logo.gif (2326 bytes)

Vagabundas da "Folha" grudam no saco do Império

Logo depois da demolição de alguns prédios em Washington e Nova Iorque, o sr. Baby Frias cometeu no jornal do seu progenitor um artigo para revelar ao mundo que de agora por diante todos devem se curvar aos EUA - e sem reclamar. Todos "terão de apoiar sua campanha de retaliações"; suas "intervenções contarão com apoio e talvez se tornem rotina"; "o raio de manobra de países como a França e a China foi cortado". Quanto ao Brasil, "nossa política externa deverá abandonar as pretensões a alguma autonomia. Vamos sacrificar o que resta de independência no altar do Ocidente".

Deveria haver uma lei proibindo o nepotismo nas redações de certos jornais. Não que isso resolvesse o problema desses jornais, mas pelo menos evitaria às famílias dos donos alguns constrangimentos. "Ocidente"? Pois é, segundo ele o Ocidente são os EUA, que por sinal não são um país, mas uma religião - que tem até "altar" diante do qual todos devem se prosternar.

Que essa é a religião dele e da "Folha de S. Paulo", já era sabido. Mas o sr. Frias Júnior, além de coroinha do altar ianque, é especialista em todas as coisas das quais não tem a menor idéia do que seja, isto é, em tudo. Mais precisamente, religioso que é, opera na sacristia o milagre de tomar suas fantasias em geral e seu acoelhamento em particular como se fossem o mundo. Aliás, assim como tem quase certeza - certeza mesmo, ele não tem nenhuma - de que o céu localiza-se nos EUA, acha que o mundo é a redação da "Folha".

Em suma, ele está aliviado. Finalmente arrumou uma forma de ser capacho sem se sentir culpado por ser um capacho. Portanto, haja cadernos e mais cadernos sobre os EUA, cada um tentando superar o outro no besteirol capachista. Segundo o seu catecismo, a culpa não é dele, mas dos que forneceram aos EUA uma pequena - muito pequena - amostra do que a casta dominante norte-americana faz por atacado ao redor do mundo, e há décadas. Em resumo, a culpa dele ser capacho é dos que não são capachos.

Porém, não será dessa vez que o quase lustroso Baby Frias terá essa oportunidade. Realmente, como ele diz, "não é difícil prever" o que acontecerá. Se tivéssemos alguma dificuldade, para acertar bastaria prever o contrário do que ele quer que aconteça. O Império tem hoje exatamente a cara do usurpador que fraudou as já fraudulentas eleições americanas: aquela cara de panaca que não sabe o que fazer e, se fizer algo, será pior para ele. Levou uma cacetada nas fuças - e na frente de todo mundo. Naturalmente, como o valentão da piada, está no momento berrando que isso não vai ficar assim. Realmente, não vai. Se se meter a besta, vai apanhar de novo.

Portanto, se o herdeiro do dono da "Folha" quer arrumar um pretexto para ser um capacho sem sentimento de culpa, que procure outro. O que, aliás, de nada adiantará, da mesma forma que não adiantarão as menções, completamente ignorantes, sobre "a Rússia absolutista do século 19", onde, segundo ele, teria surgido "o terrorismo moderno". Como se vê, o rapaz também é dado às categorias históricas - sem saber o que é terrorismo já o dividiu em "moderno" e antigo...

Terrorismo hoje é o que os EUA praticam em todo o mundo - na Iugoslávia, no Iraque, no Vietnã, na Coréia, no Panamá, em Granada, na Nicarágua e em todo e qualquer lugar. O que houve em Washington e Nova Iorque não foi uma ação terrorista, mas uma ação de guerra, uma ação militar dos agredidos contra os agressores. E, evidentemente, nada teve a ver com alguns revolucionários anticzaristas de mais de 100 anos atrás, cujas ações visavam o czar e outros trogloditas daquela época.

Mas não é a toa que ele tirou essa asnice de "Os Demônios" (mais corretamente, "Os Possessos") de Dostoievsky, o panfleto mais puxa-saco, mais reacionário, mais estúpido e mais paranóico já publicado na Rússia, mesmo debaixo do czarismo. É natural que ele se identifique com um esmagado, um castrado como Dostoievsky e confunda os escritos babosos do latrinoso literato com documentos históricos. Apesar de, pelo que diz a respeito, não ter passado da orelha do livro. O que, é forçoso reconhecer, talvez seja, afinal, uma qualidade da qual ele não deveria se envergonhar.

CARLOS LOPES

Voltar

Paginas: 1 2  3  4  5  6  7  8

 

Converse com Editor

Páginas desta edição 
1 2 3 4 5 6 7 8
Índice
 Biblioteca
1992 2000
1993 2001
1994 2002
1995 2003
1996 2004
1997 2005
1998 2006
1999 2007
Matérias Especiais
Cartas
Assinatura

Caderno Especial

O assassinato de Máximo Gorki

1 2

Caderno Especial Historia do PCUS

1 2
Expediente