João Santana e R$ 6 milhões para os aliados do PMDB

Depois de transferir R$ 14 milhões para os cofres oficiais da campanha de Dilma, Marcelo Odebrecht recebeu a visita do tesoureiro da campanha, o ex-ministro Edinho Silva, que lhe pediu, por fora da contabilidade oficial, mais R$ 12 milhões – para pagar o marketeiro João Santana e pagar (ou comprar) seus aliados do PMDB. Odebrecht foi confirmar com Dilma, que lhe disse: "é para pagar". O caixa dois foi revelado durante as negociações para a colaboração de Odebrecht na Lava Jato.

Edição 3446
03 a 07
de Jun

PF detectou 6 vezes mais que o declarado

Vale mentiu sobre o volume de lama que jogou em barragem

Única providência tomada pela dona da Samarco foi para ocultar o crime, diz o laudo da Polícia Federal

 

As investigações da Polícia Federal (PF) concluíram que a mineradora Vale fraudou dados, adulterando números nos documentos, e lançou seis vezes mais rejeitos de minério do que declarou na barragem de Fundão, da Samarco, que se rompeu devastando o distrito de Bento Rodrigues, em Mariana (MG) e matando 19 pessoas. Segundo a PF, foram lançados 18 milhões de metros cúbicos de rejeitos líquidos na barragem, destes, 28% foram despejados pela Vale, que havia declarado ser responsável por apenas 5% do material.

Edição 3445
01 e 02 de Junho

PT, PMDB e PSDB não querem largar o osso


Gravação flagra outro ministro de Temer em ação contra Lava Jato

Interino só demitiu o animal após servidores realizarem parede para impedir a sua entrada no gabinete

O ministro da Transparência de Temer caiu após ficar evidenciada sua participação na sabotagem à Operação Lava Jato, quando membro do Conselho Nacional de Justiça. O elemento, um certo Fabiano Silveira, tentava obter informações – sobretudo tentando envolver o Procurador Geral – para repassá-las a suspeitos e orientá-los sobre como deviam agir. É verdade que não parece ter obtido grande coisa – até porque o procurador Janot não é bobo - e somente o senador Renan Calheiros ficou algo entusiasmado com as informações, o que não é, propriamente, algo fora da rotina. Estamos vivendo a derrocada de um estado de coisas que redundou na mais cínica falsificação da democracia, com o apodrecimento cada vez maior dos partidos que formam esse establishment espúrio – qual a diferença essencial entre PMDB, PT e PSDB? Absolutamente nenhuma.

Edição 3444
27 a 31
de Maio

Meta de Meirelles é fechar ano com 14 milhões

Desemprego bate em 11,1 milhões e com política de Temer vai piorar

Só de empregos com carteira, o Brasil está perdendo 5.000 vagas por dia, há 12 meses

 

Em um universo de 101,728 milhões de pessoas dentro da força de trabalho, 11,1 milhões estavam desempregados no primeiro trimestre, segundo a Pnad Contínua, divulgada pelo IBGE. Nos três primeiros meses do ano passado, o número de desempregados era de 7,9 milhões. Portanto, em um ano houve um crescimento de 3,2 milhões de desempregados sob o governo Dilma. Com a política recessiva de Temer a situação vai piorar. Meirelles já projeta mais 3 milhões de demissões até o final do ano.

Edição 3443
25 e 26 de Maio

Temer diz que seguirá contando com o criminoso


Gravação mostra Jucá, como Lula e Dilma, tentando parar a Lava Jato

Só há um jeito para arrancarmos essas quadrilhas do poder: Eleições Gerais Já!

O presidente do PMDB, Romero Jucá, foi obrigado a sair do governo, após gravações evidenciarem sua atividade para obstruir a Justiça e acabar com a Operação Lava Jato. "Tem que resolver essa porra. Estancar essa sangria", diz Jucá nas gravações. O PT - a começar por Dilma, que, com Lula, também é investigada por obstruir a Justiça -, até a véspera acusava a Lava Jato de golpista; agora, resolveu que o golpe foi dado para acabar com a Lava Jato.

Edição 3442
20 a 24
de Maio

Ela queria 67 anos para homens e mulheres

Meirelles assume plano Dilma para aposentadoria só valer após os 65

Querem tirar da Previdência para transferir mais do setor público ao setor financeiro através dos juros

 

Meirelles corrigiu Temer – que falara em não atacar os "direitos adquiridos" dos trabalhadores. Segundo esse gênio do Direito, os trabalhadores não têm direitos adquiridos quanto à Previdência, mas apenas "expectativas de direito". Logo, ele quer estabelecer a idade mínima de 65 anos para os trabalhadores – homens ou mulheres – se aposentarem, inclusive todos os trabalhadores e trabalhadoras que estão hoje na ativa, não somente os que ingressarem no mercado de trabalho. Disse ele que há países que estão estabelecendo 67 anos como idade mínima de aposentadoria para homens e mulheres – tal como no projeto do governo Dilma. Meirelles contenta-se, por agora, com 65 anos, para impedir que os aposentados fiquem muito tempo recebendo suas pensões. Assim, sobraria mais dinheiro da Previdência para ser desviado, sob a forma de juros, para os bancos.

Edição 3441
18 e 19 de Maio

Para ser igual a Dilma, só falta o cabelo


Meirelles anuncia: prioridade é cortar Previdência, depois aumentar imposto

Ao vivo e em cores, esse é o ministro que Lula queria para comandar a economia

As prioridades do ministro da Fazenda de Temer, Henrique Meirelles, são: obrigar os trabalhadores a somente se aposentarem à beira da cova, cortar a folha de pagamento e aumentar impostos para manter a sangria dos juros, a apropriação crescente da renda e do patrimônio por bancos, fundos e outros rentistas. Continuar a transferir centenas de bilhões de reais para os bancos, em juros, segundo Meirelles, é fundamental para acabar com a "insegurança sobre a sustentabilidade da dívida pública". O PT, portanto, não tem do que se queixar. Temer & Meirelles continuam fiéis à herança dilmista. Meirelles, elevado a ministro por Lula para fugir das investigações do MP e da PF sobre suas empresas de fachada, era também o candidato de Lula para o Ministério da Fazenda de Dilma.

Edição 3440
13 a 17
de Maio

PT promete queimar pneu até a louca voltar

Senado afasta Dilma. Mas com esse Temer não dá. Eleições Já!

A encostada perdeu votação por 55 a 22. O interino já assumiu

 

Dilma, afastada da Presidência pelo Senado até seu julgamento por crimes de responsabilidade contra o país, se despediu ao seu modo: mentindo e chamando a Câmara, o Senado, o STF e o povo de "golpistas". Disse que queriam impedi-la de executar "o programa escolhido pelos votos majoritários de 54 milhões", em suma, exatamente o programa que ela traiu, estelionato eleitoral que a levou a ser enxotada do Planalto. Enquanto isso, Temer instalava um governo em que até ele é suspeito de receber propinas, para fazer a mesma coisa que Dilma.

Edição 3439
11 e 12 de Maio

Interino diz que na próxima revoga o 7x1


Rolo do PT com Maranhão para Dilma ficar não durou 12 horas

Falta de semancol está empurrando o governo para um final patético

O governo Dilma e o governo Temer – se houver algo assim – são essencialmente a mesma coisa. Então, por que tanto apego ao poder, se é para fazer a mesma coisa – manter os juros acima do Everest, destruir as empresas nacionais, aumentar o desemprego, a miséria e a fome? O que realmente importa na política neoliberal, antinacional, é o roubo. Que duas maltas disputem quem vai ser o lacaio-mor dos bancos e demais rentistas, faz parte desse gangsterismo em forma de política, que é o neoliberalismo.

Edição 3438
06 a 10
de Maio

'PT e PMDB, núcleo do esquema criminoso'

Lula articulou Delcídio para comprar silêncio de Cerveró, diz Janot

Procurador-Geral reuniu provas da obstrução da Justiça e pediu também a investigação de Dilma

 

Na quinta-feira, o ministro Teori Zavascki, do STF, afastou Cunha da presidência da Câmara. No dia anterior, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu investigações sobre Lula, mais 30 próceres do PMDB e PT – e também sobre Dilma e Cardozo – por obstrução da Justiça. Lula tentou - através do então líder do governo Dilma no Senado, Delcídio do Amaral - comprar Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobrás, para que este não fechasse acordo de colaboração premiada com a força-tarefa da Lava Jato.

Edição 3437
04 e 05 de Maio

PT, PMDB e PSDB são a vergonha do Brasil


PGR pede a STF mais inquéritos contra Edinho, Cunha e Aécio

Investigados também Renan, Jucá, Marco Maia e outros amigos do alheio

O Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, abriu mais quatro inquéritos para investigar o ministro Edinho Silva (PT-SP), tesoureiro da campanha de Dilma em 2014; o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ); o presidente do PSDB, Aécio Neves (MG); o presidente do PMDB, Romero Jucá; o presidente do Senado, Renan Calheiros; o ex-presidente da Câmara Marco Maia (PT-RS). Os inquéritos são baseados na confissão do senador – e líder de Dilma até sua prisão – Delcídio do Amaral e em indícios materiais.

Edição 3436
29 a 03
de Maio

Prefere favorito de Lula para a economia

Temer monta governo para manter a política desastrosa de Dilma

Cresce o movimento por Eleições Gerais Já

 

Com uma presidenta menos ativa que a múmia de Ramsés II, com até o PT dando-se por derrotado no Senado, nos últimos dias foram anunciados vários nomes de um suposto governo Temer. O senador Lava Jato Jucá iria para o Planejamento e o candidato de Lula, o notório Henrique Meirelles, iria para a Fazenda. Finalmente, chegou a famosa "virada à esquerda" que o PT esperava que Lula imprimisse ao governo Dilma: o governo Dilma virado para a esquerda é o governo Temer. Da mesma forma, as propostas anunciadas pelos auxiliares deste são as mesmas de Dilma. Enquanto isso, cresce o clamor por eleições gerais – e Temer, apavorado, adaptou o mote de Dilma.

Edição 3435
27 e 28 de Abril

Enquanto os dois se digladiam


62% querem nova eleição pois não aceitam Dilma ou Temer, diz Ibope

Entre jovens até 24 anos, o índice sobe para 70%

Pesquisa publicada pelo IBOPE revela que 62% daqueles que foram entrevistados querem eleições para presidente imediatamente, rejeitando tanto a continuação de Dilma quanto sua substituição por Temer. No total, 92% dos entrevistados mostrou-se contra esta última alternativa. Entre os mais jovens, a preferência por eleições e pela saída de Dilma e Temer chega a 70%. Entre mulheres e homens – e, também, entre negros e brancos – a percentagem dos que querem o afastamento da parelha presidencial e a convocação de eleições foi praticamente a mesma. A vontade de iniciar o saneamento do país foi também majoritária entre os mais pobres.

Edição 3434
22 a 26 de Abril

Olho no Renan, para evitar surpresas

Senado promete que despachará Dilma para casa em três semanas

Com nove ministérios às moscas, a “injustiçada” passa governo ao “golpista” para ir badalar na ONU

 

No Senado, a procrastinação de Renan Calheiros foi atalhada na sessão de quarta-feira. A primeira reunião da comissão que trata do impeachment será na segunda-feira e a aceitação do processo é prevista em 20 dias – no máximo, até o dia 17 de maio. Os dias de Dilma no Planalto estão, portanto, contados. Mostrando o quanto acredita que o impeachment é golpe, ela passou a Presidência da República ao "golpista-chefe", Michel Temer, para denunciar em Nova Iorque o golpismo do mesmo cidadão. Trata-se de um combate ao golpismo muito original, que consiste em entregar o cargo ao golpista... Ministros do STF, partidos e personalidades denunciaram a tentativa de fugir à punição pelos crimes cometidos - como sempre, acusando outros das suas próprias intenções - numa situação em que Dilma não consegue quem aceite ser ministro: há nove Ministérios vagos.

Edição 3433
20 e 21 de Abril

Presidenta não teve nem um terço dos votos


Dilma já vai tarde. Faltam Temer, Cunha e Renan. Eleições Já!

Impeachment passa na Câmara dos Deputados e segue para o Senado

A aprovação da abertura do processo de impeachment de Dilma, por 367 votos (73%) a favor e apenas 137 votos contrários (ao todo, incluídas abstenções e faltas, 27%), mostra o isolamento a que chegou a política de asfixiar o país para aumentar a parcela dos bancos, fundos e outros rentistas, de mentir por atacado e da tentativa de eternizar-se no poder, sem nenhum projeto nacional – pelo contrário, arrasando o país com uma política antinacional – às custas do roubo à Petrobrás. A podridão do regime só poderá ser cauterizada de modo pacífico através de eleições gerais.

Edição 3432
15 a 19 de Abril

 

Sem o PMDB, PP e PSD, base de Dilma na Câmara evapora

República da Jararaca perde 15 deputados por dia para o impeachment

 

Com uma rapidez quase vertiginosa, as ilusões conservadas nas geladeiras do Planalto, Alvorada e outras dependências e aposentos presidenciais, se esboroaram contra a realidade. Após o PMDB, na terça-feira foi o PP e na quarta o PSD e o PTB que saíram da base do governo. No começo da semana, o governo já havia sofrido o abandono do PRB, que tem 21 deputados e um senador, já ocupou o Ministério dos Esportes, e está com o governo desde 2003. Depois de chamar o país inteiro de "golpista", Dilma anunciou um "pacto" - naturalmente, com os "golpistas" - para aumentar impostos.

Edição 3431
13 e 14 de Abril

Duelam para ver quem é mais golpista


Dilma e Temer se acusam do mal que causaram ao Brasil

Impeachment de Dilma avança na Câmara, mas o de Michel Temer segue engavetado por Cunha

Num ambiente em que vale qualquer coisa que não seja a verdade, dilmistas e temeristas – e, aliás, os próprios, Dilma e Temer – expõem ao público o seu golpismo. Uma quer continuar no poder apesar e contra o país, depois de traí-lo - e para continuar traindo-o. O outro quer passar a perna na sua parceira de traições, para continuar fazendo a mesma coisa. Qual a diferença política ou moral entre uma e outro? O que se pode dizer sobre esses dois golpistas, é que uma merece o outro - e vice-versa.

Edição 3430
08 a 12 de Abril

Posição avança em todos os partidos

Senador Romário aponta o caminho: novas eleições, já!

Voto popular é a saída definitiva para a crise, esta é minha convicção

O senador Romário (PSB-RJ) declarou que é a favor de eleições para substituir Dilma e Temer. "Sou a favor de um novo pleito. Tenho a convicção de que o voto popular é soberano, logo, os brasileiros devem ser chamados a essa responsabilidade. Na minha opinião, essa é a saída definitiva para a crise". Romário considerou que a proposta de novas eleições está avançando velozmente: "A última pesquisa a que tive acesso aponta que 68% dos brasileiros são a favor do impeachment. Outra aponta que 80% das pessoas querem uma nova eleição".

Edição 3429
06 e 07 de Abril

Poder que se volta contra o povo é tirania


Rede, PSB, PPL, PSTU abrem campanha por Eleições Gerais Já!

Povo quer tirar Dilma, mas não aceita o acordão PMDB-PSDB para manter a mesma política que provocou a crise

O ato de terça-feira, em Brasília, em que a Rede Sustentabilidade, o Partido Socialista Brasileiro e o Partido Pátria Livre lançaram a campanha pelas eleições imediatas, assim como as manifestações convocadas pelo Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado, no dia 1º, pelo mesmo motivo, são de importância decisiva para a limpeza das estrebarias de Áugias em que se transformou a vida política debaixo do PT, PSDB e PMDB. Com o país arrasado, com três milhões de desempregados a mais em um único ano, a economia estrangulada por juros determinados pelo próprio governo, milhares de empresas fechadas, ou fechando, arrocho salarial, fome, miséria e morte, com o roubo endêmico sobre a propriedade e o dinheiro públicos - é preciso devolver a soberania ao próprio povo. Dilma e Temer são tão parecidos quanto dois cadáveres em decomposição.

Edição 3428
01 a 05 de Abril

Antes que o braço da lei os castigue

PMDB deixa Dilma e arma com PSDB novo governo para travar a Lava Jato

Presidenta moribunda por mais que tente não consegue dar proteção a aliados nos malfeitos

Temer, Jucá, Renan ou Cunha não têm grandes diferenças ideológicas com Dilma & asseclas. Por que, então, querem o poder? Certamente, não para realizar algum projeto nacional e fazer bem ao povo. O único "projeto" de uns e outros é submeter o país aos bancos e multinacionais – e embolsar uma propina sem ir para a cadeia. Mas Dilma não manda mais nada: tornou-se uma alma penada. A única forma pacífica de varrer essa escória é realizar eleições. De Dilma ou Temer o país só pode esperar a convulsão social.

Edição 3427
30 e 31 de Março

Estão abusando da nossa paciência


Corruptos querem acabar com Moro e a Lava Jato para poder roubar mais

Lula disputa com o PMDB e PSDB a liderança da "Operação Abafa"

A Operação Lava Jato já devolveu à Petrobrás R$ 2,9 bilhões de dinheiro que fora roubado. O total dos pedidos de ressarcimentos, de assaltos já provados, ascende a R$ 21,8 bilhões – e isso não é tudo, pois a perícia da PF apontou uma soma de roubos que vai a R$ 42 bilhões, fora os prejuízos da Petrobrás com os acordos corruptos com a Braskem, braço da Odebrecht no setor petroquímico. Porém, a campanha dos que querem continuar roubando o patrimônio do povo brasileiro para se eternizar no poder contra a vontade e contra os interesses do Brasil, agora atribui todos os problemas do país ao juiz Sérgio Moro e à Operação Lava Jato. Se alguém acreditasse nesses elementos – Dilma, Lula, Temer, Cunha, Renan e outros de caráter sem jaça e moral ilibada – poderia concluir que o grande estímulo de que a economia precisa para crescer é a roubalheira. Se o povo e o juiz Moro deixassem os ladrões do patrimônio nacional impunes, a economia subiria mais que foguete soviético nos velhos tempos. É só ver o que aconteceu nos últimos anos.

Edição 3426
25 a 29 de Março

Sem eleições gerais, a crise não terá fim

Temer leva PMDB a trocar PT por PSDB em outro governo de traição nacional

Marcada para dia 29 a reunião que pretende deflagrar desembarque

Na quarta-feira, em reunião no Palácio do Jaburu, Temer confirmou, para o dia 29, a Convenção do PMDB em que pretende pular fora do barco do PT para se juntar ao PSDB. O perfil do elemento e seus apoiadores torna mais urgente a convocação de eleições, para que o Brasil se livre de todas as corjas que disputam quem vai pilhar o povo para locupletar bancos, multinacionais e outros tubarões. Temer tem uma constante em sua carreira: sempre pula de um governo de traição nacional para outro governo de traição nacional. É dos poucos que conseguem trair a traição para trair outra vez em seguida.

Edição 3425
23 e 24 de Março

Povo não aceita trocar seis por meia dúzia


Nem Dilma, nem Temer. Eleições gerais já!

PMDB e PSDB armam acordão para governar após o impeachment

O país chegou a um consenso. Do jeito que está – e não apenas o país está paralisado, mas sendo devastado e destruído – não é possível continuar. O governo é uma camarilha cujo horizonte não ultrapassa o fundo dos seus bolsos (ou bolsas). De Dilma a Temer; de Renan a Cunha; todas essas mediocridades sequiosas são o resultado da falsificação das eleições na tentativa de perpetuar-se no poder à custa da pilhagem da Petrobrás e promoção do lixo político. Não há solução que mantenha a podridão, mudando Dilma por Temer. Eleições agora ou o povo imporá a democracia nas ruas.

Edição 3424
18 a 22 de Março

Grampos revelam a obstrução da Justiça

Dilma põe Lula na chefia de governo podre, entreguista, corrupto e golpista

Série de manipulações toscas para acobertar o assalto à Petrobrás

Dilma anunciou a nomeação de Lula para a Casa Civil. Nunca dantes na História do Brasil, uma presidenta escorraçada pelas ruas abdicou, na prática, em favor de seu antecessor. Também nunca dantes o antecessor arrumou sua nomeação para fugir às investigações policiais e inquéritos judiciais. As gravações de telefonjemas de Lula, divulgadas também na quarta-feira são o retrato de um homem pequeno, que não consegue enxergar, devido a isso, o tamanho do Brasil. O Lula que aceita regalos dos ladrões que pilharam a Petrobrás não é o Lula em que o povo votou em 2002 e 2006.

Edição 3423
16 e 17 de Março

Povo não aceita mudanças só de fachada


Recado veio das ruas: Fora Dilma! Fora Temer! Toda força à Lava Jato!

Alckmin e Aécio também foram vaiados na Paulista. Juiz Sérgio Moro foi aclamado como herói

As manifestações de domingo explodiram de gente pela razão óbvia que ninguém aguenta mais esse governo, exceto os poucos que se beneficiam com seus esquemas – e ninguém aguenta mais as tentativas para abafar ou anular as investigações do assalto à Petrobrás por parte de um cartel que subornava funcionários e partidos governistas, que financiavam campanhas com o dinheiro das proprinas. O repúdio a um regime político e econômico podre, que colocou o país na pior crise de nossa História, foi extensivo a Alckmin, Aécio, Cunha, Renan e outros serviçais do sistema financeiro antinacional. Naturalmente, os motivos para a saída de Dilma são os mesmos para a saída de Temer. O roubo que financiou a campanha de uma, financiou a campanha do outro. Portanto, é preciso recorrer diretamente ao povo para restabelecer sua soberania como única fonte legítima do poder.

Edição 3422
11 a 15 de Março

Empreiteira bancava despesas de Lula

Chefe do cartel que assaltou Petrobrás é condenado a 19 anos

Processo cobra ainda de Marcelo Odebrecht a devolução de 14 bilhões

A condenação de Marcelo Odebrecht a 19 anos e quatro meses, por assaltar a Petrobrás, é um acontecimento histórico. Odebrecht foi condenado por 11 crimes de corrupção, 50 de lavagem e um de associação criminosa. "Há um conjunto de provas muito robusto", diz, em sua a sentença o juiz federal Sérgio Moro, "que permite concluir, acima de qualquer dúvida razoável, que o pagamento das propinas pelo Grupo Odebrecht aos agentes da Petrobrás, com destinação de parte dos valores a financiamento político, fazia parte da política corporativa do Grupo Odebrecht".

Edição 3421
09 e 10 de Março

Sítio, triplex, cozinha, quartos, mudança


Moro exagerou, Lula fez cena, mas provas da Lava Jato contra ele são demolidoras

Mais magoado está o povo ao vê-lo aceitar tanto "presente" dos assaltantes da Petrobrás

Em sua arenga após prestar depoimento à equipe da Operação Lava Jato, Lula defendeu as empresas que assaltaram a Petrobrás, fez uma novena em prol do maravilhoso governo Dilma e atacou a investigação sobre as quadrilhas monopolistas que lhe pagam até a armazenagem de sua mudança de Brasília, para não falar de reforma de sítio, reforma e mobiliário de triplex, palestras ignotas para expor suas ideias luminosas a preço de ouro, etc., etc. A decisão do juiz Moro de proceder à "condução coercitiva" de Lula para prestar depoimento, abriu espaço para a mambembe vitimização, que o Ministério Público classificou de "cortina de fumaça". Lula é suspeito de lavagem – ou seja, de receber dinheiro ilícito do esquema de pilhagem à Petrobrás, sob a forma de presentes e favores das grandes empreiteiras. Sobre isso, ele desviou do tema.

Edição 3420
04 a 08 de Março

Silvéria apunhalou o Brasil pelas costas

Projeto Dilma-Serra que rouba o pré-sal da Petrobrás é golpe

Depois de destruir a economia, quer entregar para a Shell o nosso passaporte para o futuro

O substitutivo acertado por Dilma e Serra para tirar da Petrobrás a condição de operadora única no pré-sal, e escancarar nossas maiores reservas petrolíferas para as multinacionais, é um golpe no Brasil e no povo brasileiro. Inteiramente contra a vontade dos brasileiros, pretendem fazer isso através de um cambalacho entreguista. Nada poderia existir de mais golpista. Sobretudo quando temos a companhia petrolífera que tem melhores condições de operar o pré-sal. Nós precisamos do petróleo para o nosso desenvolvimento, para deslanchar um novo ciclo de industrialização e crescimento. Para os dilmo-serristas, o pré-sal é uma excelente oportunidade para que as multinacionais extraiam petróleo do Brasil a preço mais do que mesquinho. Sua grande aspiração é a de ser feitores dos países imperialistas e monopólios externos.

Edição 3419
02 e 03 de Março

Golpe e traição a serviço das múltis


Dilma passa a perna em aliados para tirar pré-sal da Petrobrás

Depois do entreguismo subterrâneo, só resta a 3ª via, diz João Vicente

Enquanto Dilma dizia que era contra afastar a Petrobrás da operação única do pré-sal – ou fazia o que podia para passar essa marketagem - técnicos do governo "estavam nos gabinetes dos senadores, agindo a favor do projeto entreguista", relatou o senador Requião. "Nós passamos a ter a certeza que liquidávamos esta aventura criminosa contra o Brasil. Mas veio uma proposta do governo, num acordo com José Serra. E nós perdemos o apoio de muitos companheiros que atenderam um pedido do governo. E o José Serra emplacou a sua suposta promessa aos Estados Unidos e aos americanos".

Edição 3418
26 a 01 de Março

Se juntou a Serra para favorecer múltis

Dilma trai o Brasil e faz Senado retirar o pré-sal da Petrobrás

Para Requião, corrupção abriu a porta para traição aos interesses nacionais

O conluio de Dilma e Serra para eliminar a Petrobrás como operadora única do pré-sal e aboletar a Chevron, Shell, Exxon, BP e outras petroleiras estrangeiras em nossa maior reserva petrolífera revelou-se despudoradamente na sessão de quarta-feira do Senado. "Deixamos de derrotar a proposta do Serra porque o governo se aliou a ele", afirmou o senador Roberto Requião. "Nós fomos derrotados por uma aliança do Governo com o PSDB", disse o senador petista Lindbergh Farias. Durante a sessão, entreguistas saudaram a "lucidez" do governo.

Edição 3417
24 e 25 de Fevereiro

Lava Jato se aproxima de Dilma e Lula


Justiça decreta prisão de marqueteiro do PT pago pela Odebrecht

O "acarajé" desviado da Petrobrás foi parar na conta da Shellbill - EUA

A Polícia Federal (PF) deflagrou na segunda-feira a 23ª fase da Operação Lava Jato, batizada de "Acarajé", numa referência à forma como os investigados se referiam às propinas pagas em dinheiro vivo. Foram expedidos seis mandados de prisão temporária e dois de prisão preventiva. Entre os investigados que tiveram prisão temporária decretada está o marqueteiro do PT, João Santana, e sua esposa Mônica Moura, donos da empresa Pólis Propaganda & Marketing. Santana foi marqueteiro das campanhas de Dilma Rousseff e da reeleição do ex-presidente Lula, em 2006. Eles foram presos na manhã da terça-feira ao desembarcarem no aeroporto de Guarulhos (SP).

Edição 3416
19 a 23 de Fevereiro

Conluio para dar às múltis o que é nosso

Dilma vira cúmplice de Serra para roubar pré-sal da Petrobrás

Renan anunciou apoio do Planalto à entrega das jazidas de petróleo

Depois de reunir-se com Dilma, Renan anunciou que ela "não tem objeções" ao projeto de Serra que escancara o Pré-sal para as multinacionais, eliminando a Petrobrás enquanto operadora única. Não houve qualquer desmentido do Planalto, nem alguém se espantou com o anúncio. A política de Dilma em relação à Petrobrás – do leilão de Libra à proteção ao roubo do cartel do bilhão, até o corte dos investimentos e à privatização de subsidiárias – nunca foi a de quem quer a Petrobrás como operadora única para que a propriedade do povo brasileiro sobre o seu petróleo seja garantida.

Edição 3415
17 e 18 de Fevereiro

Dinheiro sujo regou eleição de Dilma


Moro diz ao TSE que propina foi passada como doação oficial

Comprovado pixuleco de 4 milhões ao tesoureiro preso do PT, afirma juiz

Em resposta a pedido do TSE, o juiz Sérgio Moro afirmou que "reputou-se comprovado o direcionamento de propinas acertadas no esquema criminoso da Petrobrás para doações eleitorais registradas" de campanhas do PT. A solicitação do TSE para que fossem enviadas as provas da Operação Lava Jato de que as propinas bancavam as campanhas do partido de Dilma, deu-se no âmbito do processo que investiga as irregularidades da última eleição presidencial. Em três julgamentos – faltam seis - foi comprovado que R$ 4 milhões em propinas foram lavadas como contribuições eleitorais registradas.

Edição 3414
05 a 09 de Fevereiro

Ex-presidente enfiou o pé na jaca

OAS pagou 312 mil para aparelhar as cozinhas do sítio e do triplex do Lula

Relações promíscuas com empreiteiras que assaltaram Petrobrás viraram a cabeça dele

Por que a OAS – e a Odebrecht – gastou tanto dinheiro na reforma e aparelhamento do sítio, frequentado por Lula a cada duas semanas, e no triplex de Guarujá? Lula pode dizer que o sítio e o triplex não eram ou não são seus - mas não era essa a opinião da OAS e da Odebrecht. Além das 111 vezes que usou o sítio, Lula, em 2014, visitou o triplex em companhia de Leo Pinheiro, presidente da OAS – hoje preso e condenado a 16 anos e quatro meses - e a desistência do imóvel foi no final do ano passado.

Edição 3413
03 e 04 de Fevereiro

Anunciou no Conselhão da Recessão


Dilma torra 501 bi em juros e quer assaltar a Previdência e o FGTS

Nunca antes neste país o governo passou tanto dinheiro para os bancos

O setor público foi obrigado, pela política de juros estupidamente altos do governo federal, a passar para os bancos e outros rentistas, R$ 501 bilhões e 786 milhões a título de juros, em 2015. Foi a maior sangria em juros de toda a História do país, tanto em dinheiro quanto no que isso representa como parte da riqueza criada no país, no mesmo ano: esse mais de meio trilhão representa 8,46% do Produto Interno Bruto (PIB). No "conselhão", Dilma insistiu na pilhagem à Previdência e ao FGTS – dinheiro dos trabalhadores - para manter e ampliar essa hemorragia.

Edição 3412
29 a 02 de Fevereiro

Dilma e PT festejam a manutenção dos juros mais altos do mundo

Lava Jato pede 150 anos para cúpula da Gutierrez por roubar Estatal junto com PT

Ministério Público quer também devolução de 729 milhões desviados

Em suas alegações finais no processo contra o Grupo Andrade Gutierrez por seus crimes contra a Petrobrás, os procuradores da Lava Jato pediram ao juiz federal Sérgio Moro a condenação, com penas de mais de 30 anos cada um, de cinco diretores do grupo. Foi o segundo processo em uma semana, a chegar à fase que precede imediatamente a sentença. No primeiro, contra Marcelo Odebrecht & cia, o pedido quanto ao réu principal foi de "de uma pena inferior a 100 anos de prisão", declarou o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa do MPF na Operação Lava Jato.

Edição 3411
27 e 28 de Janeiro

Povo sofre o maior assalto da história


Política de Dilma e PT jogou 2,8 milhões no desemprego em 2015

Governo é impatriótico, socialmente insensível e moralmente degenerado

O governo Dilma conseguiu superar a devastação de Fernando Henrique sobre o emprego do país. Tudo o que o transviado tucano conseguiu – e era um crime inominável contra o país – foi desempregar, em um único ano, um milhão de trabalhadores em 1998. Dilma desempregou, também em um único ano, 2015, 2,8 milhões de trabalhadores, somando-se os dados do CAGED (trabalhadores com carteira assinada) com os dados da PNAD Contínua sobre aqueles que não têm carteira-assinada. Nunca houve tanta destruição do país em tão pouco tempo.

Edição 3410
22 a 26 de Janeiro

Falta seriedade, sobra sem-vergonhice

Dilma e PT festejam a manutenção dos juros mais altos do mundo

Política antipatriótica fez o Brasil perder dois milhões de empregos e 3,5% do seu PIB em 2015

Dilma & seus áulicos comemoraram a manutenção da taxa de juros básicos mais alta do mundo - um garrote que faz o país quase agonizar -, mais de duas vezes a taxa do segundo colocado. O BC, Dilma e caterva estavam a favor de aumentar os juros, mas mudaram o disco quando os chefes do cartel bancário manifestaram-se contra. Por que iriam arriscar-se a degringolar a situação, inclusive para eles, se, com a taxa atual - à custa de detonar a Saúde, Educação, etc. - ganham algo como R$ 500 bilhões ao ano?

Edição 3409
20 e 21 de Janeiro

Quer entravar aposentadoria ao máximo


Dilma joga culpa pela crise em idosos para assaltar Previdência

Torrou R$ 450 bilhões em juros e quer agora arrombar cofres do INSS

Em duas entrevistas, em 15 dias, Dilma declarou sua intenção de estabelecer uma idade mínima para a aposentadoria. Não disse que idade, mas, em documento enviado ao Forum de Debates sobre a Previdência, em dezembro, o governo propôs 65 anos, tanto para os homens quanto para as mulheres. O objetivo é desviar mais dinheiro da Previdência para os juros, isto é, para os cofres dos bancos, e, ao aumentar o número de trabalhadores na ativa – portanto, com mais desempregados – rebaixar mais, e permanentemente, o nível salarial do conjunto dos trabalhadores.

Edição 3408
15 a 19 de Janeiro

TCU, juristas e auditores denunciam:

Medida de Dilma que dá imunidade penal a ladrões do Estado "é inconstitucional"

Governo quer forçar fim de processos em curso e vetar abertura de novos

A MP 703 é completamente inconstitucional, pois altera as leis a que o próprio governo deveria estar submetido, inclusive a fiscalização, denunciam juristas, auditores e o próprio TCU. A medida extingue os processos judiciais contra as empresas que roubaram a Petrobrás e encheram os cofres do PT e outros partidos de propinas. Os "acordos de leniência" tornam-se, assim, acordos de impunidade e proteção a delinquentes que assaltaram as finanças do povo. Além disso, afasta o TCU da consecução desses acordos e transfere o poder de fechá-los para o próprio governo.